Sinais que a violência psicológica deixa no corpo

Apesar da ausência de sinais físicos que evidenciam o abuso, a violência psicológica também deixa alguns sinais no corpo. Vamos contar quais são algumas delas.
Sinais que a violência psicológica deixa no corpo

Última atualização: 14 Janeiro, 2021

Os maus-tratos são um tipo de interação social ou pessoal em que há uma clara intenção de causar prejuízo à outra parte. Esses danos podem ser tão sutis a ponto de passarem despercebidos. Esse é o caso da violência psicológica que, embora não seja física, deixa sinais no corpo.

A seguir, contaremos quais são alguns de seus efeitos no organismo e os problemas de saúde que podem causar.

O que é a violência psicológica?

A violência psicológica é um tipo de abuso verbal (não físico) em que o perpetrador tenta subjugar a outra pessoa, abusando de seu poder sobre ela. Acontece por meio de humilhações, desqualificações, humilhações, insultos, isolamento ou assédio que abalam a dignidade da vítima.

Como não há evidências visíveis, como golpes, arranhões ou hematomas, às vezes é difícil provar, pois é a palavra de um contra o outro.

Manipulação emocional

Sinais que a violência psicológica deixa no corpo

1. Distúrbios do sono

O abuso psicológico geralmente resulta em distúrbios do sono. As altas doses de pressão e violência verbal causam quadros de ansiedade e estresse, os quais estão frequentemente relacionados à insônia ou a um descanso de menor qualidade.

Como aponta um estudo do Instituto de Neurociência dos Países Baixos, esses constantes estados de alerta estão associados a problemas para dormir, o que, por sua vez, afetam o desconforto experimentado durante o dia.

Ou seja, nessas circunstâncias o sono não repara a situação estressante vivida pela vítima, e a vítima vai se enfraquecendo ainda mais, sem a possibilidade de lidar com essa dor de forma eficaz.

Assim, começa toda uma cadeia de alterações na qual outros sistemas do organismo acabam se envolvendo. Esse é o caso tanto em nível metabólico quanto cardiovascular, de acordo com recente revisão conduzida por pesquisadores da Universidade de Seul (Coreia do Sul).

2. Hipertensão

Em relação ao exposto acima e como também indicado pela publicação que acabamos de citar, a hipertensão é outro dos sinais que a violência psicológica deixa no corpo. A questão é que o fato de viver com uma contínua sensação de alerta está vinculado a uma pressão arterial mais elevada.

O cérebro informa o organismo de que está em risco ou perigo, aumentando assim o bombeamento do sangue. Isso acontece, por exemplo, com pessoas que vivem em locais conflitivos ou onde ficam expostas a ameaças constantes. No caso de abuso psicológico, efeitos semelhantes são produzidos.

3. Transtornos alimentares

Conforme explicado em um trabalho atual do Dr. Markus J. Rantala e sua equipe, os transtornos alimentares são mediados pela resposta ao estresse que cada indivíduo apresenta.

Caso se torne crônico, uma das possíveis consequências é a variação de hábitos básicos como a dieta alimentar. Assim, as vítimas de violência psicológica sofrem distúrbios como:

  • Perda de apetite.
  • Falta de controle na ingestão.
  • Insegurança e despreocupação pelo que se come.

Fatores como sentimento de solidão, frustração, raiva contida ou desamparo influenciam essas mudanças. São traços que muitas vezes caracterizam a dor vivenciada e que tornam ainda mais intenso o estresse emocional ao qual a pessoa está submetida.

4. A depressão é mais um dos sinais que a violência psicológica deixa no corpo

Nesse tipo de abuso, o componente psicológico do dano assume as seguintes formas:

  • Chantagens.
  • Ciúme descontrolado.
  • Privação da liberdade.
  • Invasão da intimidade.
  • Domínio e submissão.
  • Insultos e apelidos humilhantes.
  • Relações sexuais não consensuais.
  • Gritos, desqualificações e depreciações.
  • Controle do dinheiro, da roupa e das relações sociais.

Diante desses ataques, a pessoa afetada passa a apresentar alguns dos sintomas típicos da depressão. Se forem mantidos por um longo período, a deterioração da autoestima da vítima pode ser devastadora e causar transtornos de humor significativos.

