O que é o ácido salicílico?

11 de agosto de 2019
O ácido salicílico pertencente ao grupo dos agentes analgésicos, antipiréticos e anti-inflamatórios foi descrito pela primeira vez no século XVIII por Richard Stone. Este reverendo observou que as infusões da casca do salgueiro branco comum curavam a febre. 

O ácido salicílico é uma substância que possui propriedades queratolíticas e antimicrobianas. É amplamente utilizado em áreas como a dermatologia, pois é capaz de promover a descamação da pele e prevenir a contaminação por bactérias e fungos oportunistas.

Além disso, tem a capacidade de regular a oleosidade da pele e agir como um potencial anti-inflamatório. Desta forma, é considerado uma substância de fundamental importância para melhorar a aparência do envelhecimento da pele.

De onde vem o ácido salicílico? 

Salgueiro branco

A casca do salgueiro branco, Salix alba, contém uma substância conhecida como salicina. É aí que o ácido salicílico é obtido. No entanto, este hidroxiácido pode ser encontrado em outras plantas, como na bétula e nas folhas de gualtéria.

O ácido salicílico, pertencente ao grupo dos agentes analgésicos, antipiréticos e anti-inflamatórios, foi descrito pela primeira vez no século XVIII por Richard Stone. Este reverendo observou que as infusões da casca do salgueiro branco comum curavam a febre.

Em 1899, esta substância foi sintetizada pela primeira vez e foi usada para substituir a quinina no controle da febre e da dor pela via oral. Um de seus metabólitos foi o ácido salicílico, com qualidades para uso tópico.

Ações e efeitos do ácido salicílico 

Seu efeito na pele pode estar relacionado com seu impacto sobre a estrutura da mesma. Assim, o ácido salicílico afeta a coesão entre os queratinócitos, um tipo de célula, e a sua descamação.

Desta forma, e como já mencionamos, este ácido atua como queratolítico (esfoliante) e antimicrobiano, em concentrações de 5 a 10%. Além disso, foi-lhe atribuído um efeito anti-inflamatório direto, embora ainda não tenha sido confirmado. Em concentrações mais baixas, entre 1 e 3%, atua como queratoplástico.

As substâncias queratoplásticas são aquelas que favorecem a regeneração da camada córnea, e normalizam uma queratinização defeituosa. Quanto aos queratolíticos, estes são definidos como substâncias capazes de provocar a queda da córnea, ou a redução de sua espessura.

Por outro lado, é importante comentar que o ácido salicílico é lipossolúvel, ou seja, pode ser misturado e dissolvido com as gorduras da epiderme, e com o material sebáceo preso aos folículos.

Quando introduzido nessas áreas lipídicas da pele, causa esfoliação e descamação das mesmas.

Leia também: Removedores de maquiagem caseiros para a pele seca, oleosa e sensível

Indicações

Ácido salicílico na verruga

Podemos destacar 9 principais indicações para as quais esta substância é usada:

  • Queratolítico: para tratar verrugas vulgares, planas e plantares.
  • Queratoplástico: em 0,5% na borda de úlceras não estressadas.
  • Fotodano: para reparar esta situação é usado sozinho (em concentrações de 10 a 15% em pomada ou cremes) ou em conjunto com AHA (alfa-hidroxiácidos) ou ácido retinóico. É usado para reparar queratose actínica e manchas solares nas costas das mãos e antebraços.
  • Fotoprotetor: age como um filtro químico.
  • Antifúngico: promove a penetração de antifúngicos tópicos removendo a camada córnea.
  • Anestésico: tem um certo efeito anestésico ao intervir na síntese de prostaglandinas, substâncias relacionadas à dor. Por exemplo, é usado para aliviar a dor em aftas ulceradas.
  • Analgésico: alguns derivados do ácido salicílico são usados ​​para aliviar a dor nas bursites e dores musculares.
  • Antipruriginose: alivia a coceira.
  • Anti-inflamatório: Como seu efeito analgésico e anestésico, o efeito anti-inflamatório deriva de sua capacidade de inibir a síntese de prostaglandinas.

Efeitos adversos

Sem dúvida alguma, como todos os medicamentos e substâncias químicas, o ácido salicílico também pode desencadear uma série de efeitos adversos, entre os quais os mais frequentemente notados:

  • Toxicidade de absorção sistêmica: quando a substância passa para o sangue, pode desencadear alguns problemas, como náuseas e vômitos.
  • Antimitótico e teratogênico: isto é, afeta a divisão das células e afeta o feto. Portanto, seu uso não é recomendado em mulheres grávidas.
  • Reações alérgicas: o seu uso é contraindicado em pessoas alérgicas a esta substância, uma vez que pode levar a complicações sérias.
  • Distúrbios psíquicos: esses efeitos adversos são menos frequentes.

Você pode também estar interessado em ler: Descubra o que acontece com seu rosto ao aplicar uma mistura de mel com aspirina

Conclusão 

Em resumo, o ácido salicílico continua em vigor com as tradicionais indicações e outras novas, com um bom perfil de eficácia e segurança. No entanto, recomendamos que não se automedique e consulte o seu médico para que ele determine o melhor tratamento para o seu caso.

 

  • Bashira S, Drehera F, Chewa A. Cutaneous bioassay of salicylic acid as a keratolytic; International Journal of Pharmaceutics 2005 (292): 187-194
  • Rougier A. Efficacy and safety of a new salicylic acid derivative (LHA) alone or as a complement of tretinoin in acne treatment. J Am Acad Dermatol, 2007 Feb (56) 2 sup 2: AB15.
  • Bari AU, Igbal Z, Rahman SB; Superficial chemical peeling with salicylic Acid in facial dermatoses. J Coll Physicians Surg Pak. 2007 Apr;17(4):187-90.