Por que existem pessoas que não admitem seus erros?

Assumir as consequências dos nossos erros requer maturidade. Vejamos 7 razões pelas quais alguns decidem não fazer isso.
Por que existem pessoas que não admitem seus erros?

Última atualização: 16 Novembro, 2021

Admitir um erro nunca é fácil. Independentemente da sua natureza, exige um exercício de humildade e sinceridade, por isso muitas vezes nos deparamos com pessoas que não admitem seus erros. Quando é uma atitude permanente, pode levar a consequências mais desagradáveis, sem falar na incerteza que nos invade em relação ao seu comportamento.

Frequentemente, a resposta é muito simples: eles são muito egocêntricos e seu ego os impede de abaixar a cabeça diante de um erro. Embora isso possa explicar muitas atitudes, para outras é insuficiente. Existem muitas razões pelas quais as pessoas não admitem seus erros, mas hoje reunimos 7 das mais comuns. Preparado para descobri-las?

7 razões pelas quais algumas pessoas não admitem seus erros

Todos nós já ouvimos frases como a que diz que “o erro é o melhor professor”. Para a maioria, cometer erros faz parte da vida, tanto que eles assimilam naturalmente quando suas escolhas ou comportamentos não são inteiramente corretos.

É por isso que podemos nos surpreender quando encontramos pessoas que não admitem seus erros. A surpresa é ainda maior quando sua atitude resulta em muitas consequências, como o fato de ferir várias pessoas. Vamos ver o que está por trás de todos aqueles que não conseguem assumir que cometeram um erro.

1. Eles são muito teimosos

A teimosia é uma atitude inabalável contra as razões ou evidências que contestam essa atitude. Alguns especialistas acreditam que a teimosia é a força dos fracos, pois ela surge como um mecanismo compensatório para a fraqueza interior.

Ser teimoso pode ser útil em alguns contextos, mas prejudicial em outros. Por exemplo, para perseverar em algo, você deve manter uma atitude de teimosia. Isso pode levá-lo a realizar grandes feitos, mas se você não aprender a distinguir quando é melhor recuar, isso pode levar ao fracasso permanente.

Na verdade, muitas pessoas que não admitem seus erros estão, na verdade, mostrando um comportamento teimoso. Eles não assimilam que agiram mal porque se apegam quase patologicamente à sua atitude. Às vezes não há razão para isso, ou mesmo benefícios, eles só fazem isso porque abraçaram demais a sua teimosia.

2. Eles são muito orgulhosos

As características das pessoas orgulhosas são muito variadas
O orgulho pode ser expressado de várias maneiras, não apenas por não reconhecer os erros. Os problemas de relacionamento, de convivência e de trabalho são frequentes.

O orgulho é entendido como o excesso de estima que uma pessoa tem por si mesma, sempre acompanhada de uma atitude de superioridade perante os outros (sem estes, é apenas autoestima elevada). O orgulho costuma ser acompanhado por outras atitudes, como arrogância ou vaidade.

A soma de tudo isso pode se traduzir em não aceitar os erros cometidos. Se você pensa que é superior aos outros em todos os aspectos (de moral, inteligência, habilidades e assim por diante), é improvável que as pessoas estejam dispostas a aceitar os seus erros. O orgulho elevado é, então, uma das causas dessa atitude.

3. Eles são irresponsáveis

Nem todas as pessoas teimosas ou orgulhosas são irresponsáveis, então uma clara distinção surge neste ponto. Às vezes, as pessoas que não aceitam seus erros são apenas indivíduos irresponsáveis. A irresponsabilidade é a falta de vontade de cumprir ou aceitar um mandato, obrigação ou ação.

Alguns especialistas associam isso à imaturidade. Na verdade, um adulto maduro está aberto a aceitar as consequências das suas ações. Portanto, aqueles que não são fugirão delas, as negarão ou simplesmente nunca aceitarão que ocorreram por sua culpa.

4. Eles não são empáticos

Embora a empatia seja algo que também encontramos em muitas espécies de animais, podemos dizer que ela é mais desenvolvida no homem. Ser empático é conectar-se com os sentimentos e emoções dos outros, de forma que algo não seja avaliado apenas pelas próprias emoções ou sentimentos.

