Paquimetria: o que caracteriza este exame e como ele é feito?

A paquimetria é um dos testes mais funcionais, simples e valiosos da oftalmologia. Os dados fornecidos por este exame são uma importante contribuição para a escolha do melhor tratamento ou para o diagnóstico de algumas patologias.
Paquimetria: o que caracteriza este exame e como ele é feito?

Última atualização: 03 Outubro, 2021

A paquimetria é um exame diagnóstico realizado para detectar algumas doenças oculares. Também serve para decidir qual é o tratamento mais conveniente de acordo com o caso específico de cada pessoa.

Este teste é muito rápido, indolor e eficaz. O que a paquimetria faz é medir a espessura da córnea. Essas informações são de grande ajuda para fazer um diagnóstico objetivo de certas doenças oculares e definir o melhor tratamento. Também é usado no pré-operatório e no acompanhamento de algumas cirurgias oculares.

O que é o exame de paquimetria?

Exame oftalmológico
A paquimetria permite medir a espessura da córnea.

A paquimetria é um exame oftalmológico por meio do qual a espessura da córnea é medida. Esta última é a camada de tecido transparente que cobre a área anterior do olho. O usual é que meça entre 500 e 600 mícrons na zona central, e entre 600 e 800 na zona periférica.

A espessura da córnea influencia a pressão ocular, e este é um dado muito importante no acompanhamento dos casos de glaucoma. Se a córnea for espessa, pode gerar dados falsos de alta pressão. Se for fina, pode dar uma pressão baixa falsa.

Da mesma forma, a espessura da córnea é uma informação importante para saber se uma pessoa é um bom candidato à cirurgia refrativa, que é realizada nos casos de miopia, hipermetropia e astigmatismo. Durante este procedimento, parte do tecido é removido, e isso afeta a espessura da córnea.

Por outro lado, a paquimetria é usada para diagnosticar algumas doenças que afetam a espessura da córnea. O ceratocone, por exemplo, afina essa camada. O edema da córnea, entretanto, torna-a mais espessa. Portanto, a medição da córnea ajuda a diagnosticar anormalidades como essas.

Tipos de paquimetria

Existem três tipos de paquimetria: laser óptico, ultrassônico e de coerência. O que diferencia um do outro é a técnica utilizada e, a partir dela, os dados que fornece. Vejamos cada um desses tipos.

1. Paquimetria óptica

É feita com um dispositivo denominado paquímetro óptico, que é acoplado a um biomicroscópio. Às vezes, também tem uma estrutura de espelho. Nesse tipo de paquimetria, o aparelho não entra em contato direto com a córnea e identifica a diferença entre os reflexos da luz.

2. Paquimetria ultrassônica

Nesse caso, a medição da espessura da córnea é realizada por meio de ultrassom. É utilizada uma sonda que permite determinar a espessura da córnea no ponto específico onde é colocada. Proporciona uma maior precisão nos resultados.

3. Paquimetria de laser de coerência (OCT)

Esse é o tipo de paquimetria que oferece resultados mais precisos. Nele, a paquimetria convencional é combinada com a tomografia de coerência ideal. Desta forma, mapas de espessura corneana podem ser obtidos e as diferentes estruturas corneanas podem ser estudadas separadamente.

Quem deve fazer este exame?

A paquimetria é usada para o diagnóstico e tratamento do glaucoma. Como indicamos antes, uma córnea espessa ou fina altera os valores da pressão ocular. Portanto, é necessário saber a espessura exata desta para melhor compreender os valores de pressão intraocular.

Esse teste também é indicado para quem pretende se submeter a uma cirurgia refrativa. Primeiro, permite estabelecer se o paciente é um bom candidato. Isso ajuda a decidir o tratamento mais adequado e a fazer o acompanhamento após a operação. O mesmo se aplica às cirurgias da córnea.

É conveniente realizar este teste para diagnosticar e monitorar a evolução nos casos de ceratocone, doença que afina e deforma a córnea. Algo semelhante se aplica a doenças como edema de córnea, distrofias, etc.

Por fim, a paquimetria periódica é indicada para pessoas que usam lentes de contato. Seu uso gera um afinamento da córnea estimado em quatro mícrons por ano, mesmo que a adaptação ao olho seja perfeita. Portanto, a espessura da córnea deve ser monitorada periodicamente.

Como este exame é feito?

Consulta com oftalmologista
A paquimetria é um teste simples, realizado de forma rápida e sem desconforto para o paciente.

Como já mencionado, a paquimetria é um teste rápido, indolor e que não causa desconforto ao paciente. Não requer nenhum preparo especial, exceto no caso de pessoas que usam lentes de contato, que devem retirá-las antes do exame.

Se as lentes de contato forem duras, elas devem ser removidas 15 dias antes do teste. Se forem moles, entre cinco e oito dias antes do exame. O procedimento em si varia dependendo da técnica usada. No caso da paquimetria óptica, não há contato e é realizado simplesmente com uma luz.

Na paquimetria ultrassônica ou a laser, um anestésico pode ser aplicado nos olhos. Em seguida, uma sonda é colocada na frente do olho. O olhar deve permanecer fixo em um determinado ponto, enquanto os dados são registrados. Leva apenas alguns minutos.

A paquimetria é um importante teste de diagnóstico

A paquimetria é um teste que ajuda a detectar várias doenças oculares. Se feito a tempo, é de grande ajuda para proteger os olhos dos danos causados por várias patologias. Além disso, fornece dados valiosos para a escolha do tratamento a seguir.

É um exame muito simples que pode ser feito tanto com a pupila dilatada quanto sem a necessidade de dilatá-la. Em média, leva apenas cinco minutos e não causa desconforto para o paciente. Portanto, é um teste funcional que deve ser realizado quando o médico o indicar.

Pode interessar a você...
LASIK: vantagens e desvantagens da cirurgia ocular a laser
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
LASIK: vantagens e desvantagens da cirurgia ocular a laser

Uma boa alternativa para eliminar a dependência de óculos ou lentes de contato é a cirurgia ocular a laser, ou LASIK. Saiba mais sobre ela!



  • Casado, I. T., & Bregado, Y. T. V. (2012). Espesor corneal y variables epidemiológicas y fisiológicas en población de riesgo de glaucoma. Revista Cubana de Oftalmología, 25(2).
  • Pérez Candelaria, E. D. L. C., Rodríguez Rivero, D., Veitía Rovirosa, Z. A., Martín Perera, Y., Méndez Duque de Estrada, A. M., & Rodríguez Suárez, B. (2013). Métodos para determinar el poder de la lente intraocular después de cirugía refractiva corneal. Revista Cubana de Oftalmología, 26(1), 144-156.
  • Carbonel Murillo, D., & Larrosa Poves, J. M. (2013). Aplicaciones clínicas de la paquimetría. España: Universidad de Zaragoza.