Que tratamentos existem para a hiperplasia prostática?

16 de abril de 2019
A hiperplasia prostática é uma patologia muito comum em homens de meia-idade. É necessário diferenciar se é benigna ou maligna em seu diagnóstico para estabelecer um tratamento adequado.

A hiperplasia prostática é o termo médico que se refere ao aumento do tamanho da próstata em homens acima dos valores normais.

É muito importante diferenciar se é uma hiperplasia benigna, ou seja, quando a glândula cresceu apenas e não há alteração em sua função, exceto pela possível compressão que esse órgão pode exercer sobre outras estruturas. Por outro lado, a hiperplasia maligna da próstata refere-se ao carcinoma in situ.

Além disso, a idade do paciente é um fator importante a ser levado em consideração. Isso é explicado porque o tamanho da próstata nem sempre é o mesmo. Diz-se que depois dos 40 anos é quando a glândula aumenta de tamanho.

Por esta razão, qualquer homem acima desta idade que apresente sintomas de compressão da próstata deve consultar o médico, para confirmar se é uma hiperplasia e estudá-la em profundidade.

Quais são os sinais e sintomas?

A hiperplasia prostática pode provocar problemas de micção

Clinicamente, não podemos saber se é uma doença benigna ou maligna baseada na história e no exame físico do paciente. Sempre devem ser realizados exames complementares para confirmar a natureza da doença. No entanto, a sintomatologia mais comum é a seguinte:

  • Dor ao urinar.
  • Incapacidade de urinar.
  • Presença de sangue na urina: este sinal é conhecido como hematúria.
  • Necessidade de urinar com muita frequência, e em pequenas quantidades (mais usual à noite).
  • Sensação de esvaziamento incompleto da bexiga após urinar.
  • Fluxo de urina irregular durante a micção, com interrupções ou gotejamento.
  • Sensação de urgência para urinar.

Esses sinais e sintomas podem ser confundidos com os da infecção urinária. É por isso que é tão importante ir ao centro médico para consultar um especialista, seja qual for a patologia.

Talvez você esteja interessado em ler: 6 sinais que indicam que você tem dificuldades para controlar a bexiga

Como a hiperplasia prostática é diagnosticada?

Primeiro, devemos levar em consideração os sintomas do paciente e seu histórico médico. Como já dissemos antes, se for um homem de meia-idade, deve-se fazer uma triagem para o câncer de próstata.

Isso é especialmente relevante se houver antecedente pessoal ou familiar de câncer de próstata, ou qualquer outro tipo de câncer. Em seguida, um exame físico completo, que inclua um toque retal. Durante o toque, podem ser observadas as diferentes anormalidades no tamanho da próstata.

Existe um exame simples no momento de estabelecer o diagnóstico: o antígeno prostático específico (também conhecido como PSA). Esta substância é um marcador que pode ser obtido em um exame de sangue. Desta forma, evitamos submeter o paciente a testes mais desconfortáveis ​​ou dispendiosos, se não for necessário.

Também pode ser acompanhado por um teste de imagem. Sempre tem-se como primeira opção o uso do ultrassom durante a ecografia. Outros exames de imagem podem oferecer melhor resolução. Mas, por ser a região genital, podem ser emitidas radiações que afetem a fertilidade do homem. Por isso é que se prefere o ultrassom.

Descubra também: 7 sintomas de câncer no ovário que todas as mulheres devem conhecer

Qual é o tratamento da hiperplasia prostática?

Médico explicando paciente sobre hiperplasia prostática

O tratamento desta patologia depende da origem. Quando se trata de um processo benigno, é simplesmente necessário corrigir a compressão que a próstata exerce sobre outras estruturas, uma vez que os sintomas afetam o estado psicológico do paciente com muita frequência.

A incontinência urinária em homens de meia-idade é um dos motivos mais frequentes de consulta no campo da urologia. Isso pode ser corrigido por remédios, nos estágios mais precoces.

Por outro lado, se o tamanho da glândula for considerável, pode-se considerar a cirurgia de ressecção, para eliminar o excesso de tecido. Outra opção é ampliar a uretra para facilitar a micção, ou a cirurgia a laser. No entanto, a cirurgia de ressecção é a opção mais frequente, pois é de fácil execução e oferece bons resultados.

Se for uma hiperplasia maligna, o paciente deve ser estudado em maiores detalhes para fazer biópsias, ver que tipo de câncer é, em que estágio está, procurar por metástases em outras áreas (geralmente começa com o envolvimento ósseo), etc… Muitas vezes o paciente precisa ser encaminhado para um estudo coadjuvante em oncologia.

 

  • Briolat, G. M. (2016). Benign prostatic hyperplasia. In The Nurse Practitioner in Urology. https://doi.org/10.1007/978-3-319-28743-0_5
  • National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. (2014). Prostate Enlargement : Benign Prostatic Hyperplasia. NIH Publication.
  • Barry, M. J., Fowler, F. J., O’leary, M. P., Bruskewitz, R. C., Holtgrewe, H. L., Mebust, W. K., & Cockett, A. T. K. (2017). The American Urological Association Symptom Index for Benign Prostatic Hyperplasia. Journal of Urology. https://doi.org/10.1016/j.juro.2016.10.071
  • Pinheiro, L. C., & Martins Pisco, J. (2012). Treatment of Benign Prostatic Hyperplasia. Techniques in Vascular and Interventional Radiology. https://doi.org/10.1053/j.tvir.2012.09.004