Quais são as causas de um palato inflamado?

Entre as causas do palato inflamado estão os traumatismos, aftas, infecções, alcoolismo, tabagismo e até um câncer. Neste artigo explicaremos cada uma delas.
Quais são as causas de um palato inflamado?

Última atualização: 01 maio, 2022

As causas de um palato inflamado são variadas, desde traumas que provocam feridas na mucosa desta parte da boca até processos malignos que se expressam no local.

Reconhecer uma inflamação do palato a tempo de procurar atendimento é fundamental. Será o dentista quem determinará o diagnóstico e indicará o tratamento, mas, enquanto isso, é importante não deixar passar os sintomas e sinais que indicam a existência de um problema.

Neste artigo iremos analisar quais são as causas de um palato inflamado e como elas se manifestam. Continue lendo e saiba tudo sobre os principais agressores do céu da boca.

O que é palato?

A boca é uma cavidade delimitada por paredes, assoalho e teto. Nas laterais ela é recoberta pelas bochechas, e abaixo pela língua e estruturas abaixo dela. Na frente estão os lábios, e toda a estrutura é recoberta pela mucosa bucal.

O teto da cavidade oral é o nosso assunto neste momento. Trata-se do palato, uma estrutura anatômica que possui uma porção dura na parte frontal, na região mais próxima à parte externa, e uma porção mole ao fundo.

O palato duro tem ossos, por isso o nome. Mas não se trata de um único tecido ósseo, mas sim dois elementos que se combinam em cada lado para fornecer suporte. Eles são o maxilar superior e o palatino.

Esta parte dura ocupa os dois terços anteriores do céu da boca. Na parte de trás, completando a porção posterior, encontramos o palato mole, que não tem osso e é formado por músculos.

Na área de união de ambos palatos está a rafe média. Ela é visualizada como uma linha de 2 centímetros de largura, mais pálida que o restante dos tecidos. Isso é normal e não deve ser confundido com um processo inflamatório.

Na extremidade do palato mole está a úvula ou campainha. Ela é uma extensão de tecido mole em forma de letra U que se projeta na faringe. Supõe-se que tenha a função de evitar que os alimentos passem para a via respiratória, atuando como uma barreira para que as substâncias não subam da boca ao nariz.

A presença de rugas palatinas é normal. Embora no ser humano elas não sejam tão visíveis, existem animais que possuem essas estruturas mais desenvolvidas, para que participem do processo de mastigação.

Causas do palato inflamado

Agora que você sabe como é o palato, podemos abordar as causas de sua inflamação. Essa é uma situação bastante comum, que por vezes podemos associar ao fato de se ter tomado uma bebida quente, por exemplo, mas que em certas ocasiões justifica uma consulta odontológica.

Como veremos mais adiante, a existência de outros sinais acompanhando a inflamação é útil para distinguir uma causa de outra. Resumindo, diante da persistência do inchaço, o ideal é marcar uma consulta.

Traumatismos

Um trauma é uma agressão física contra uma estrutura anatômica. Neste caso referimo-nos a qualquer pancada que ocorra no palato duro ou mole.

Estes não são episódios intencionais. A maioria deles está relacionada à ingestão de líquidos quentes ou alimentos que possuem uma superfície capaz de machucar a mucosa que recobre o céu da boca.

Alimentos ou bebidas quentes geralmente inflamam o palato e provocam bolhas. Essa é uma agressão térmica que danifica as camadas mais superficiais e macias da boca. Em alguns casos se apresenta apenas com uma irritação que altera a cor da mucosa; outras vezes há edema e aumento no tamanho do tecido, o que é percebido como um desconforto ao engolir.

Os traumatismos por coçar o palato são raros. De qualquer forma, é possível que tentemos remover um pedaço de comida preso entre os dentes ou no palato com as unhas, arranhando o céu da boca.

Embora as feridas cicatrizem rapidamente, é importante evitar essas práticas agressivas. Principalmente em pacientes diabéticos, por exemplo, que apresentam dificuldades de cicatrização.

Os traumatismos por alimentos ou arranhões não duram muito tempo, de forma que não são causas de um palato inchado duradouro. Se houver uma ferida que não cicatriza ou uma inflamação que não se resolve sozinha, uma visita ao dentista deve ser agendada para uma investigação detalhada.

Bebida quente causando paladar inflamado.
Bebidas muito quentes podem prejudicar o palato. No mesmo dia ou no dia seguinte, percebemos uma inflamação na área.

Aftas bucais

As aftas podem começar como uma inflamação do palato, antes de se manifestarem em sua forma característica. São lesões benignas e autolimitadas. Ou seja, o corpo é capaz de curá-las no decorrer de uma semana, aproximadamente.

A forma característica de que estamos falando é a de uma elevação da mucosa oral no começo do quadro, que depois se torna uma ulceração de pouca profundidade. A cor central é branca e as bordas vermelhas, e a lesão tende a adquirir uma forma circular ou oval.