Pesquisadores apontam que a empatia é maior em pessoas que já experimentaram as emoções do outro. Por exemplo, alguém que perdeu um ente querido é mais empático ao apoiar ou acompanhar alguém próximo que está passando por esse processo. Se um indivíduo, por um motivo ou outro, não lidou com as consequências que estão sendo atribuídas a ele pelo seu erro no passado, ele pode decidir não reconhecê-las.

De acordo com as evidências, a empatia é muito importante para o homem se desenvolver socialmente. Aqueles que são empáticos geralmente têm melhores relacionamentos sociais, um círculo maior de amigos, um relacionamento mais estável e um melhor desempenho no trabalho. Assim, o fracasso empático pode ter muitas consequências para a vida.

5. Eles não querem ser vistos como fracos

Algumas pessoas não admitem seus erros porque temem ser vistas como fracas. Isso ocorre fora do orgulho, uma vez que se desenvolve em pessoas que têm uma certa responsabilidade, status ou formaram uma opinião sólida entre aqueles que os cercam.

O exemplo mais clássico é o de um professor que não admite o erro apontado por um de seus alunos. A relação hierárquica que existe implicitamente entre eles e a sua reputação pode condicionar a sua assimilação da crítica, independentemente de terem ou não uma atitude orgulhosa.

Aqueles que são chefes de uma família, funcionários de alto escalão, líderes e outros podem abraçar esse paradigma com mais facilidade. Isso não significa que todos os que têm essa posição rejeitem a crítica, mas, como muitos a alcançam com base no esforço ou trabalho árduo de anos, temem que ela se desfaça por um único erro.

6. Eles são relutantes em mudar

Pessoas que não admitem seus erros relutam em mudar
As mudanças consomem uma quantidade considerável de energia e planejamento, o que inevitavelmente leva a erros. Algumas pessoas não estão dispostas a correr este risco.

Aceitar um erro é relativamente fácil. O difícil é acionar o maquinário para corrigi-lo e assumir atitudes que visem modificar o comportamento para evitar que volte a acontecer. Isso é o mais complicado, especialmente para todas as pessoas que relutam em mudar.

A mudança faz parte da vida, então a maioria das pessoas a aceita como tal. Para outro grupo, a mudança é vista como perigosa, exigindo muito esforço, concentração ou disposição. Aceitar um erro implica assumir todos os itens acima, o que pode ser complicado para quem construiu sua vida de costas para a mudança.

7. Eles não consideram isso importante

Finalmente, outra explicação para as pessoas que não aceitam seus erros é que elas não consideram suas ações importantes ou transcendentes. Elas podem não atender aos critérios acima, então pensam que o que disseram ou fizeram não é tão importante ou que suas consequências não são tão sérias.

Mesmo que não seja esse o caso (ou seja, que as consequências não sejam tão pequenas), eles escolherão negar ou simplesmente ignorar. Em suma, eles são indiferentes ao que os rodeia. Como tudo o que foi dito acima, a indiferença pode ser um grande obstáculo na construção de relacionamentos sociais estáveis.

Lembre-se também de que alguns transtornos podem explicar o comportamento de pessoas que não admitem seus erros. Por exemplo, um dos sintomas do transtorno narcisista de personalidade é relutar em admitir o que está errado. Apesar disso, a maioria dos casos pode ser explicada a partir dos 7 pontos apresentados.

Pode interessar a você...
Quais são as vantagens de cometer erros?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Quais são as vantagens de cometer erros?

Será que cometer erros realmente tem algumas vantagens? O que podemos aprender quando erramos? Descubra a resposta neste artigo.



  • De Vignemont, F., & Singer, T. The empathic brain: how, when and why?. Trends in cognitive sciences. 2006; 10(10): 435-441.
  • Kets de Vries, M. F. I won’t, therefore I am: Being Stubborn. 2018.
  • Zaki, J., & Cikara, M. Addressing empathic failures. Current Directions in Psychological Science. 2015; 24(6): 471-476.