Rash cutâneo: sintomas, causas e tratamento

31 Outubro, 2020
Nas últimas décadas, as doenças de pele vêm se tornando um problema de saúde que afeta cada vez mais pessoas no mundo todo. O rash cutâneo é uma das respostas da pele, que se manifesta como vermelhidão e coceira em uma área localizada.

No dia a dia, tocamos todos os tipos de objetos e, sem perceber, entramos em contato com múltiplos micróbios que podem causar pequenas erupções. Essa coloração avermelhada da pele que responde aos alérgenos é o rash cutâneo, também chamado de exantema.

A pele é a primeira barreira de defesa que temos contra qualquer agente externo, por isso é tão importante estarmos atentos e nos dedicarmos a cuidar dela. A seguir, vamos explicar o que é um rash cutâneo, como ocorre e o que podemos fazer para prevenir o seu aparecimento.

O que é o rash cutâneo?

A vermelhidão que ocorre na pele é conhecida como rash cutâneo ou exantema, e geralmente é acompanhada por manchas, pequenas lesões, ou pápulas em áreas localizadas. Existem diferentes fatores que podem ocasionar esse problema. De acordo com a causa, a cor e como se manifesta, podemos falar de dois tipos:

  • Por contato.
  • Seborreica.

Dermatite de contato

É uma condição da pele que surge quando a pessoa sofre uma reação alérgica a um composto químico ou agente físico. Atualmente, qualquer produto que incluirmos em nosso consumo possui componentes que podem causar alterações e danos à pele. Alguns exemplos são os seguintes:

  • Sabonetes.
  • Cremes, cosméticos e perfumes.
  • Produtos de limpeza.
  • Medicamentos.

Por sua vez, esse tipo de dermatite é dividida em duas categorias: de contato e alérgica. Suas manifestações são idênticas, mas diferem no curso da doença e em sua fisiopatologia.

O rash cutâneo pode ser provocado por produtos químicos
A dermatite é uma forma de erupção cutânea que causa coceira intensa.

Dermatite seborreica

Conforme um estudo publicado no Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology, esta dermatite afeta entre 1 e 3% da população saudável. Portanto, podemos afirmar que a dermatite seborreica é uma doença inflamatória comum e recorrente.

As pessoas que sofrem dessa patologia apresentam pele oleosa, cor que varia do rosa ao vermelho, acompanhada por uma descamação amarelada da pele. O que contribui para o desenvolvimento desse distúrbio é a intervenção das glândulas sebáceas.

Quer saber mais? Então leia: 5 componentes tóxicos dos cosméticos que podem fazer mal à pele

Sintomas e causas

Com frequência, os sintomas são caracterizados pelo aparecimento de erupções cutâneas e coceira na pele em um local específico do corpo. Também pode haver máculas eritematosas, pápulas, vesículas e bolhas localizadas.

No entanto, em particular, a dermatite seborreica apresenta-se mais como pele oleosa e amarelada, e afeta os lábios, as pálpebras e sobrancelhas, o couro cabeludo e o tórax.

O local do exantema, a idade, sexo e predisposição genética são os fatores que tornam algumas pessoas mais sensíveis do que outras a sofrer de rash cutâneo.

Podemos citar vários agentes causadores dessa patologia. Os mais comuns são infecções por microrganismos, reações a alérgenos ou produtos químicos encontrados em tecidos, produtos de limpeza e cosméticos.

A dermatite de contato ocorre devido a danos na pele causados ​​por uma substância química. A alergia surge devido a uma reação de hipersensibilidade que ocorre 48 horas após a exposição ao alérgeno. Alguns dos produtos que causam essa vermelhidão da pele na dermatite de contato são os corticosteroides, os anti-histamínicos, os antibióticos e os cremes de proteção solar.

Por outro lado, a dermatite seborreica parece ser causada mais por fungos e predisposição genética. Podemos citar o caso da levedura Malassezia, um gênero de fungo comensal que produz metabólitos que acabam irritando a pele. Demonstrou-se também que os pacientes que sofrem de outras doenças, como o HIV, ou que receberam um transplante de órgão, são mais suscetíveis.

Alguns cremes podem provocar dermatite
O exantema pode ter origem em bactérias, fungos, e até em determinados medicamentos.

Leia também: Dieta para a dermatite: alimentos para a pele

Tratamento do rash cutâneo

Uma das maneiras mais eficazes de prevenir o rash cutâneo é saber quais compostos causam alergias e, assim, evitar o contato com essas substâncias, embora exista um problema que reside na dificuldade de decifrar a nomenclatura dos componentes químicos dos rótulos.

Em primeiro lugar, os dermatologistas e alergistas devem levar em conta quais compostos são mais comuns nas alergias e quais estão mais presentes em medicamentos e produtos de higiene pessoal. Assim, seu diagnóstico será mais direto e rápido.

Por último, o tipo de exantema ocorre em função do produto, microrganismo ou agente físico que o origina. Portanto, o tratamento recomendado também dependerá, principalmente, do agente causador.

  • Karakadze, M.A., Hirt, P.A. and Wikramanayake, T.C. The genetic basis of seborrhoeic dermatitis: a review. J. Eur. Acad. Dermatol. Venereol. (2018) 32(4):529-536.
  • Nguyen, H.L. and Yiannias, J.A. Contact dermatitis to medications and skin products. Clin. Rev. Allergy Immunol. (2019) 56(1):41-59.
  • Grice, Elizabeth A., and Thomas L. Dawson. “Host–microbe interactions: Malassezia and human skin.” Current opinion in microbiology 40 (2017): 81-87.