Uma única afta ou várias podem ocorrer ao mesmo tempo. As áreas mais comumente afetadas da boca são os lados internos das bochechas, lábios, língua e gengivas. Em qualquer caso, a mucosa do palato não está isenta.

Essa é uma das causas do palato inflamado que é momentânea. A inflamação aparecerá na área que mais tarde abrigará a afta. Quando a ferida estiver totalmente expressa, o diagnóstico será claro.

As causas das aftas não são totalmente claras. A teoria mais aceita é que vários fatores de risco são combinados ao mesmo tempo para uma delas aparecer. Entre essas causas podemos citar as seguintes:

  • Um trauma na mucosa da boca por mordedura, tratamento odontológico, uso de ortodontia ou ingestão de alimentos quentes.
  • Reações de hipersensibilidade a determinados produtos alimentares. Os que estão mais associados a feridas são chocolate, alimentos picantes e frutas vermelhas.
  • Carência de vitamina B12 ou ferro.
  • Estresse.
  • Variações hormonais.

Abuso de álcool

O alcoolismo tem efeitos negativos em quase todo o organismo. Especificamente na cavidade oral, é capaz de ser uma das causas do palato inflamado, além de aumentar o risco de câncer de boca.

Uma das explicações para esse fenômeno tem a ver com a desidratação ou perda do equilíbrio hidroeletrolítico. Quando o álcool é consumido em excesso e com frequência, as regulações da quantidade de água no corpo são alteradas. Isso se deve ao aumento da micção, com a consequente perda de água que não é reposta.

A desidratação pode provocar edemas, ou seja, um acúmulo de líquido nas partes moles do corpo devido à saída de água do sistema circulatório para o exterior do mesmo. Desta forma o palato se torna inchado, e consequentemente aumenta seu volume.

A inflamação palatina devido ao álcool não é a consequência mais grave na cavidade oral. Como dissemos, o alcoolismo é um fator de risco para o desenvolvimento de câncer na boca, inclusive no palato.

Tabagismo

Assim como acontece com o álcool, o tabagismo tem efeitos prejudiciais sobre a saúde geral. Na boca, suas consequências negativas são variadas, desde aspectos estéticos superficiais até um câncer.

Um quadro típico de fumantes é a leucoceratose nicotínica do palato, também conhecida como estomatite nicotínica. Essa é uma condição benigna que foi registrada especialmente em pessoas que fumam cachimbo.

Os pacientes com essa condição apresentam inflamação no palato duro. Elas são observadas como elevações brancas que, quando unidas, formam a aparência de uma rua de paralelepípedos. Além disso, são vistos pontos vermelhos que correspondem aos ductos excretores inflamados das glândulas salivares menores do palato. Isso determina o diagnóstico se houver a informação de que a pessoa é fumante.

A leucoceratose nicotínica do palato não evolui para câncer. De qualquer forma, recomenda-se abandonar o hábito de fumar para reverter o processo e prevenir outras lesões cancerígenas na boca.

Um problema menos frequente, mas de extremo cuidado, é o associado ao hábito de fumar invertido. Essa prática consiste em inserir o cigarro aceso ao contrário, com a ponta acesa dentro da cavidade oral.

Esta modalidade tem sido associada ao câncer de palato. O risco de sofrê-lo é maior entre as mulheres que fumam invertido, e significativamente maior quando comparado ao tabagismo tradicional.

Estomatite

A estomatite é uma inflamação bucal que pode aparecer em qualquer região da boca, o que envolve o paladar. Embora o termo seja um tanto inespecífico, é usado para abranger as patologias infecciosas ou autoimunes que compartilham essa apresentação.

Na estomatite ocorre inflamação, dor na boca e até a presença de feridas ou ulcerações. A clínica com a qual se apresenta dependerá do agente causal subjacente.

A estomatite herpética é uma das causas mais comuns de inchaço do palato neste grupo de distúrbios. O culpado é o vírus herpes simplex (HSV) que causa bolhas dentro da boca; quando elas se rompem, fica uma ulceração muito incômoda que dificulta a alimentação e até a fala.

No entanto, o HSV não é o único responsável pela estomatite infecciosa. Também são contados entre os agentes etiológicos:

  • Citomegalovírus.
  • Estreptococos.
  • Candida albicans.

Por sua vez, a estomatite autoimune é um processo de formação de aftas na cavidade oral como parte de um quadro clínico maior que responde a uma doença sistêmica. Entre as patologias do sistema imunológico que causam o palato inflamado, juntamente com outros sinais na boca, temos as seguintes condições:

Problemas de palato.
Muitas doenças da boca podem se instalar no palato, embora alguns distúrbios sejam específicos dessa região anatômica.

