Olheiras, mau hálito e abdômen inchado: Sintomas de fígado intoxicado?

9 de dezembro de 2015
O fato de não manter uma alimentação equilibrada irá repercutir no funcionamento do nosso fígado, que não produzirá bile, o que causará problemas de digestão e má absorção dos nutrientes.

Você já se levantou alguma manhã com olheiras, mau hálito e o abdômen inchado?  É importante sabermos que estes sintomas tão comuns podem estar ligados a um fígado intoxicado, e é sobre isso que falaremos neste artigo em seguida.

Está claro que qualquer incômodo é sintoma de algum problema subjacente que não necessariamente é algo grave. No entanto, algo que nunca devemos fazer é recorrer à automedicação.

Em primeiro lugar, nos esforçaremos para cuidar um pouco mais de nós mesmos, melhorando nossos hábitos de vida e de alimentação. Se notarmos que estes incômodos estão se estendendo por um período de tempo longo demais, não devemos hesitar em consultar um médico.

Os efeitos de um fígado intoxicado que trabalha com lentidão

Há épocas em que cometemos um ou outro excesso: comemos exageradamente alimentos ricos em gordura, poucas frutas e poucas verduras, bebemos pouca água, bem como levamos uma vida sedentária ou com um nível de estresse exageradamente alto.

Tudo isso causa pequenos desequilíbrios em nosso organismo, que vão sendo evidenciados em nosso exterior através das olheiras, do mau hálito, bem como um abdômen inchaço.

O que pode causar a intoxicação do fígado?

  • Ficamos durante algumas semanas comendo de forma incorreta e, em pouco tempo, percebemos de que estamos sofrendo de algum episódio de prisão de ventre.
  • Esta alimentação pouco adequada faz com que a nossa corrente sanguínea se encha de toxinas, células mortas e elementos de resíduos que vão parar por fim no fígado, que os sintetiza e depura nosso sangue.
  • Este acúmulo faz com que o fígado fique saturado e que não possa realizar suas funções com normalidade.
  • Um fígado que funciona com lentidão não consegue produzir a quantidade normal e necessária de bile.
  • Se não há bastante bile, a digestão não ocorre de forma adequada, as gorduras não conseguem ser destruídas e os nutrientes não são absorvidos de forma correta pelo intestino.
  • Dessa forma, a má digestão provoca mal-estar e inchaço abdominal.
  • Um fígado que não funciona bem dá seus primeiros indícios com o cansaço e as olheiras sob os olhos, além disso, causa uma mudança na coloração da nossa pele.

Recomendamos também a leitura:  Dores nas articulações: exercícios para aliviá-las

 

Figado

Este tipo de problema pode ser específico. Ou seja, todos nós já passamos por épocas de mal-estar geral, de ver as incômodas olheiras em nossos olhos e lidar com este sabor incômodo em nossa boa pelas manhãs.

Se for algo esporádico podemos resolver a situação melhorando nossos hábitos de vida e de alimentação, mas mesmo assim não hesite em consultar um médico se notar que é algo recorrente, e se você sempre sentir os mesmos sintomas com o passar do tempo.

Olheiras, mau hálito e abdômen inchado… Como podemos resolver?

Alcachofra-e-azeite

Remédio de limão e alcachofra

A primeira coisa a fazer é depurar o fígado intoxicado e favorecer o funcionamento adequado de nossa digestão. Com o propósito de desintoxicar o fígado, ao longo de 10 dias iremos tomar este simples remédio elaborado com água de alcachofra e limão. Tome nota.

Ingredientes

  • 2 alcachofras
  • 1 litro de água
  • 1 limão

Como preparar

É muito simples. Trata-se de cozinhar as duas alcachofras até que fiquem bem macias. Logo após isso, iremos ficar apenas com a água usada na cocção.

Assim que não estiver mais tão quente, acrescente o suco de um limão. Em seguida coloque todo o conteúdo em uma garrafa de vidro. Iremos bebendo ao longo do dia. O primeiro copo em jejum pela manhã, e o restante antes das principais refeições.

Salada para melhorar o funcionamento do fígado intoxicado

Seria muito adequado que, todos os dias ou em dias alternados, você prepare esta salada rica em vegetais amargos e nutrientes que o fígado precisa para se regenerar.

Ingredientes

  • 100 g de repolho roxo
  • Uma xícara de repolho bem picadinho (80 g)
  • 1 cenoura pequena ralada
  • 1 xícara de folhas de espinafre (30 g)
  • 3 nozes
  • 1/2 abacate
  • Um punhado de salsinha picada
  • 8 uvas passas
  • Um pouco de erva-doce
  • 1/2 pera cortada em pedaços
  • O suco de um limão
  • 1 colher de azeite de oliva extra virgem (25 g)

Como preparar

O que nos interessa, antes de qualquer coisa, é consumir estes alimentos crus. Ou seja, não cozinhe a cenoura e nem o espinafre. Basta lavá-los bem. O único passo é cortar as verduras, a pera e o abacate em pedaços bem pequenos e temperar com o suco de meio limão e a colher de azeite de oliva extra virgem.

É deliciosa. Não deixe de experimentar!

Recomendamos também a leitura: Café da manhã saudável: confira essas 13 opções!

Uma infusão de gengibre todas as tardes

Cha-de-gengibre

Este chá cai muito bem. Tomar uma infusão de gengibre depois de comer irá melhorar o nosso processo de digestão bem como nos ajudará a depurar toxinas.

A raiz de gengibre contém monoterpenos, sesquiterpenos e gingerol, potentes antioxidantes que ajudam o fígado intoxicado a fazer o seu trabalho.

Além disso, o gengibre nos permite estimular a transformação do colesterol em ácido biliar. Assim podemos reduzir o nível de colesterol ruim, ou LDL, e melhorar a nossa digestão.

Não hesite, portanto, em tomar uma xícara desta infusão medicinal todas as tardes. Se você ficar atento à sua alimentação, evitar os pratos ricos em gordura, aumentar o consumo de vegetais frescos e água, conseguirá evitar sem dúvida as incômodas olheiras, o mau hálito e o abdômen inchado.

  • CARVALHO, Wanderson Luís de et al. Mecanismos da intoxicação do fígado de rato causada pelo gossipol. Pesquisa Veterinária Brasileira, p. 339-344, 2013.
  • DE OLIVEIRA CABRAL, Crisley Dayane; CARNIELLO, Maria Antonia. Formas de uso medicinal da aroeira, Myracrodruon urundeuva Fr. All., em Porto Limão, Cáceres, MT.
  • DE QUEIROZ, Thyago Moreira; GOMES, Camila Figueiredo; ALVES, Maria Angélica Sátyro Gomes. ALCACHOFRA (CYNARA SCOLYMUS L., ASTERACEAE): UMA FONTE PROMISSORA DE ATIVIDADES BIOLÓGICAS. Revista Campo do Saber, v. 1, n. 2, 2016.