7 remédios naturais contra o mau cheiro vaginal

18 Novembro, 2020
Se o mau odor vaginal é persistente e também causa desconfortos como irritação, inchaço, entre outros, é recomendável fazer um check-up ginecológico.

O mau cheiro vaginal é sinônimo de desconforto para muitas mulheres. Pode ocorrer por diversos motivos e, ao contrário do que você possa pensar, não apenas por questão de higiene.

Em circunstâncias normais (ou seja, quando há equilíbrio), a flora ou microbiota vaginal desempenha um papel crucial na proteção da área íntima. Por isso, quando algo produz uma alteração nela, a mulher pode ficar mais propensa a sofrer doenças. Os microrganismos proliferam e, não encontrando barreiras, conseguem invadir.

Quando algum patógeno causa o desequilíbrio da microbiota vaginal, um dos sintomas é um mau cheiro vaginal e alterações no corrimento.

Portanto, entre as possíveis causas do odor vaginal podemos citar as seguintes:

  • Vaginose bacteriana.
  • Infecção vaginal por fungos.
  • Doenças de transmissão sexual como clamídia ou gonorreia.
  • Mudanças nos níveis de estrogênio por:
  1. Menstruação.
  2. Gravidez (neste caso, intensifica o cheiro, mas não é nada grave).
  3. Menopausa (podem ocorrer infecções que causam mau cheiro).
  • Usar um mesmo absorvente, protetores diários ou absorvente interno por muito tempo.
  • Usar produtos inadequados para a vagina, como sabonetes perfumados e desodorantes (afetam o ph vaginal).

O que você pode fazer contra o mau cheiro vaginal?

Vejamos a seguir quais são os remédios naturais – ou melhor, medidas básicas – que você pode colocar em prática para se despedir do mau cheiro e desconfortos vaginais.

1. Beba muita água

Uma boa hidratação

Manter uma boa hidratação é sempre essencial para gozar de boa saúde. A água não só contribui para o bom funcionamento de todos os órgãos e sistemas, mas também ajuda a prevenir o crescimento excessivo de bactérias na área íntima.

Não é recomendável consumir água com sabor ou outras bebidas industrializadas, mas sim água, sucos naturais e (se o médico autorizar) alguns chás de ervas.

Leia também: Infusões frutais geladas para o verão

2. Evite consumir alimentos muito açucarados

Uma má alimentação, combinada com uma hidratação deficiente, pode causar odor vaginal. Portanto, você deve manter bons hábitos alimentares.

Recomenda-se evitar o consumo de grandes quantidades de alimentos açucarados, pois eles podem facilmente causar a proliferação de patógenos, como os fungos.

De acordo com dados de uma pesquisa recente, um baixo consumo de açúcar em uma dieta saudável e balanceada ajuda a manter a saúde da vagina.

Em vez de comer doces, bolos e outros produtos afins, que tal uma rica salada de frutas ou um iogurte simples ou grego com nozes?

3. Regule seu consumo de café

Assim como o café pode mudar o cheiro do seu suor, também pode mudar o cheiro da sua vagina. E foi demonstrado que beber café pode alterar o odor corporal, em termos gerais.

Portanto, se você quiser evitar o odor vaginal, tente moderar o consumo diário de café.

Nota: Os especialistas da MedicalNewsToday indicam que também é aconselhável evitar (ou pelo menos moderar) o consumo de bebidas alcoólicas, carnes vermelhas, peixes, aspargos, curry, alho e cebola para prevenir o mau odor vaginal.

4. Evite roupas feitas de materiais sintéticos

Mau cheiro vaginal

Embora existam materiais muito bonitos, como renda e cetim, eles não são recomendados para o uso diário. Apesar de lindos, podem evitar que a vagina transpire adequadamente, alterando o seu pH e apresentando mau cheiro vaginal.

  • A alternativa mais saudável para o uso diário é o algodão que, além de ser fresco, é muito confortável.
  • Também é importante que você troque de calcinha a cada 12 horas se estiver muito calor ou se você suar demais. Caso contrário, uma mudança por dia é suficiente.

5. Deixe de usar sabonetes e produtos perfumados

Lavar a vagina constantemente com água e produtos perfumados (como sabonetes e shampoos) não é muito conveniente. Em vez de ajudar a eliminar o mau odor, podem aumentá-lo.

É preciso ter muito cuidado ao escolher os produtos de higiene íntima. Aqueles que não são especialmente projetados para isso, ressecam a área e a expõem ainda mais a bactérias e outros patógenos.

6. Tome banho depois de praticar esportes

Após a relação sexual e a prática de exercícios, é imprescindível tomar um banho para não acumular suor e assim promover o aparecimento de cheiros ruins.

Não é necessário fazer isso imediatamente, de forma cronometrada, mas é conveniente fazê-lo em um curto espaço de tempo para evitar desconfortos.

Os especialistas da Associação Espanhola de Ginecologia e Obstetrícia indicam o seguinte:

“Lave os órgãos genitais externamente com água morna e use sabonete com pH neutro (7), (já que a pele é muito sensível nessa região). NUNCA lave internamente (duchas), isto pode causar mais infecções pois elimina a flora vaginal normal. A melhor maneira de cuidar da sua vagina depois do sexo é não fazer nada, a vagina vai se limpar sozinha”.

7. Durma sem roupa íntima

mau cheiro vaginal

Assim como é recomendável que você use roupas íntimas de algodão limpas diariamente, também é importante que você durma sem ela para dar à sua área íntima um tempo para ventilar adequadamente.

Por outro lado, é recomendável evitar o uso de roupas justas por longos períodos de tempo, como leggings, calças e similares. Especialmente se forem feitos de materiais sintéticos.

Com bons hábitos, o mau cheiro vaginal não aparece

A prevenção do mau cheiro vaginal é simples quando você mantém bons hábitos de vida. Agora, quando isso ocorre, persiste e, além disso, vem acompanhado de outros sintomas incômodos, como vermelhidão, coceira etc., então será necessário ir ao ginecologista para fazer um check-up.

  • Estrada J. Potencialidades del uso del árbol del Nim y sus bioproductos. Rvta. Agricultura Orgánica 2002;3:21.
  • García L, Saenz S. Caracterización de riesgos ambientales y de salud asociados al uso de preservantes tradicionales y alternativos en formulaciones cosméticas de cuidado personal. Ambiente y Desarrollo 2016;20(39):55-68.
  • Perea E. Infecciones del aparato genital femenino: vaginitis, vaginosis y cervicitis. Medicine 2010;10(57):3910-3914.