Câncer de palato

Como todos os processos neoplásicos, o câncer de palato é multifatorial. Vários fatores intervêm para que as células cresçam descontroladamente e originem um tumor.

O início de um câncer de palato pode ser um inchaço no céu da boca que parece inofensivo. É difícil detectá-lo nessa fase incipiente, pois o sintoma pode ser confundido com um trauma, por exemplo.

De forma geral, essas condições são divididas em cânceres do palato duro e cânceres do palato mole. Os primeiros são classificados dentro das neoplasias de cabeça e pescoço, uma vez que o osso desempenha um papel preponderante em sua gênese. Os últimos seriam uma variação dos tumores da garganta.

O câncer de palato mole representa até 15% das neoplasias malignas da orofaringe. Suspeita-se que sua maior frequência de aparecimento tenha a ver com a disseminação da infecção pelo papilomavírus humano (HPV), que seria um agente iniciador.

A maioria dos cânceres de palato são carcinomas de células escamosas, ou seja, são constituídos por células alteradas do epitélio da mucosa da boca. Juntamente com os fatores genéticos podemos citar a participação de agressores externos, como álcool e tabaco.

Devo consultar um profissional se tiver o palato inflamado?

A consulta odontológica é recomendada sempre que são atendidos alguns critérios que geram suspeitas de algumas das causas graves do palato inflamado. Lembremos que o câncer é uma possibilidade, assim como a manifestação oral de uma doença autoimune.

Assim, o que deve ser considerado é a presença de sinais somados à inflamação, sua duração e os fatores de risco que a acompanham. A dor deve ser avaliada de acordo com a gravidade. Dificuldades em engolir ou falar que duram um longo tempo justificam uma consulta.

Estomatites ou aftas que duram mais de uma semana sem cura ou resolução por conta própria podem indicar um sistema imunológico comprometido. Da mesma forma, uma inflamação do palato que não diminui, mas aumenta de tamanho e até toma a forma de um nódulo, não deve ser encarado como algo sem importância.

Alguns quadros clínicos da boca são diagnosticados pelo dentista com a mera observação; outros requerem uma biópsia. Neste procedimento, uma amostra do tecido afetado é retirada para um exame ao microscópio.

De uma forma ou de outra, cuidar da saúde do palato faz parte do compromisso com a boca. Fazer check-ups dentários duas vezes por ano ajuda a detectar qualquer anomalia a tempo, inclusive na mucosa oral, pois, um sorriso saudável não termina apenas nos dentes.

This might interest you...
Fatores de risco do câncer de boca
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Fatores de risco do câncer de boca

Conheça os fatores de risco do câncer de boca, uma doença grave que pode afetar qualquer parte da cavidade bucal, incluindo a garganta.



  • Figuero Ruiz, Elena, et al. “Efectos del consumo de alcohol etílico en la cavidad oral: Relación con el cáncer oral.” Medicina Oral, Patología Oral y Cirugía Bucal (Ed. impresa) 9.1 (2004): 14-23.
  • Rubio, Juan Francisco Paricio, et al. “Leucoqueratosis nicotínica del paladar.” Actas Dermo-Sifiliográficas 93.1-2 (2002): 38-41.
  • Ardila Medina, Carlos Martín, Raúl Jiménez Gómez, and Efraín Álvarez Martínez. “Revisión sistemática de los efectos del hábito de fumar invertido sobre la mucosa oral.” Revista Archivo Médico de Camagüey 17.3 (2013): 405-415.
  • Borrego, Amparo Pérez, and María Victoria Guntiñas Zamora. “Estomatitis aftosa recurrente.” Revista Habanera de Ciencias Médicas 2.6 (2003).
  • Matute, Gabriel Riera, and Elena Riera Alonso. “La aftosis oral recurrente en Reumatología.” Reumatologia Clinica 7.5 (2011): 323-328.
  • Zabaleta-López, Marta, et al. “Carcinoma de paladar blando. Descripción de una serie de casos.” Revista ORL 11.4 (2020): 473-480.
  • Gill S, Mohan A, Aggarwal S, Varshney A. Mucoepidermoid carcinoma of hard palate. Indian J Pathol Microbiol. 2018 Jul-Sep;61(3):397-398. doi: 10.4103/IJPM.IJPM_617_17. PMID: 30004063.
  • Mu L, Chen J, Li J, Arnold M, Sobotka S, Nyirenda T, Fowkes M, Christopherson M, Sanders I. Sensory Innervation of the Human Soft Palate. Anat Rec (Hoboken). 2018 Nov;301(11):1861-1870. doi: 10.1002/ar.23864. Epub 2018 Aug 6. PMID: 30079585.
  • Brondfield S, Kaplan L, Dhaliwal G. Palatal Mucormycosis. J Gen Intern Med. 2018 Oct;33(10):1815. doi: 10.1007/s11606-018-4481-z. Epub 2018 May 9. PMID: 30088205; PMCID: PMC6153208.