Ranitidina: dosagem e precauções

07 Outubro, 2020
A ranitidina é administrada por via oral. Se esta via não puder ser utilizada, existem ampolas para administração por infusão intravenosa ou via intramuscular.

A ranitidina é um medicamento anti-histamínico específico de ação rápida. Inibe a secreção de ácido gástrico, tanto o estimulado quanto o basal. Dessa forma, a ranitidina reduz o volume e o conteúdo de ácido e de pepsina da secreção.

Seus efeitos têm uma duração bastante longa. Portanto, uma dose única de 150 mg pode reduzir efetivamente a secreção de ácido gástrico por 12 horas. O que mais você deve saber sobre esse medicamento? Descubra a seguir.

Conhecendo um pouco da história da ranitidina

Este medicamento foi desenvolvido pela empresa farmacêutica Glaxo a partir de outro anti-histamínico, o primeiro que eles desenvolveram, a cimetidina. Assim, a ranitidina foi o resultado de um processo de aperfeiçoamento. Os pesquisadores queriam refinar o modelo químico, substituindo diferentes grupos químicos.

Com esses testes, eles foram capazes de sintetizar a ranitidina, que possui um perfil de tolerância muito melhor. Ou seja, o quadro de sintomas relacionado a reações adversas ao medicamento é muito menor.

Por sua vez, ela possui uma ação mais longa e uma atividade de 4 a 10 vezes maior que a da cimetidina. Em 1981, foi lançada no mercado e foi a medicação mais prescrita em 1988. Desde então, ela foi substituída por medicamentos mais eficazes para as mesmas indicações.

Mulher tomando medicamento
A ranitidina foi o resultado de um processo de aperfeiçoamento da empresa farmacêutica Glaxo.

O que é a histamina?

A histamina é uma substância que pertence à família química das aminas idazólicas, envolvidas nas respostas locais do sistema imunológico. Também regula as funções normais do estômago e atua como um neurotransmissor no sistema nervoso central.

Neurotransmissores são substâncias que o corpo sintetiza naturalmente, cuja principal função é modular a sinapse entre os neurônios. Em outras palavras, eles regulam as interações químicas entre os neurônios ao transmitir sinais.

Dessa forma, conseguimos que as conexões elétricas se tornem mais completas e que deem origem a muito mais possibilidades. Se os neurotransmissores não existissem e os neurônios agissem como simples “fios”, muitas das funções do sistema nervoso não seriam possíveis.

Além disso, há novas evidências indicando que a histamina também desempenha um papel na quimiotaxia dos glóbulos brancos.

A histamina é conhecida desde os anos 50. No entanto, apenas recentemente suas funções no corpo começaram a ser conhecidas.

Indicações

As indicações deste medicamento estão relacionadas à sua capacidade de antagonizar os receptores de histidina H2Entre eles, podemos citar:

  • Úlcera duodenal
  • Úlcera gástrica benigna
  • Refluxo gastroesofágico e tratamento dos sintomas associados
  • Síndrome de Zollinger-Ellison
  • Tratamento de sangramento esofágico e gástrico com hipersecreção e profilaxia de sangramento recorrente em pacientes com úlcera hemorrágica.

Além dos mencionados, a ranitidina também é usada como profilaxia do sangramento gastrointestinal causado por úlcera por estresse em pacientes gravemente enfermos.

Da mesma forma, no período pré-operatório, ela é prescrita a pacientes com risco de desenvolver síndrome de aspiração ácida, conhecida como síndrome de Mendelson. Também é dada a pacientes obstétricas durante o parto.

Leia também: 6 alimentos que você deve comer se tem úlceras estomacais

Posologia e dosagem

A ranitidina é administrada por via oral. Se esta via não puder ser utilizada, existem ampolas para administração por infusão intravenosa ou intramuscular. No entanto, esse tipo de administração será realizada em ambiente hospitalar.

Dependendo da indicação para qual ranitidina foi indicada, as concentrações variam:

  • Úlcera duodenal em adultos: Uma dose de 150 mg é administrada a cada 12 horas ou 300 mg à noite por 4-6 semanas. Nas crianças, 2 mg por quilograma de peso da criança a cada 12 horas.
  • Úlcera gástrica em adultos: 150 mg a cada 12 horas ou 300 mg à noite por 6-8 semanas. Para sintomas associados, 150 mg são administrados a cada 12 horas por duas semanas e o tratamento pode ser prolongado devido a uma resposta inicial ruim.
  • Síndrome de Zollinger-Ellison: a dose inicial será de 150 mg a cada 8 horas. Pode ser aumentada de acordo com a resposta do paciente. No entanto, a dose máxima deste medicamento é de 6 gramas por dia.

Para outras indicações, consulte a bula do medicamento, que contém todas as informações relacionadas à ranitidina.

Precauções do uso de Ranitidina

Consulta obstétrica
Antes de usar a ranitidina, é importante prestar atenção aos seus possíveis efeitos colaterais e contraindicações.

Para o uso da ranitidina, deve-se ter cautela em várias situações nas quais a dose deve ser ajustada para evitar complicações graves. É o caso de pacientes que apresentam alguns dos seguintes problemas:

  • Comprometimento renal: a dose deve ser ajustada.
  • Interferência no diagnóstico de carcinoma: a ranitidina pode atrasar os sintomas desse tipo de câncer, mascarando o diagnóstico.
  • Interferências em exames de diagnóstico.
  • Gravidez e amamentação.

Talvez você possa se interessar: Novo tratamento para as enxaquecas crônicas

Conclusão

Por fim, a ranitidina é um medicamento anti-histamínico amplamente utilizado. As orientações do médico sempre devem ser seguidas, pois elas permitirão evitar os efeitos adversos e uma série de outras complicações.

  • LLanos, O. (2017). Ranitidina. ARS MEDICA Revista de Ciencias Médicas. https://doi.org/10.11565/arsmed.v13i32.848
  • Vásquez Alva, R., Amado Tineo, J. P., Zamora Gonzáles, P. L., & Zamora Chávez, S. C. (2015). Uso inadecuado del bloqueador H2 histamina ranitidina en pacientes hospitalizados en el servicio de emergencia de adultos de un hospital general de EsSalud. Anales de La Facultad de Medicina. https://doi.org/10.15381/anales.v76i1.11073
  • MANOCHA, S., LAL, D., & VENKATARAMAN, S. (2016). ADMINISTRATION OF H2 BLOCKERS IN NSAID INDUCED GASTROPATHY IN RATS: effect on histopathological changes in gastric, hepatic and renal tissues. Arquivos de Gastroenterologia. https://doi.org/10.1590/s0004-28032016000100008
  • Truyols Bonet J, Martínez Egea A, G. H. A. (2014). Ulcera Gastrica Y Duodenal. Guía de Actuación Clínica En A. P.
  • Jewell, R. (2011). Ranitidina En xPharm: The Comprehensive Pharmacology Reference (págs. 1-5). Elsevier Inc. https://doi.org/10.1016/B978-008055232-3.62513-9