5 sinais de que o seu bebê pode estar com fome

Os bebês não podem falar para comunicar quando estão com fome ou quando já estão saciados. No entanto, eles têm a capacidade de passar essa informação para os pais. É só uma questão de tempo para aprender a interpretar os seus sinais.
5 sinais de que o seu bebê pode estar com fome

Última atualização: 27 Maio, 2021

Para os pais de recém-nascidos, tudo é novo e desconhecido, e isso também inclui a alimentação do bebê. Existem alguns sinais de que o bebê pode estar com fome e que podem dar alguma orientação nesses momentos de dúvida e preocupação.

No artigo a seguir, vamos conhecer alguns deles e como podemos saber se o bebê está com fome ou se já recebeu todos os nutrientes necessários para se desenvolver normalmente.

Quais são os principais sinais de que o seu bebê pode estar com fome?

Conforme indicado pela maioria dos especialistas em alimentação infantilo leite materno é o melhor alimento para o bebê. Caso não seja possível amamentar por alguma razão, a recomendação é oferecer fórmula.

As mamadas devem ser em livre demanda e o principal guia é a sensação de fome do próprio bebê. É necessário aprender a interpretar esses sinais, tanto de fome quanto de saciedade. A princípio, isso pode parecer complicado, mas com o passar dos dias todos os pais e cuidadores ​​acabam encontrando o caminho.

Embora cada caso seja único, existem alguns sinais que indicam que o bebê está com fome e que geralmente valem para todas as crianças:

1. Procurar o peito

Se o bebê estiver no colo e colocar a cabeça perto do peito ou do mamilo, ele está com fome e quer encontrar o seio. Ele também pode mexer bastante a cabeça, de um lado para o outro, como se estivesse procurando a comida.

2. Ficar mais ativo

O bebê fica mais desperto e atento ao que está acontecendo ao seu redor, fazendo movimentos constantes. Isso indica que o bebê está com fome, pois essa sensação causa um pouco mais de agitação.

Bebê mamando leite materno
A amamentação é indicada até os 6 meses de forma exclusiva, a menos que alguma condição patológica não a permita.

3. Tentar sugar

A criança que quer comer faz movimentos de sucção com a boca, mesmo que não esteja com a chupeta, nem com brinquedos ou mordedores. Também é comum que o bebê leve as mãos à boca para chupá-las com insistência.

4. Mostrar a língua

Os estalos com a boca e os movimentos da língua também podem ser um sinal da necessidade e da vontade de comer. Porém, às vezes, o ruído é muito suave e quase imperceptível.

5. Chorar e ficar irritado

O choro de um bebê quase sempre é um sinal de que algo está errado e, às vezes, ele se deve à sensação de fome. No entanto, chegar ao ponto de chorar indica que já faz tempo que o bebê precisava comer.

Se esse for o caso, é melhor acalmá-lo antes de amamentar, pois, caso contrário, ele estará muito nervoso para se alimentar bem. Além disso, ele também pode engolir mais ar do que o normal e depois sofrer com problemas de gases e mal-estar.

Descubra também: Por que os bebês babam tanto?

Como saber se o bebê ficou com fome depois de ser alimentado

Reconhecer quando o bebê quer comer é uma das principais preocupações. No entanto, as dúvidas não param por aqui, pois pode surgir outra preocupação comum: saber se o bebê está mamando o suficiente ou se ficou com fome. Nesse caso, também é possível aprender a interpretar alguns sinais.

  • O tônus ​​muscular diminui: este é o sinal mais comum durante os primeiros seis meses de vida, juntamente com a redução da atividade. O relaxamento indica saciedade.
  • Perda de interesse pelo peito ou mamadeira: o bebê desvia a boca do mamilo ou da mamadeira quando não está mais com fome. Se o leite for oferecido novamente e ele ainda não demonstrar interesse, isso significa que ele está realmente satisfeito.
  • Colocar a atenção em outras coisas: uma vez que foi saciado, é comum que ele queira fazer outras coisas. Pode ser que ele desvie o olhar com insistência ou acompanhe um brinquedo com os olhos. Em suma, a comida fica em segundo plano.
  • O bebê fica feliz: se a mamada tiver sido satisfatória para o bebê e ele não estiver mais com fome, ele ficará feliz, rindo e até mesmo brincando. Se, por outro lado, ele estiver cansado, dará sinais de que quer dormir.

