Como prevenir os fungos da pele?

· 23 de maio de 2014
Os fungos se proliferam em ambientes úmidos, por isso é muito importante manter secas as áreas mais propensas a infecções, como os pés e axilas.

Os fungos são microrganismos que nos rodeiam durante todo o ano, mesmo que no verão sejam mais frequentes. Pois, o calor e a umidade criem um ambiente propício para seu desenvolvimento.

As regiões onde geralmente se manifestam são os pés, axilas e virilhas. Em caso de sofrer com sobrepeso, as regiões que possuem dobras pelo excesso de gordura são as mais afetadas.

Isto se deve porque os lugares mencionados têm a tendência de permanecerem úmidos, seja pelo aumento da transpiração ou pelo mau secamento da pele após o banho.

Existem diversos medicamentos destinados a eliminar os fungos, seu médico,, após avaliar a situação, escolherá o tratamento mais adequado. Mas se você não estiver atento(a) às nossas recomendações citadas abaixo, estes invasores voltarão a aparecer mais cedo do que imagina.

Você também pode se interessar: Truques fáceis para purificar o ar e liberá-lo de bactérias

Recomendações:

Olor-de-pies

  • Evite andar descalço por lugares úmidos, não compartilhe sapatos, roupas ou toalhas.
  • Se tem o costume de frequentar piscinas ou ir à praia, não permaneça por muito tempo com a roupa molhada.
  • Seque muito bem o corpo, especialmente entre os dedos dos pés, axilas e as “dobrinhas”. Não esfregue muito forte. Apoie a toalha com firmeza sobre as regiões em questão, dando suaves toques até eliminar toda a umidade. Cuidado com a pele, para não feri-la, pois isto a torna mais vulnerável aos fungos.
  • Se os pés suam muito, é conveniente utilizar talcos anti-transpirantes. Além disso, as meias usadas devem ser de algodão para evitar a retenção de umidade e calor.
  • Outra opção válida é usar o secador de cabelos para a região entre os dedos.
  • Mantenha o seu corpo higienizado, evite as roupas que não permitem a correta transpiração. Calças muito apertadas aumentam a temperatura e a umidade da região vaginal, facilitando a aparição de fungos.
  • De preferência utilize sabões com PH neutro, assim assegurará uma limpeza que não prejudicará sua pele, podendo lutar com mais efetividade contra os microrganismos.
  • Nunca vá à manicure sem levar seus próprios acessórios. É uma ocasião ideal para se contagiar com os desagradáveis fungos. Invista em sua saúde e use sempre seus próprios produtos.

Caso a sua pele apresente vermelhidão, pele descamada e produz coceiras, pode ser sinal da presença de fungos.

Se sua saúde é boa, os fungos não devem te perturbar, mas se suas defesas estão debilitadas, deve tomar cuidados estritos, estes microrganismos são bastante perigosos para pessoas com câncer, diabetes etc.

Recomendamos também a leitura: 5 máscaras para evitar o efeito elétrico (frizz) no cabelo

Remédios naturais contra os fungos

O sal é muito eficaz para combater os fungos. Se você sofre em alguma parte do corpo com ele, é ideal tomar um banho em uma banheira com água morna e uma xícara de sal comum.

Outra maneira, é formar uma pasta com bicarbonato de sódio e um pouco de água, aplicar sobre a região dos fungos, deixar secar e depois enxaguar e secar delicadamente.

O alho também é um grande aliado para eliminar os fungos, pode adicionar às suas preparações na cozinha ou consumir cápsulas de alho em forma de comprimidos.

Ajo
O alho contém entre seus ingredientes dois produtos principais que se encarregam de atuar a favor da nossa saúde, trata-se da alicina e do sulfeto de dialil.

O gengibre é outra opção valiosa, pode agregar em suas refeições ou consumi-lo em forma de infusão.

Também pode submergir seus pés em água morna com sal e vinagre de maçã.

Seria prudente reduzir o consumo de açúcar, pois favorece o crescimento e desenvolvimento dos fungos.

É importante ressaltar que se você sofre com alguma doença e seu sistema imunológico está alterado, é ainda mais importante consultar seu médico ante a suspeita de fungos. Dessa maneira, evitará consequências negativas e perigosa à sua saúde.

  • Somenzi, C. C., Ribeiro, T. S., & Menezes, A. De. (2006). Características Particulares da Micologia Clínica e o Diagnóstico Laboratorial de Micoses Superficiais. Newslab. (77).
  • Werneck Brasil, K., Lameira Pinheiro, R., & Chapaval Pimentel, I. (2003). Diagnóstico laboratorial de micoses superficiais e cutâneas: Comparação dos métodos do hidróxido de potássio e do Calcofluor White. Anais Brasileiros de Dermatologia, 78(5), 547–551. https://doi.org/10.1590/S0365-05962003000500003
  • Glolo, M. P., & Svidzinski, T. I. E. (2010). Fisiopatogenia, epidemiologia e diagnóstico laboratorial da candidemia. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, 46(3), 225–234. https://doi.org/10.1590/S1676-24442010000300009