O que precisamos saber sobre o Ebola?

· 30 de janeiro de 2019
O período de incubação do Ebola varia entre 2 e 21 dias, desde que entra-se em contato com o vírus até que surjam os primeiros sintomas.

Nos últimos dias, a maioria das pessoas ouviu falar de uma doença chamada Ebola, mas sabemos também que essa doença existe há anos, sendo que no ano de 1976, durante uma epidemia mortal, detectou-se o vírus pela primeira vez.

Se você ainda não obteve informações precisas sobre essa doença conhecida como Ebola, não se preocupe, hoje vamos apresentar algumas informações importantes sobre essa doença, desde sua origem até as suas principais características.

O que é o Ebola?

Como mencionado anteriormente, é uma doença infecciosa viral que provoca febre hemorrágica em seres humanos e nos animais. Essa doença recebeu o nome de Ebola porque no Zaire, na África, existe um rio chamado com este mesmo nome.

O vírus é um dos membros que pertence a uma família de vírus ARN, nomeada como Filoviridae. Também cabe ressaltar que existem cinco sorotipos do vírus Ebola, os quais são: Zaire, Costa de Marfim, Sudão, Bundibugyo e Reston.

Esse último causou doenças somente nos animais e não nos seres humanos.

Como se transmite o vírus?

O vírus é altamente infeccioso e é considerado umas das doenças mais mortais devido a velocidade com que causa a morte do infectado, e essa rapidez está associada às regiões remotas onde se produz a infecção.

Conheça: Antibióticos naturais para combater infecções leves

A transmissão mais habitual nos seres humanos se apresenta através do contato com um animal hospedeiro da doença, esteja ele vivo ou morto. O vírus pode ser transmitido pelos macacos, morcegos, antílopes, entre outros.

Já em caso de infecção entre humanos, a transmissão ocorre através do sangue, secreções, tecidos e fluídos corporais de um sujeito infectado e também por meio dos equipamentos médicos como as agulhas e seringas.

Também é importante sabermos que existe a transmissão nosocomial. Essa propagação ocorre dentro de um centro de saúde ou dos hospitais. Ultimamente vem ocorrendo com mais frequência nos centros de saúde localizados no continente africano.

O alastramento do vírus nesses casos se deve aos atendimentos precários onde não se dispõem de utensílios para o atendimento dos pacientes infectados, como as máscaras, as roupas especializadas ou as luvas específicas.

Outras informações importantes

O vírus é uma doença altamente perigosa, o que nos leva a ter o dever de nos mantermos constantemente informados, sobretudo pelas dificuldades que se apresenta para ser detectado rapidamente.

A seguir recomendaremos alguns cuidados especiais.

 O vírus Ebola tem uma taxa de 90% de mortalidade.

Desde que foram detectadas as primeiras infecções do vírus Ebola, a doença tem uma taxa de mortalidade extremamente elevada – até 90% dos casos.

O vírus pode permanecer ativo no sêmen

A Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou que os homens recuperados da doença podem seguir transmitindo o vírus através do sêmen até aproximadamente sete semanas depois de finalizar o seu tratamento e a sua recuperação.

Sintomas do vírus

Inicialmente os sintomas que se apresentam são febre, fraqueza intensa, dores musculares, dor de cabeça e garganta irritada.

Logo após esse sintomas surgem os vômitos, diarreia, erupção cutânea, problemas renais e diversos outros casos com hemorragias internas e externas.

Leia também: 5 sinais que sua pele mostra quando algo não está bem

Se alguém apresentar alguns dos sintomas, deverá ser levado imediatamente para atendimento de urgência médica e evitar todo tipo de contato com a pessoa infectada e com os demais indivíduos que possivelmente estiveram em contato com a pessoa para não alastrar ainda mais a doença.

Período de incubação do vírus

Estima-se que o período de incubação do vírus desde o primeiro contato até o surgimento dos sintomas iniciais são de dois a 21 dias. Devido a semelhança com outra sintomatologia de doenças, a única forma de diagnosticar o vírus é através de uma amostra ou análise de laboratório.

Prevenção e tratamento

É lamentável que até o momento não exista ainda uma vacina contra o vírus. Mas a esperança é que estão sendo testadas várias vacinas, porém, ainda em circunstâncias experimentais.

Quanto ao tratamento, não existe um específico para combater os efeitos da doença, o mais indicado é administrar a hidratação oral com soluções de eletrólitos ou fluídos intravenosos.

  • Feldmann, H., & Geisbert, T. W. (2011). Ebola haemorrhagic fever. The Lancet. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(10)60667-8
  • Etienne, N. L., Burns, C., & Acree-Conlon, H. (2015). Ebola virus disease. Workplace Health and Safety. https://doi.org/10.1177/2165079915607874