Quantos tipos de identidade de gênero existem?

Existem muitos tipos de identidade de gênero. Hoje apresentaremos 10 deles e explicaremos as características de cada um.
Quantos tipos de identidade de gênero existem?

Última atualização: 19 março, 2022

O ser humano entende melhor as ideias e conceitos quando os assimila por meio de rótulos. Embora seja verdade que em alguns casos isso pode ser limitante, em outros é muito prático. O melhor exemplo são os tipos de identidade de gênero, que reúnem dezenas de diferenciações que se popularizaram nos últimos anos.

Hoje falaremos sobre os tipos mais comuns de identidade de gênero, suas características e algumas alternativas de nomenclatura. Para isso escolhemos a definição geral, uma vez que não é incomum que esses nomes sejam utilizados de forma diferente por seus membros. Além disso mostraremos algumas ideias e reflexões para que você possa entendê-los melhor.

A diferença entre gênero e sexo

Antes de revisar os tipos de identidade de gênero mais usados, precisamos esclarecer primeiro a diferença entre sexo e gênero. Por sexo entende-se uma série de traços físicos, biológicos, genéticos e hormonais que caracterizam uma pessoa. Gênero é a forma como ela se identifica a partir do plano psicológico, e como isso se expressa externamente.

Uma pessoa pode se identificar psicologicamente longe da divisão entre masculino e feminino. Por sua vez, as características físicas ou biológicas de uma pessoa podem diferir umas das outras (como acontece com a intersexualidade).

Também é pertinente esclarecer a diferença entre identidade de gênero e expressão de gênero. No primeiro caso se faz referência à percepção pessoal que se tem sobre o próprio gênero. No segundo caso à forma como ele se manifesta externamente na sociedade.

É importante ressaltar que os tipos de identidade de gênero não estão relacionados à orientação sexual. Este último termo é usado para descrever a atração física ou emocional por membros do mesmo gênero ou de um gênero diferente (heterossexualidade, homossexualidade, bissexualidade, pansexualidade e outros).

Também pode te interessar: O que é a intersexualidade?

Tipos de identidade de gênero

O rótulo de identidade de gênero foi cunhado pelo psiquiatra americano Robert Stoller em 1964. Essa ideia mudou ao longo da história, a ponto de se falar em transtorno de identidade de gênero ou disforia de gênero como um sinônimo ou ideia mais abrangente.

De qualquer maneira, ambos termos são usados apenas na literatura médica, de forma que os membros da comunidade LGBT+ preferem o termo identidade de gênero. Como existe preconceito em relação a esses tipos, em parte pela falta de conhecimento sobre o assunto, apresentamos a você os mais aceitos e conhecidos.

1. Cisgênero

Cisgênero é um termo usado para descrever pessoas cuja identidade de gênero corresponde ao sexo atribuído a elas no nascimento. Outra definição desse rótulo é a correspondência que existe entre a identidade de gênero no que diz respeito ao fenótipo sexual. Esse termo foi criado pelo psiquiatra alemão Volkmar Sigusch.

Como já explicamos anteriormente, a identidade de gênero não está relacionada à orientação sexual. Portanto uma pessoa gay, lésbica ou bissexual pode ser cisgênero na medida em que sua identidade corresponda ao sexo atribuído no nascimento, ou seja, ela se identifica como homem ou mulher, independentemente das suas preferências sexuais ou românticas.

2. Transgênero

Tipos de identidade de gênero e transexualidade.
Atualmente existem muitos métodos para que as pessoas transgênero façam uma transição segura.

Transgênero é o conceito oposto ao anterior. Cis é um prefixo latino que corresponde a deste lado ou daqui. Trans se traduz como ‘do outro lado’ ou ‘além’. Portanto, transgênero é alguém que não se identifica com o sexo que lhe foi atribuído no nascimento. Em outras palavras, a identidade dela não corresponde ao seu fenótipo sexual.

Assim como no caso anterior, este conceito não está relacionado à orientação sexual. Uma pessoa transgênero pode ser heterossexual, bissexual, homossexual ou assexual; e até mesmo não precisar de nenhum desses rótulos. Frequentemente as pessoas que fizeram a transição para o sexo que corresponde ao próprio gênero são chamadas de transexuais. Muitos membros da comunidade rejeitam este termo.

3. Intersexual

É muito comum que a palavra intersexual seja confundida com transgênero e vice-versa. Alguns não consideram a intersexualidade como parte dos tipos de identidade de gênero, enquanto outros o fazem. Deixando de lado as polêmicas, intersexual é a pessoa cujas características físicas, biológicas, hormonais ou genéticas a impedem de ser classificada como homem ou mulher.

Essa não é uma condição única, pois agrupa dezenas de manifestações com algumas características em comum. Por exemplo, a intersexualidade gonadal verdadeira. Ela é caracterizada por indivíduos que apresentam tecido ovariano e testicular desde o nascimento. Pessoas intersexuais podem ter genitália ambígua ou manter uma discrepância entre elas e os órgãos internos.

