O que é a mente absorvente da criança de acordo com Montessori?

Maria Montessori propôs o conceito de mente absorvente, um estágio em que a criança é capaz de aprender mais do que em qualquer outro momento de sua vida.
O que é a mente absorvente da criança de acordo com Montessori?

Última atualização: 30 julho, 2022

A mente absorvente é um conceito proposto pela famosa pedagoga Maria Montessori. Refere-se ao fato de que crianças entre 0 e 6 anos aprendem com muita facilidade.

Sua mente é como uma esponja que absorve tudo.

Montessori chamou a atenção para o fato de que nesta primeira fase da vida, as crianças desenvolvem uma grande quantidade de aprendizado sem muito esforço. Aprendem a falar, a andar, a interagir, etc.

O progresso que ocorre até 6 anos é incrível. É uma fase em que a criança se transforma completamente e adquire diversas habilidades complexas, como a linguagem verbal e não verbal. Isso é possível pela mente absorvente.

Como é a mente da criança?

Maria Montessori foi uma pedagoga italiana que desenvolveu um método de aprendizagem muito eficaz e conceituado. Baseou-se nas contribuições dos médicos franceses Jean Itard e Edouard Sèguin, e nas de Pestalozzi, um pedagogo suíço.

A observação permitiu a Montessori mostrar que a criança é dotada de uma curiosidade natural e uma enorme capacidade de surpresa. Pode-se dizer que quase qualquer estímulo imediatamente chama sua atenção.

Segundo Montessori, isso ocorre porque, diferentemente dos adultos, as crianças assimilam de forma natural e involuntária todas as informações oferecidas pelo seu ambiente. Portanto, este é o palco ideal para que vivam novas experiências, em seu próprio ritmo e com base em seus interesses.

A criança descobre o mundo com sua mente absorvente.
As crianças estão abertas a todos os estímulos quando são pequenas e, portanto, têm uma grande capacidade de assimilação.

O que é a mente absorvente?

A mente absorvente é um estado em que a criança tem a capacidade de coletar informações de seu ambiente de forma espontânea. Ela processa essa informação e a integra ao seu intelecto e à sua vida.

Este estado mental ocorre entre 0 e 6 anos.

Segundo Montessori, a mente absorvente é de natureza inconsciente nos primeiros 3 anos e consciente nos 3 seguintes. Ela destaca que a criança passa de “criadora inconsciente” a “trabalhadora consciente”.

Falamos de uma mente absorvente porque, na realidade, a criança é como uma esponja que absorve tudo. As principais características deste estado mental são as seguintes:

  • A natureza criativa é priorizada.
  • É uma condição natural da espécie humana.
  • É temporária. Dura apenas entre 0 e 6 anos de idade.
  • O conhecimento é absorvido rapidamente e sem esforço.
  • A absorção de informações é indiscriminada e ilimitada.

Como se desenvolve a mente absorvente?

A mente absorvente é natural, sem que a vontade intervenha nela. Pelo simples fato de estar viva, a criança absorve a informação. Ela incorpora tudo ao seu redor, de acordo com suas necessidades.

No entanto, Montessori observou que a mente absorvente engloba diferentes dimensões. Há uma série de predisposições que levam a criança a focar sua atenção em determinados estímulos, em momentos diferentes. Em cada um deles, ela se concentra no que é necessário para seu desenvolvimento.

Dessa forma, configuram-se etapas transitórias e simultâneas, que Montessori chamou de períodos sensíveis. A duração de cada um varia, assim como a intensidade. Geralmente elas se sobrepõem.

Períodos sensíveis

Os períodos sensíveis são fases em que as necessidades e interesses dos pequenos mudam, de acordo com o seu desenvolvimento. Juntos, eles compõem a linha evolutiva da mente absorvente:

  • Ordem: de 0 a 6 anos. Há um interesse em classificar e categorizar tudo o que os cerca. Isso é favorecido em ambientes onde há ordem.
  • Movimento: de 0 a 5-6 anos. O interesse está focado em se mover de um lado para o outro. Ela se intensifica quando a criança aprende a andar.
  • Idioma: de 0 a 7 anos. Elas adquirem vocabulário sem instrução direta.
  • Sensações: de 0 a 6 anos. Refere-se ao desenvolvimento dos sentidos. A audição e a visão estão ativas desde o início. Com o tempo, o tato, o paladar e o olfato tornam-se mais agudos.
  • Objetos pequenos: de 0 a 6-7 anos. O interesse está em pequenos objetos e atenção aos detalhes.
  • Vida social: de 0 a 6 anos. Tem a ver com a necessidade de interagir com os pares e adquirir as diretrizes para a convivência.
Móvel para uma criança ser estimulada.
Diferentes elementos servem para favorecer a estimulação da mente absorvente, apesar de ser um processo natural.

Implicações educacionais

O fato de a mente absorvente operar de maneira natural não significa que os adultos não desempenhem um papel nesse estágio. Ao contrário, seu papel é essencial para que as crianças avancem em seu processo de aprendizagem e desenvolvimento.

O ideal é permitir e incentivá-las a ter novas experiências, de acordo com seus próprios ritmos e necessidades. Com o tempo, é isso que moldará sua percepção do mundo e de si mesmos.

Montessori ressalta que os métodos educacionais não devem focar apenas no desenvolvimento intelectual, mas também precisam favorecer o aprendizado, de acordo com cada período sensível. O interesse espontâneo da criança deve ser levado em consideração.

O estágio da mente absorvente é único na vida. Estima-se que um adulto levaria cerca de 60 anos para aprender tudo o que uma criança aprende nesses primeiros momentos de vida.

Após 6 anos, a mente absorvente desaparece. Em seu lugar está a mente racional, que não tem a mesma capacidade de aprender.

Pode interessar a você...
3 conselhos de Montessori para educar as crianças
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
3 conselhos de Montessori para educar as crianças

Educar as crianças é um direito fundamental. Contribui para o desenvolvimento pessoal favorecendo a integração social e profissional.



  • Santerini, M. (2013). Grandes de la educación: María Montessori. Padres y Maestros/Journal of Parents and Teachers, (349).
  • Carbajo, M. E., & Mur, B. (2016). Una respuesta a la curiosidad natural. Cuadernos de pedagogía.
  • María, M. (1986). La mente absorbente del niño. México DF Editorial Diana,(Original italiano 1952).