O que é a diabulimia?

27 de setembro de 2019
A diabulimia combina os fatores de risco de uma doença endórcina importante e de um transtorno alimentar. Explicaremos tudo nesse artigo.

Quando um transtorno alimentar se combina com um déficit hormonal, as consequências são devastadoras. A diabulimia é uma doença relativamente recente, que surge pela combinação de duas doenças que sozinhas são muito perigosas, a diabetes insulinodependente e a bulimia; dai seu nome.

Qual é o papel da diabetes na diabulimia?

Nesse caso, nos referimos à diabetes tipo I que precisa de fornecimento exógeno de insulina, visto que o pâncreas do paciente não sintetiza a quantidade necessária.

A falta de insulina é um fator importante na perda de peso destes pacientes. Em suma, esta substância é necessária para levar as moléculas de glicose para as células utilizarem. Se não há insulina, o açúcar se mantém na corrente sanguínea até que é eliminado, geralmente pelo rim. Além disso, conduz a uma perda de peso, em ocasiões extremas.

Em condições normais, os pacientes jovens com diabetes tipo I, logo após o diagnóstico e o tratamento com insulina acompanhado de uma alimentação muito restrita, começam a recuperar seu peso. Na diabulimia, o paciente aproveita a ação da insulina sobre o metabolismo para, longe de recuperar seu estado de saúde e peso, manter um peso exageradamente baixo.

Pessoa com diabulimia

Talvez te interesse ler: Dieta cetogênica

Paciente típico

A diabulimia pode aparecer em ambos sexos ainda que seja claramente majoritária no sexo feminino. O paciente típico com diabulimia costuma apresentar as seguintes características:

  • Meninas que são diagnosticadas com diabetes tipo I em idades precoces.
  • Inteligentes, com bons resultados acadêmicos e perfeccionistas.
  • Com baixa autoestima.
  • Ambientes familiares complexos: pouca resolução de problemas, alto nível de exigência e déficit na comunicação emocional de seus membros.
  • É comum o aparecimento de características depressivas sem que se saiba muito bem o que surgiu primeiro: a depressão ou a diabulimia.

A paciente com bulimia que também sofre com diabetes tipo I começa a substituir as comilanças, o posterior vômito e o excesso de exercício pelo uso da insulina para perder peso.

Em resumo, injeta doses claramente insuficientes que produzem, às vezes, comas hiperglicêmicos, que são episódios muito graves que podem chegar a comprometer a vida; no entanto, é mais forte o desejo de se manter magra, doentiamente magra.

Este perverso uso da insulina começa como uma espécie de brincadeira no qual se veem presas sem chances de sair, à medida que os sintomas avançam.

Os pacientes sem o transtorno bulímico que controlam bem as doses de insulina e a alimentação, querem evitar a todo custo os picos nos níveis de açúcar, por serem muito desagradáveis e perigosas. Além disso, estes pacientes tendem ao sobrepeso.

Leia também: Diferenças entre a fome real e ansiedade por comida

Complicações

Nos pacientes com diabulimia os efeitos da diabetes insulinodependente são aumentados e acelerados.

  • Aumenta-se o risco de dano renal, que pode chegar ao ponto de ser necessária a diálise.
  • Afeta a retina podendo produzir cegueira.
  • Ademais, compromete a circulação sanguínea periférica causando o pé diabético, que em casos graves acaba em amputação.
Pé diabético

  • Atraso na menstruação, ou amenorreia.
  • Detém-se o crescimento.
  • Perda de cabelo, problemas de pele, etc.
  • Cetoacidose causada pela hiperglicemia mantida no sangue que pode, ademais, produzir dano celular irreversível e coma.
  • É frequente o aparecimento de neuropatias pelo fator tóxico da acidose metabólica sobre os nervos.
  • A idade média de morte dos pacientes com diabulimia é de 45 anos.

Como se pode ver, o prognóstico deste tipo de pacientes é muito complicado.

Fatores que fazem suspeitar de diabulimia

Muitos autores recomendam para a família e amigos dos pacientes com diabetes tipo I que vigiem certas condutas que podem fazer suspeitar um transtorno alimentar que acompanhe a própria diabetes, como por exemplo:

  • Fases de grande descontrole da diabetes.
  • Grande perda de peso.
  • Idas frequentes ao hospital por hipo ou hiperglicemia.
  • Alterações nos dados de controle do paciente ao compará-los com as análises de laboratório.
Sinal de bulimia

A diabulimia é uma doença de muito difícil diagnóstico e bastante desconhecida pelo profissional médico não especializado. Seu prognóstico é muito grave e é bom estar atento para realizar um diagnóstico precoce que permita começar rapidamente com o tratamento.

É um tratamento complexo de uma doença endócrina com ramos na esfera emocional e psíquica e, portanto, requer a atuação de uma equipe multidisciplinar formada, ao menos, por:

  • Médico de atenção primária.
  • Psicólogo.
  • Nutricionista.
  • Endocrinologista.

Além disso, todos os profissionais envolvidos devem manter um fluído canal de comunicação, para poder adaptar os tratamentos médicos e psicológicos, e também com a família para o maior benefício do paciente.

Por fim, a diabulimia é mais do que um transtorno alimentar e muito mais do que uma diabetes insulinodependente.

  • Larranaga A, Docet MF, Garcia-Mayor RV. Disordered eating behaviors in type 1 diabetic patients. World J Diabetes. 2011;2(11):189-95.22.
  • Orit Pinhas-Hamiel, MD, Uri Hamiel, ,Yuval Greenfield, Valentina Boyko, Chana Graph-Barel, Marianna Rachmiel, Liat Lerner-Geva, Brian Reichman. Detecting Intentional Insulin Omission for Weight Loss in Girls with type 1 Diabetes Mellitus. International Journalof Eating Disorders 46:8 819–825 201323.
  • Sancanuto C, Tébar FC, Jiménez-Rodríguez D, Hernández-Morante JJ. Factores psicosociales en la diabetes mellitus tipo1 y su relación con el riesgo de desarrollar trastornos alimentarios en la infancia y la adolescencia. Avances en Diabetología. 2014; 30,5; 156-16224.
  • Jessica T. MarkowitzDeborah A. Butler, Lisa K. Volkening, Jeanne E. Antisdel, Barbara J. Anderson, Lori M.B. Laffel. Brief Screening Tool for Disordered Eating in Diabetes. Internal consistency and external validity in a contemporary sample of pediatric patients with type 1 diabetes. Diabetes Care 33:495-500; 2010.25.
  • Custal N, Arcelus J, Agüera Z, I Bove F, Wales J, Granero R, Jiménez-Murcia S, Sánchez I, Riesco N, Pino Alonso, Crespo JM, Virgili N, Menchón JM, and Fernandez-Aranda F. Treatment outcome of patients with comorbid type 1 diabetes and eating disorders. BMC Psychiatry. 2014; 14: 140.