É possível pegar coronavírus duas vezes?

20 de março de 2020
É possível pegar coronavírus de novo depois de se curar? Trazemos alguns dados interessantes sobre o tema e o que se sabe até o momento sobre a possibilidade de se contaminar novamente com o vírus. Até o momento, os registros oficiais não identificaram um paciente que tenha sido infectado duas vezes.

O coronavírus continua mantendo muitos países e suas instituições sanitárias em alerta. Cada dia o número de casos registrados é maior em todo o mundo. No entanto, o que acontece com alguém que já se curou de uma infecção pelo COVID-19? É possível pegar o coronavírus duas vezes? A seguir, trazemos alguns dados gerais sobre o assunto e o que ocorre após uma infecção.

O que é o coronavírus?

Os coronavírus são uma família de vírus que costuma infectar os animais. Dentro dessa família há muitos tipos diferentes. Alguns deles podem sofrer mutações e acabar infectando os seres humanos.

É o caso da cepa SARS-CoV-2. Essa cepa foi detectada pela primeira vez na cidade de Wuhan, na China, em dezembro de 2019. Desde então, sua facilidade de propagação fez com que houvesse um número enorme de casos ao redor do mundo todo, aumentando cada vez mais de forma drástica.

Quais sintomas o vírus provoca?

Para a maioria das pessoas infectadas, o coronavírus se apresenta como uma infecção praticamente assintomática. Ou seja, a pessoa não apresenta nenhum sinal que a leve a pensar que está doente. O mais comum, sobretudo em crianças, é a ocorrência sintomas leves e inespecíficos, como um pouco de tosse.

Os sintomas mais evidentes são:

  • Tosse seca
  • Febre
  • Sensação de falta de ar

Também pode causar dor muscular, cansaço e mal-estar em geral. No entanto, nem sempre é assim.

Em uma minoria de casos, o vírus causa pneumonia, ou até mesmo leva a pessoa à morte por falha respiratória. Esses casos se desenvolvem principalmente na população mais vulnerável, como é o caso dos idosos, ou pessoas com o sistema imunológico deprimido.

Leia também: Mitos sobre o coronavírus

Teste positivo para o coronavírus
A cepa do COVID-19 que está sendo transmitida atualmente é uma mutação da família dos coronavírus.

Como o coronavírus é transmitido?

A transmissão do vírus entre pessoas ocorre a partir de pequenas partículas que viajam no ar. Quando uma pessoa infectada tosse ou espirra, essas partículas saem e podem viajar 1 ou 2 metros. O vírus pode ser transmitido inclusive quando a pessoa infectada não apresenta sintomas.

Essas partículas podem cair e ficar em objetos de uso cotidiano, como mesas e maçanetas das portas. Ou cair diretamente sobre alguém. Quando uma pessoa não está infectada e toca algum objeto infectado com suas mãos, e depois toca o nariz ou a boca, o vírus pode ingressar no seu corpo.

Como tratar o coronavírus?

Ainda que não exista um tratamento específico para a cura desse vírus, os pesquisadores estão testando alguns antivirais, principalmente para serem usados em casos mais graves. O mais importante, portanto, é prevenir o contágio.

O tratamento, além disso, é apenas para os sintomas. São usados analgésicos e medicamentos para a febre, por exemplo, no caso desse sintoma aparecer. Temos que ter em mente que este é um vírus, e por isso os antibióticos nunca terão nenhuma utilidade, e essa seria uma medida errada de tratamento e de prevenção.

Remédios, antibióticos e comprimidos
É importante realçar que os antibióticos não são úteis para o tratamento do coronavírus

Você também pode se interessar: Tipos de máscaras para se proteger do coronavírus

É possível pegar o coronavírus duas vezes?

Como já comentamos anteriormente, na maioria das vezes a infecção ocorre de maneira assintomática ou com sintomas leves. A mortalidade do vírus é muito baixa, oscilando atualmente entre 1,4 e 2,1%. Isso quer dizer que em quase todos os casos a pessoa passará a infecção para outra sem que ambas sofram maiores consequências.

Mas o que acontece depois? É possível que uma pessoa que já teve o coronavírus possa se infectar novamente? Como esta é uma cepa nova, ainda há muita informação que não temos. Ainda assim, até agora todos os novos casos corresponderam a pessoas que ficaram doentes pela primeira vez. Não há, até o momento, nenhum registro oficial de alguém que tenha se infectado novamente com o vírus.

Ou seja, ainda que tenhamos pouca informação a respeito, os especialistas suspeitam, baseando-se nos dados que temos disponíveis até agora, que seja muito improvável que uma mesma pessoa possa pegar o coronavírus de novo, ou seja, ficar doente duas vezes.

O que devemos ter em mente

Diante dessa situação tão nova para todos e aparentemente tão grave, o importante é manter a calma. Escutar as autoridades sanitárias e tentar seguir todas as recomendações e medidas de prevenção e precaução que estão sendo divulgadas é nossa obrigação, pois está em nossas mãos frear a propagação desse vírus.