O que é a neuromielite óptica ou doença de Devic?

A neuromielite óptica é uma doença autoimune grave e crônica que envolve a desmielinização do nervo óptico e da medula espinhal. Pode ser confundida com a esclerose múltipla.
O que é a neuromielite óptica ou doença de Devic?

Última atualização: 03 Julho, 2021

As doenças autoimunes são um grupo de patologias em que as células responsáveis ​​pela defesa do organismo atacam os seus próprios órgãos. A neuromielite óptica (NMO) é uma condição que se enquadra neste grupo e é caracterizada pela desmielinização de certas áreas do sistema nervoso central (SNC).

Todo o SNC é coberto por uma substância chamada mielina, que está envolvida na transmissão correta dos impulsos nervosos. Na neuromielite óptica, anticorpos específicos atacam proteínas localizadas na medula espinhal e no nervo óptico: as aquaporinas 4, alterando o seu funcionamento correto.

Essa patologia também é conhecida como doença de Devic e tem apresentação recidivante com recaídas em 70% dos casos. Os sintomas mais frequentes são alterações que se relacionam com a inflamação do nervo óptico e da medula espinhal.

Semelhanças e diferenças entre NMO e esclerose múltipla

A esclerose múltipla (EM) é uma doença autoimune que também ataca o sistema nervoso central, por isso pode ser confundida com a NMO. Na verdade, a neuromielite óptica foi considerada um tipo de esclerose múltipla por muitos anos.

As duas patologias em questão afetam as estruturas que compõem o sistema nervoso central, causando desmielinização. Ambas as doenças afetam a medula espinhal, mas a EM é capaz de alterar várias estruturas cerebrais, enquanto a NMO se limita ao nervo óptico.

Os sintomas apresentados pelos pacientes são muito semelhantes, pois ambos têm apresentações recorrentes e únicas. Por outro lado, as pessoas com esclerose múltipla também têm neurite óptica e mielite, portanto, com frequência apresentam também problemas oculares e sensoriais.

A principal diferença entre as duas patologias é a alteração humoral na neuromielite óptica. Estudos demonstraram que a maioria dos pacientes com NMO possui anticorpos antiaquaporina 4, que são muito raros em pessoas com EM.

Paciente em cadeira de rodas
A esclerose múltipla é mais geral e menos localizada, e pode levar à perda da capacidade de andar.

Sintomas da neuromielite óptica

Como já mencionamos, a clínica apresentada por pessoas com NMO estará relacionada à neurite óptica e mielite transversa. Pode ser bilateral ou unilateral, além de alterar uma estrutura do nervo óptico chamada quiasma óptico. Dentre os sintomas oftalmológicos mais relevantes, destacam-se:

  • Diminuição da acuidade visual.
  • Perda de visão.
  • Dor nos olhos.
  • Olhos cansados.
  • Disfunção oculomotora.

Por outro lado, a medula espinhal também será afetada por um processo inflamatório em pelo menos 3 segmentos, razão pela qual os sintomas neurológicos podem aparecer. Nesse sentido, as principais alterações incluem as seguintes:

  • Incapacidade de mover um ou mais membros.
  • Alterações na sensibilidade.
  • Perda do controle do esfíncter.
  • Espasmos musculares.
  • Náuseas e vômitos.

Pessoas diagnosticadas podem ter recaídas entre 2 e 3 anos após o episódio inicial. A neuromielite óptica é mais comum em mulheres a partir dos 39 anos. Estudos mostram que o comprometimento motor nas mulheres geralmente é pior do que nos homens.

Como se diagnostica a neuromielite óptica?

Fazer o diagnóstico preciso dessa patologia pode ser uma tarefa complexa para os especialistas, portanto, uma série de exames diferentes serão necessários. Nesse sentido, o médico deve diferenciar os sintomas com outras patologias neurológicas.

Anticorpos anti-aquaporina 4

Um dos principais resultados que norteiam o diagnóstico da neuromielite óptica é a presença de anticorpos antiaquaporina 4 na corrente sanguínea. Encontramos esses anticorpos em mais de 70% dos pacientes com a doença, portanto, são uma maneira clara de confirmar a patologia.

Essas moléculas são responsáveis ​​pela destruição das aquaporinas 4 no SNC e subsequente desmielinização. Apesar de ser uma descoberta recente, tem sido útil para realizar o diagnóstico precoce.

Estudos de imagem

A ressonância magnética é o exame de imagem de escolha utilizado neste caso. O exame usa ímãs e ondas de rádio para criar uma imagem detalhada das estruturas do SNC. Os médicos podem detectar alguns danos ao cérebro ou à medula espinhal.