O bebê pode comer demais?

Tão importante quanto conhecer e respeitar os sinais de que o seu bebê pode estar com fome é reconhecer os sinais de que ele está satisfeito. Eles sabem quando devem parar de comer e é raro que comam demais.

Nunca é aconselhável forçar os pequenos a comer, nem mesmo durante a amamentação. A fome das crianças pequenas é muito irregular e imprevisível e as quantidades podem variar muito de um dia para o outro ou até mesmo entre as mamadas.

O choro de um bebê nem sempre indica que ele está com fome. Se ele realmente quiser comer, ao aproximar o peito, ele vai sugar o leite. Às vezes, ao invés disso, eles precisam ficar perto dele porque isso proporciona uma sensação de tranquilidade e segurança.

Sinais de que o seu bebê está bem nutrido

A melhor maneira de saber se um bebê está comendo tanto quanto precisa é o seu crescimento. Se ele engordar e se desenvolver progressivamente, dentro dos parâmetros usuais, isso significa que ele não está ficando com fome e está recebendo todos os nutrientes.

É importante manter as consultas de acompanhamento e todos os exames pediátricos. Nelas, é possível sanar qualquer dúvida sobre a alimentação do bebê, além de acompanhar a sua saúde.

É essencial observar as fezes e a urina. O bebê que come o suficiente evacua várias vezes ao dia e as fezes são líquidas e de cor amarela. Sua urina também é clara e abundante.

Por outro lado, se ele mostrar algum desses sinais, pode indicar que algo está errado com a sua alimentação:

  • O bebê se mostra sonolento, cansado e com pouca energia, até mesmo para mamar.
  • Gasta muito tempo (mais de 45 minutos) para mamar ou tomar a mamadeira.
  • Suas fezes são escassas ou de cor verde e ele também produz pouca urina.
  • O ganho de peso é pequeno ou insuficiente para a sua idade.
Bebê recusando mamadeira
O choro pode indicar fome, mas é importante acalmar a criança antes de alimentá-la.

Os sinais de que o seu bebê pode estar com fome ajudam a controlá-lo

Os recém-nascidos precisam ser alimentados com frequência. Como regra geral, a cada duas ou três horas ou até mesmo mais vezes em alguns casos.

Uma das principais preocupações das mães que amamentam é se o seu leite está alimentando o bebê satisfatoriamente. A quantidade e a composição se adaptam conforme as necessidades vão mudando, até mesmo a cada mamada durante o mesmo dia.

Ao longo do seu desenvolvimento, os bebês passam por picos de crescimento. É comum que eles sintam mais fome e queiram comer com mais frequência. Isso não significa que o leite não seja mais suficiente para eles.

O mesmo acontece com os bebês alimentados com leite de fórmula. As quantidades indicadas são orientações para o preparo correto da mamadeira, mas é preciso entender e respeitar a sua vontade de comer.

Os bebês têm os seus próprios sinais para indicar a fome e a saciedade e, com o tempo, todos os pais aprendem a interpretá-los. Controlar o seu crescimento com o pediatra e a quantidade de fezes e urina são os melhores sinais para saber se o bebê está comendo tudo que precisa.

Pode interessar a você...
Probióticos para bebês
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Probióticos para bebês

É apropriado fornecer probióticos para bebês muito pequenos? Que riscos essa conduta pode trazer para a flora intestinal? Saiba tudo aqui!



  • Agostini C, et al. Breast-feeding: A Commentary by the ESPGHAN Committee on Nutrition. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition. Julio 2009. 49(1):112-125.
  • Basulto J. Se me hace bola. Debolsillo. 2013.
  • Dietitians of Canada. “Is my child growing well?” Questions and answers for parents. Paediatric Child Health. Marzo 2004.9(3):177-190.
  • Healthy child Manitoba. Feeding your baby. From 6 months to 1 year. Winnipeg Regional Health Authority. 2017.
  • Hodges EA, et al. Development of Feeding Cues During Infancy and Toddlerhood. MCN American Journal of Maternal Child Nurse. Agosto 2016. 41(4):244-251.