4. Queer

Queer é um neologismo que reúne todas as pessoas que não se sentem identificadas com as ideias da sociedade sobre gênero e sexualidade. Essa definição sofreu mutações ao longo da história, pois em seus primórdios era usada de forma pejorativa para descrever os homossexuais.

Atualmente ela está associada a um forte compromisso político, ou pelo menos a um comprometimento que busca mudar os preceitos da sociedade. De qualquer forma essas pessoas não se autodenominam como homens ou mulheres, nem como uma combinação desses dois gêneros.

5. Gênero fluido

Gênero fluido é outro tipo de identidade de gênero que geralmente provoca muita confusão. Uma pessoa que se identifica como de gênero fluido passa por transições temporárias, esporádicas ou permanentes por diferentes gêneros.

O número de gêneros com os quais essas pessoas se identificam varia de acordo com cada caso. É possível se ater ao binário masculino/feminino ou explorar outras possibilidades. A transição pode ser feita sem um motivo específico ou dependendo do humor e das interações com o ambiente.

6. Sem gênero

Um rótulo que se tornou popular nos últimos anos é o de sem gênero, também conhecido como agênero ou no gender. Em suma, essa denominação designa todos as pessoas que não se identificam com nenhum gênero em particular. Algumas se definem como de gênero neutro, gênero branco ou livres de gênero.

É importante ressaltar que ser uma pessoa sem gênero não tem nada a ver com ser assexuado. Como já explicamos repetidamente, os tipos de identidade de gênero não correspondem à atração sexual. Existem gêneros assexuais? Sim, como os assexuadas binários ou transgêneros assexuais. No entanto, nem todas as pessoas são classificadas como tal.

7. Bigênero

Termo que muitas vezes se confunde com bissexualidade, embora, como apontam alguns especialistas, a distinção seja suficiente para considerar estes conceitos como diferentes. Alguém que se identifica como bigênero simpatiza e se sente à vontade em transitar entre ser homem e mulher.

Nesse sentido, é possível perceber a si mesmo como homem, mulher ou ambos, independentemente do sexo atribuído no nascimento. Em outras palavras essa pessoa tem dois gêneros.

8. Intergênero

Muito semelhante ao caso anterior é a definição do rótulo intergênero. Como outros tipos de identidade de gênero as diferenças são pequenas, mas suficientes para caracterizar conceitos separados. Como o termo indica, essa denominação define as pessoas que não se sentem nem homens nem mulheres, mas sim uma faceta intermediária entre os dois.

Isso significa que elas podem manifestar comportamentos, ideias e modos de agir comumente associados a homens e mulheres, sem se sentirem identificadas com um deles em particular. Muitas pessoas intergênero usam este rótulo, embora também encontremos milhares que não o são mas que também simpatizam com a ideia.

9. Terceiro gênero

Os tipos de identidade de gênero incluem o terceiro gênero.
Há muitas pessoas que não se sentem à vontade em se identificar com o binarismo tradicional da identidade sexual, o que nos permite entender a definição do terceiro gênero.

O terceiro gênero é um rótulo com vários significados. Alguns Estados o utilizam como uma alternativa legal na execução de procedimentos judiciais, outros para incluir todos os tipos de identidade de gênero. Além disso, há quem o use para descrever um estado de indefinição entre homem e mulher (em consonância com os intergêneros), embora também como uma categoria distante destes.

Nesse sentido, e dada a terminologia que remete a uma terceira opção, muitos preferem usar esta última definição. Embora este seja um conceito que se tornou popular nos últimos tempos, dezenas de civilizações ao longo da história reconheceram um terceiro gênero independente de homem e mulher.

10. Pangênero

Por último encontramos as pessoas que preferem o rótulo de pangênero. O prefixo grego pan se refere a um conjunto, um todo. Dessa forma, quem se identifica como pangênero assume que seu gênero abrange todos os gêneros, o qual é imutável e estático.

Isso no sentido estrito do termo, uma vez que as pessoas que se definem como tal podem passar por episódios em que passeiam por gêneros específicos. A maioria das pessoas que usa essa terminologia abrange todo o espectro de gêneros e os assume em suas vidas.

Esperamos que essas explicações não tenham sido confusas para você. A diferença muitas vezes é sutil, e a falta de consenso na comunidade não ajuda a resolver esse problema. De qualquer forma, sempre é possível encontrar eixos diferenciadores entre os tipos de identidade de gênero.

This might interest you...
Por que incorporar a perspectiva de gênero na saúde?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Por que incorporar a perspectiva de gênero na saúde?

Incorporar a perspectiva de gênero na saúde possibilita adequar a atuação dos profissionais à pessoa diante deles. Saiba mais neste artigo!



  • Blechner, M. J. Bigenderism and bisexuality. Contemporary Psychoanalysis. 2015; 51(3): 503-522.
  • Horn, S. S. Sexual Orientation and Gender Identity‐Based Prejudice. Child Development Perspectives. 2019; 13(1): 21-27.
  • Koh, J. The history of the concept of gender identity disorder. Seishin shinkeigaku zasshi= Psychiatria et neurologia Japonica. 2012; 114(6): 673-680.