Os pacientes com neuromielite óptica terão uma lesão óbvia na medula espinhal, geralmente no nível da segunda vértebra torácica, que se repetirá em 3 segmentos medulares consecutivos. Além disso, o exame determina que a única estrutura cerebral afetada é o nervo óptico.

Estudos do líquido cefalorraquidiano (LCR)

Os especialistas podem remover uma pequena quantidade de CSF para análise. O fluido em questão apresenta uma quantidade elevada de proteínas e glóbulos brancos quando ocorre a neurite, que é maior do que a que se encontra em pacientes com esclerose múltipla.

Presença de critérios diagnósticos

Desde 1999, estabeleceu-se uma série de critérios que estão presentes em todos os pacientes com neuromielite óptica. Em 2006 estes paradigmas foram modificados. No total, são 3 critérios definitivos que indicam a presença da doença:

  • Neurite óptica.
  • Mielite aguda.
  • Ausência de doença clínica fora da medula espinhal e nervos ópticos.
Exame ocular
A possibilidade de provocar cegueira é uma consequência séria da patologia, difícil de impedir e prevenir.

Tratamento da neuromielite óptica

Os sintomas da doença são causados ​​por um processo inflamatório, por isso o uso de corticosteroides ajuda a diminuir o impacto dos sinais. Além disso, este tipo de medicamentos evita recaídas futuras.

Quando os corticosteroides não melhoram os sintomas, uma troca de plasma pode ser necessária. Este procedimento envolve a remoção do sangue do corpo, que é então separado do plasma ou fluido das células e substituído por um análogo sintético.

A troca de plasma é um processo que pode levar horas e deve ser realizado várias vezes. Por fim, o médico prescreve medicamentos imunossupressores. Eles diminuem a atividade do sistema imunológico, reduzindo assim os danos às estruturas do SNC.

Recomendações para a dieta de uma pessoa com NMO

Todos os pacientes com diagnóstico de NMO devem fazer uma mudança à procura de um estilo de vida mais saudável, de forma a prevenir ou retardar a progressão da doença. Nesse sentido, é aconselhável fazer modificações na dieta.

É importante que o paciente consulte um nutricionista para seguir um planejamento adequado de acordo com a patologia que apresenta. Dentre as recomendações a seguir, destacam-se as seguintes:

  • Aumentar a ingestão de vegetais: frutas, cereais e grãos.
  • Reduzir os alimentos ricos em gordura saturada e carboidratos.
  • Beber entre 5 e 8 copos de água ou líquidos sem açúcar.
  • Eliminar o consumo de álcool e café.

NMO: uma doença difícil de diagnosticar

A neuromielite óptica é uma doença autoimune degenerativa com sintomas oculares e neurológicos. É comum confundir essa patologia com outras do SNC. Felizmente, os métodos de diagnóstico avançaram muito.

Não existe um tratamento específico para essa doença, mas os corticosteroides e os imunossupressores auxiliam na melhora dos sintomas. É importante que as pessoas com NMO façam mudanças no estilo de vida para evitar a progressão e a recaída da doença.

Pode interessar a você...
Esclerose múltipla: 14 sinais de alerta que você deve conhecer
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Esclerose múltipla: 14 sinais de alerta que você deve conhecer

Mantenha-se alerta para identificar os sintomas da esclerose múltipla e consulte seu médico diante de qualquer suspeita dessa doença.



  • Lopategui Cabezas I., Cervantes Llano M., Pentón Rol G.. Neuromielitis óptica: Principales diferencias con la esclerosis múltiple. An. Med. Interna (Madrid). 2008;  25( 6 ): 294-296.
  • Chiquete E, Navarro Bonnet J, Ayala Armas R, Gutiérrez Gutiérrez N, Solórzano Meléndez A, Rodríguez Tapia D et al. Neuromielitis óptica: actualización clínica. Revista de Neurología. 2010;51(05):289.
  • Arias-González NP, Valencia-Paredes D. Neuromielitis óptica, anticuerpos anti-acuaporina 4. Rev Med MD. 2014;5.6(1):58-61.
  • Pinzón A, Echeverry T, Rodríguez A. Neuromielitis óptica (enfermedad de Devic). Acta Médica Colombiana. 2010;35(1):21-25.
  • Wingerchuk DM, Lennon VA, Lucchinetti CF, Pittock SJ, Weinshenker BG. The spectrum of neuromyelitis optica. Lancet Neurol. 2007 Sep;6(9):805-15.
  • Contentti, Edgar Carnero, et al. “Neuromielitis óptica: actualización clínica y terapéutica.” Neurología Argentina 5.4 (2013): 259-269.
  • Huda S, Whittam D, Bhojak M, Chamberlain J, Noonan C, Jacob A. Neuromyelitis optica spectrum disorders. Clin Med (Lond). 2019 Mar;19(2):169-176.