Síndrome da pele escaldada: causas e sintomas

A síndrome da pele escaldada é uma doença delicada que geralmente afeta crianças menores de 6 anos. Deve ser diagnosticada e tratada a tempo para que não tenha um desfecho fatal.
Síndrome da pele escaldada: causas e sintomas

Última atualização: 09 Maio, 2021

A síndrome da pele escaldada é uma doença de pele. Ocorre como reação a uma infecção cutânea causada por estafilococos. Sua principal característica é a formação de bolhas e a consequente descamação da pele.

Este problema afeta principalmente bebês ou crianças com menos de 6 anos de idade. A síndrome da pele escaldada é muito rara em adultos, a menos que haja uma deficiência no sistema imunológico ou insuficiência renal.

O que causa a síndrome da pele escaldada?

Criança com feridas na pele
A síndrome da pele escaldada é causada pela presença de estafilococos, que secretam uma substância tóxica que afeta a pele.

A síndrome da pele escaldada resulta de uma infecção cutânea causada por bactérias da família do estafilococo. Na maioria dos casos, o agente infeccioso é o estafilococo aureus ou epidermidis.

Esses microrganismos secretam uma substância tóxica que afeta a pele. Isso faz com que a camada superior da epiderme se separe do resto da pele. Desta forma, aparecem bolhas que arrebentam e a pele parece estar escaldada.

O mais comum é que a pessoa afetada tenha um foco infeccioso inicial que passa despercebido. Uma vez iniciada, a síndrome da pele escaldada se desenvolve rapidamente. No entanto, às vezes isso acontece vários dias após a infecção inicial.

Esta síndrome é contagiosa. As infecções por estafilococos aumentaram em todo o mundo desde a década de 1970. Estima-se que o Staph aureus esteja presente em 30-50% dos adultos saudáveis.

Quais são os sintomas característicos?

Embora a síndrome da pele escaldada tenha vários sintomas característicos, é comum que cada criança os experimente de maneira diferente. O mais comum é que a primeira manifestação seja febre, acompanhada de vermelhidão na pele.

Geralmente começa com uma úlcera isolada com crosta. Em recém-nascidos, a úlcera geralmente aparece na área da fralda ou próximo ao coto do umbigo, enquanto em crianças mais velhas quase sempre aparece na face. Em adultos, pode surgir em qualquer parte do corpo.

A úlcera evolui e, em 24 horas, torna-se vermelha escarlate. Logo depois, bolhas cheias de líquido começam a se formar. Estas se rompem com muita facilidade e deixam a pele úmida e escaldante, como se uma queimadura tivesse ocorrido. Outros sintomas comuns são os seguintes:

  • Dor ao toque nas áreas afetadas.
  • Calafrios.
  • Sensação de fraqueza
  • Perda de fluidos.
  • Sinal de Nikolsky. As camadas superficiais da pele são desalojadas das camadas mais profundas apenas esfregando-as com uma leve pressão. Em dois ou três dias, toda a superfície da pele é afetada.

Que tratamento existe para essa síndrome?

Consulta com o pediatra
Diante da presença de sintomas, recomenda-se uma consulta médica imediata.

O diagnóstico da síndrome da pele escaldada é feito com base no quadro clínico e na detecção da toxina. Às vezes é necessário fazer uma biópsia da pele para confirmar a doença, que em suas primeiras manifestações é muito semelhante à escarlatina, eritema multiforme, doença de Kawasaki e outras.

Confirmado o diagnóstico, o normal é que o tratamento seja feito no hospital. Essa doença recebe um manejo semelhante ao aplicado em caso de queimadura e, de fato, costuma ser tratada na unidade de queimados. O mais comum é que as seguintes medidas sejam tomadas:

  • Administração de antibióticos para estafilococos. São administrados por via oral e/ou intravenosa, dependendo da condição de cada paciente. Sua função é prevenir qualquer tipo de infecção.
  • Fornecimento de fluidos intravenosos. O paciente perde muitos fluidos corporais através da pele ferida. Isso requer que sejam tomadas medidas para evitar uma possível desidratação.
  • Medidas de proteção da pele. Isso inclui o uso de cremes e pomadas para fortalecer a função de barreira da pele. Hidratantes também são aplicados.
  • Medidas de alívio. Dizem respeito à aplicação de compressas frias na pele para diminuir a dor.

O tratamento pode variar dependendo da idade do paciente, condição geral de saúde, gravidade da condição, tolerância ao medicamento, expectativas ou preferências. O mais comum é que a pele comece a cicatrizar 10 dias após o início do tratamento.

Como lidar com a síndrome da pele escaldada?

Se a criança ou adulto for atendido de forma precoce, o mais comum é que não surjam complicações. O risco mais importante é uma infecção cutânea mais profunda: a celulite infecciosa. Também é preocupante que o quadro infeccioso se agrave e atinja a corrente sanguínea, causando septicemia.

Outros riscos são desidratação e desequilíbrio eletrolítico. Além disso, a febre deve ser controlada de forma adequada, principalmente em bebês. Se a criança ou o adulto forem diagnosticados e tratados rapidamente, o resultado costuma ser favorável. No entanto, a síndrome da pele escaldada pode levar à morte se não for tratada adequadamente.

Em conclusão, na presença de bolhas que provocam febre e/ou dos demais sintomas indicados acima, recomenda-se uma consulta médica imediata.

Pode interessar a você...
10 causas e tipos de erupções cutâneas
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
10 causas e tipos de erupções cutâneas

Existem diferentes causas e tipos de erupções cutâneas, embora todas sejam caracterizadas por provocar inflamação e irritação. Saiba mais!



  • Perena, M. J., Perena, M. F., Rodrigo-Royo, M., & Romera, E. (2000). Neuroanatomía del dolor. Rev Soc Esp Dolor, 7(supl II), 5-10.
  • Novales, J. (2003). Biopsia de piel. Rev Fac Med UNAM, 46(4), 167-168.
  • Ortega Morales, O. M., Guevara, C. E., & Fabiani, R. (2010). Síndrome de la piel escaldada por Staphylococcus aureus. Revista Científica Ciencia Médica, 13(1), 47-47.