O que é o herpes vaginal e como evitá-lo?

14 de junho de 2019
O herpes vaginal é uma infecção sexualmente transmissível bastante comum. Hoje vamos descobrir algumas maneiras de evitá-lo.

O herpes vaginal é uma infecção sexualmente transmissível que, no momento, é um grande problema de saúde pública. No entanto, esta IST (Infecção Sexualmente Transmissível) pode ser evitada se adotarmos uma série de medidas. Neste artigo vamos descobrir mais a fundo o que é o herpes vaginal e algumas formas de evitar contrair.

Por que o herpes genital é uma IST?

Não consideramos que o herpes genital seja uma DST (doença sexualmente transmissível), uma vez que este termo só é correto quando a infecção sexualmente transmissível se torna uma doença. Por exemplo, quando o vírus do papiloma humano leva ao câncer de útero.

Portanto, como indicado no artigo Infecções sexualmente transmissíveis: epidemiologia e controle, o herpes é considerado uma infecção. Sua principal característica é a presença de uma ferida ou úlcera que se abre, dói e pode escorrer. No entanto, às vezes, esta IST é assintomática.

Mulher com herpes

Isso significa que algumas pessoas podem ter herpes e não tomar medidas adequadas para proteger seus parceiros sexuais de sua infecção. Na verdade, pode aparecer uma pequena chaga que não é particularmente dolorosa e que é confundida com uma ferida.

O melhor nesses casos é ir ao médico para descartar a possibilidade de estarmos enfrentando uma infecção sexualmente transmissível. Supor pode nos levar a continuar transmitindo herpes sem estarmos cientes disso.

Talvez te interesse ler: As doenças de transmissão sexual na gravidez

O herpes vaginal não tem cura

Isso é algo que devemos considerar e que deve nos permitir estar mais conscientes da importância de nos protegermos das ISTs. O herpes vaginal não tem cura. Embora se possa controlar os sintomas e fazê-los desaparecer, a qualquer momento o herpes pode reaparecer.

A razão pela qual o herpes não tem cura é porque é um vírus. Por isso, uma vez que os sintomas remitem devido ao tratamento adequado, não devemos acreditar que estamos curados. Na presença de qualquer ferida é essencial evitar o contato sexual ou fazê-lo com as devidas precauções.

Formas de prevenção

Preservativo

Para evitar a propagação do herpes vaginal, é importante sempre realizar uma série de medidas de proteção. Alguns delas são as que exporemos em seguida:

  • Preservativo: deve ser usado tanto para penetração vaginal, anal e sexo oral.
  • Não toque em feridas abertas: se o preservativo não cobrir uma ferida na área genital, é melhor evitar ter relações com essa pessoa, pois as chances de contrair uma IST, como herpes, são altas.
  • Higiene extrema: lavar as mãos com frequência é essencial.

No caso em que o contágio já ocorreu, como indicado no artigo Novas terapias para o herpes genital, o médico prescreverá aciclovir e valaciclovir. Essas drogas ajudam a curar úlceras e reduzem a dor.

Não deixe de ler ademais: Sexo oral: 7 mitos e consequências para a saúde

Recomendações para o herpes vaginal

O preservativo é um método muito eficaz para nos proteger das ISTs e DSTs. Portanto, mesmo que tomemos anticoncepcionais para evitar uma gravidez indesejada, é importante estarmos cientes de que o preservativo é essencial.

Isto é, acima de tudo, necessário no caso de termos mais de um parceiro sexual. Além disso, se tivermos contraído herpes vaginal, é nossa responsabilidade tomar as medidas apropriadas e dizer às pessoas com as quais manteremos relações que temos essa IST.

No melhor dos casos, a maneira mais eficaz de prevenir a disseminação desta IST seria evitar qualquer contato sexual durante o surto. Entretanto, se nos cuidarmos da forma adequada, isso não será necessário.

Lembre-se que as ISTs como o herpes vaginal não têm cura. Portanto, podemos sofrer um surto em qualquer outro momento. Nos protegermos será muito importante. Você sempre usa o preservativo em suas relações? Lembre-se que, através do sexo oral ou anal, o herpes também pode ser contagioso.

  • Hernández Cortina, Abdul. (2008). INFECCION POR HERPES SIMPLE GENITAL: REVISION GLOBAL. Revista Habanera de Ciencias Médicas7(4) Recuperado en 19 de abril de 2019, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1729-519X2008000400019&lng=es&tlng=es.
  • Navarro, D., Navalpotro, D., & Fraile, O. (2005). Actualización en el diagnóstico del herpes genital.
  • Sánchez-Crespo Bolaños, José Ramón, & González Hernando, Carolina. (2010). Herpes Genital. Revista Clínica de Medicina de Familia3(2), 124-126. Recuperado en 19 de abril de 2019, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1699-695X2010000200013&lng=es&tlng=es.