A questão é que, mesmo sem mostrar sinais físicos, a pessoa cai em um estado de desolação tão profundo em que é até possível contemplar o suicídio como a única via de escape.

Além disso, soma-se o fator agravante de que, em geral, o agressor costuma ser o parceiro ou um membro próximo da família.

Mulher chateada

Então, o que fazer diante dos sinais deixados pela violência psicológica?

Os sinais que a violência psicológica deixa podem não ser óbvios a olho nu, mas se você prestar um pouco de atenção, verá que estão aí e que afetam a qualidade de vida da pessoa.

Portanto, se você detectar que está em uma situação desse tipo e, além disso, identificar alguns sinais como os que discutimos, pedir ajuda é uma prioridade.

Pode interessar a você...
5 exercícios que melhoram seu relacionamento
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
5 exercícios que melhoram seu relacionamento

Cada relacionamento é uma faísca de felicidade e de energia. Porém, pode se transformar no contrário se não cuidarmos da relação da maneira correta...



  • Coker, A. L., Davis, K. E., Arias, I., Desai, S., Sanderson, M., Brandt, H. M., & Smith, P. H. (2002). Physical and mental health effects of intimate partner violence for men and women. American Journal of Preventive Medicine, 23(4), 260–268. https://doi.org/10.1016/s0749-3797(02)00514-7
  • Dokkedahl, S., Kok, R. N., Murphy, S., Kristensen, T. R., Bech-Hansen, D., & Elklit, A. (2019). The psychological subtype of intimate partner violence and its effect on mental health: protocol for a systematic review and meta-analysis. Systematic Reviews8(1), 198. https://doi.org/10.1186/s13643-019-1118-1
  • Kimber, M., McTavish, J. R., Couturier, J., Boven, A., Gill, S., Dimitropoulos, G., & MacMillan, H. L. (2017). Consequences of child emotional abuse, emotional neglect and exposure to intimate partner violence for eating disorders: a systematic critical review. BMC Psychology, 5(1), 33. https://doi.org/10.1186/s40359-017-0202-3
  • Koo, D. L., Nam, H., Thomas, R. J., & Yun, C. H. (2018). Sleep Disturbances as a Risk Factor for Stroke. Journal of Stroke20(1), 12–32. https://doi.org/10.5853/jos.2017.02887
  • Mwakanyamale, A. A., & Yizhen, Y. (2019). Psychological maltreatment and its relationship with self-esteem and psychological stress among adolescents in Tanzania: a community based, cross-sectional study. BMC Psychiatry19(1), 176. https://doi.org/10.1186/s12888-019-2139-y
  • Rantala, M. J., Luoto, S., Krama, T., & Krams, I. (2019). Eating Disorders: An Evolutionary Psychoneuroimmunological Approach. Frontiers in Psychology, 10, 2200. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2019.02200
  • Rivera, P. M., Fincham, F. D., & Bray, B. C. (2018). Latent Classes of Maltreatment: A Systematic Review and Critique. Child Maltreatment23(1), 3–24. https://doi.org/10.1177/1077559517728125
  • Simmons, J., Wijma, B., & Swahnberg, K. (2015). Lifetime co-occurrence of violence victimisation and symptoms of psychological ill health: a cross-sectional study of Swedish male and female clinical and population samples. BMC Public Health15, 979. https://doi.org/10.1186/s12889-015-2311-3
  • Wassing, R., Benjamins, J. S., Dekker, K., Moens, S., Spiegelhalder, K., Feige, B., Riemann, D., van der Sluis, S., Van Der Werf, Y. D., Talamini, L. M., Walker, M. P., Schalkwijk, F., & Van Someren, E. J. (2016). Slow dissolving of emotional distress contributes to hyperarousal. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America113(9), 2538–2543. https://doi.org/10.1073/pnas.1522520113
  • Wilkins, N., Myers, L., Kuehl, T., Bauman, A., & Hertz, M. (2018). Connecting the Dots: State Health Department Approaches to Addressing Shared Risk and Protective Factors Across Multiple Forms of Violence. Journal of Public Health Management and Practice, 24, S32–S41. https://doi.org/10.1097/phh.0000000000000669; texto completo