Relações intermitentes são uma tortura

Em muitos relacionamentos dependentes, os membros do casal forçam um novo começo do relacionamento tentando começar do zero. O problema é que tudo que viveu antes tem um peso.

Muitos casais têm relações intermitentesOu seja, eles terminaram e se deram uma nova oportunidade muitas vezes. Visto de uma perspectiva externa, eles têm um problema que não podem resolver dessa maneira.

Os relacionamentos intermitentes ocorrem quando um casal está muito próximo, estão juntos há muitos anos, ou um membro do casal (ou ambos) é emocionalmente dependente.

Todas essas situações nos levam a não terminar o relacionamento e tentamos dar uma nova oportunidade. O problema de tudo isso é que acaba sendo uma tortura real.

A tortura de dores múltiplas

Ao longo de nossas vidas, temos que enfrentar muitos dores. A dor por perder uma pessoa muito querida, por uma separação de um casal, por terminar um contrato de trabalho …

As dores são processos difíceis que, se não bem ultrapassadas, podem levar à depressão. Pessoas com experiência em relacionamentos intermitentes estão muito acostumadas a elas, só que elas nunca chegam à fase final.

Mulher chorando porque falta estabilidade à sua relação intermitente

Vamos ver as diferentes fases do luto e como as pessoas em relações intermitentes atuam em cada uma delas:

  • Negação: é negado que o relacionamento não tenha funcionado, não se quer ver a realidade e é comum até agir como se nada tivesse acontecido. Quando a negação cai por si mesma, entra na próxima fase.
  • Ira: uma fase em que os membros se culpam pelo desastre do relacionamento, pelos problemas e por que não funcionou. É um período em que apenas o ruim é lembrado e onde você vê o casal com raiva.
  • Tristeza: é aqui quando, depois de perder o controle com raiva, uma outra emoção muito forte emerge. Uma imensa tristeza que paralisa, que permite que o casal se lembre dos bons momentos e se sinta nostálgico pelo que deixaram no passado.
  • Negociação: tentamos voltar com o parceiro e, nas relações intermitentes, os membros conseguem. A tristeza faz com que eles lembrem o quanto vale a pena a experiência, então eles dão uma nova oportunidade. Eles se recusam a desistir dessa relação.

A última fase seria a aceitação. Aceite que o relacionamento não funciona, que sempre que uma nova oportunidade surgir, outra falha pode ser prevista.

No entanto, membros de relações intermitentes não querem aceitar que seu relacionamento tenha um fim.

É por isso que, na fase de negociação, eles concordam em dar-se outra oportunidade. Possivelmente sob a premissa de “Eu vou mudar”.

Relações intermitentes e medos

O fato de que as relações intermitentes não são capazes de atingir a fase final do sofrimento e, assim, deixar esse relacionamento para começar um novo caminho tem a ver com os medos.

As pessoas que estiveram com seu parceiro há mais de 6 ou 8 anos experimentaram tantas coisas e estão tão vinculadas entre si que não veem que é impossível lutar por sua relação.

Relação intermitente entre casal

Portanto, apesar do fato de que as rupturas (às vezes camufladas sob “é que eu preciso de algum tempo”) são sinônimo do fato de que algo não está funcionando, eles continuam tentando voltar a todo custo.

É normal ter uma crise de casal, mas não é normal terminar e voltar, e assim constantemente. Eles passam por muitos problemas pequenos que afetam os membros do relacionamento.

Enquanto isso, a raiz do problema real é desconhecida.

No caso de os membros serem co-dependentes, surge o mesmo dilema. Relações intermitentes manifestam a impossibilidade de viver sem o outro, de fazer a vida sem ele.

Parece que é difícil libertar essa pessoa e forçamos um novo começo do relacionamento como se pudéssemos começar do zero quando, na realidade, não é assim.

O que não funcionou, não funcionará

Qual é o problema de o relacionamento terminar e recomeçar várias vezes? A razão pode dar pistas sobre se não sabemos como lidar com o conflito ou estamos batendo na mesma tecla, uma e outra vez.

Se o problema for que nossa personalidade e a do nosso parceiro colidem em algum aspecto, existem diferentes perspectivas sobre a vida ou têm objetivos que não podem ser relacionados (quer viver no exterior, outra ficar no país natal), não há um caminho.

Promessas de mudança e as tentativas de tentar obter o que é impossível não darão frutos.

Se, por outro lado, for um problema porque ambas as pessoas trabalham juntas ou têm filhos e o estresse pode lidar com eles, então você tem que ver como gerenciar a situação corretamente.

A procura de ajuda profissional ou a terapia de casais pode ajudar.

Casal resolvendo sua relação intermitente

Relações intermitentes são uma tortura real.

Devemos ver onde o problema está, se devemos dar oportunidades que são inúteis ou, pelo contrário, devemos aprender a gerenciar melhor algum aspecto de nossas vidas.

Recomendados para você