Mejor con Salud
 

10 mudanças que ocorrem no seu corpo ao parar de comer carne

Parar de comer carne pode trazer alguns benefícios para a saúde a médio e longo prazo. No entanto, também implica algumas desvantagens. Neste espaço, vamos trazer mais detalhes.
10 mudanças que ocorrem no seu corpo ao parar de comer carne

A carne é uma fonte de proteínas. Além disso, contém vitaminas do complexo B e minerais, como ferro e zinco. Seu consumo é importante principalmente na etapa de crescimento e desenvolvimento. O que acontece em seu corpo ao parar de comer carne?

Eliminar completamente a ingestão diária de carne tem consequências para o corpo. Deve ficar claro que uma dieta sem carne não é sinônimo de saudável, pois implica em excluir uma importante fonte de proteínas, vitaminas, minerais e outros nutrientes.

Faz bem parar de comer carne?

Segundo uma publicação da Proceedings of Nutrition Society, a carne é um alimento que fez parte da dieta ao longo da evolução humana. Do ponto de vista nutricional, é muito importante, pois fornece uma quantidade significativa de proteínas de alto valor biológico e outros nutrientes essenciais.

Então, faz bem parar de comer carne? Responder a essa pergunta pode ser complexo. Como vemos, a carne fornece nutrientes essenciais em qualquer dieta saudável. No entanto, existe certas controvérsias sobre seu consumo, principalmente no caso das carnes vermelhas ou processadas.

Uma informação publicada no International Journal for Vitamin and Nutrition Research indica que o consumo excessivo de carnes vermelhas e processadas aumenta o risco de mortalidade total, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e outras doenças não transmissíveis.

No entanto, especialistas e nutricionistas concordam que o consumo moderado não representa obrigatoriamente riscos, especialmente se forem escolhidos cortes magros. Dessa forma, parar de comer carne é uma decisão pessoal e nem sempre é sinônimo de bem-estar. Em caso de dúvidas, o ideal é conversar com um profissional de nutrição.

A carne é um alimento que tem espaço dentro de uma alimentação saudável e variada. No entanto, seu consumo deve ser moderado.

Mudanças que ocorrem ao parar de comer carne

Um estudo publicado na Revue Scientifique et Technique destaca que o consumo moderado de carne pode ajudar a evitar a deficiência de alguns nutrientes essenciais, pois contém grandes quantidades de proteínas e doses moderadas de ferro, zinco, selênio, vitamina D e vitamina B12.

No entanto, essa mesma pesquisa conclui que parar de comer carne pode reduzir o desenvolvimento de uma ampla variedade de doenças crônicas e, por sua vez, pode ter efeitos benéficos na segurança alimentar mundial. Este último aspecto considerando que existe uma preocupação crescente com a sustentabilidade da produção de animais de criação.

Então é conveniente parar? Vamos ver em detalhes os prós e os contras de parar de comer carne. Se você vir motivos suficientes para limitar seu consumo, perfeito. No entanto, procure consultar o nutricionista para saber como compensar os nutrientes que deixam de ser ingeridos por não comer esse alimento.

1. Perda de peso

As pessoas que param de comer carne podem perder vários quilos de peso corporal, pois diminuem a ingestão total de calorias na dieta. Além disso, a médio e longo prazo, isso ajuda a reduzir os marcadores de inflamação, que estão associados ao sobrepeso.

No entanto, é essencial cobrir as necessidades de proteína, pois é um macronutriente determinante no metabolismo e na saúde muscular. As proteínas estão presentes em legumes, carnes brancas, peixes e outros alimentos saudáveis.

2. Bactérias intestinais

A microflora intestinal das pessoas que comem carne e daquelas que são vegetarianas é muito diferente, como detalhado no Human Microbiome Journal. Aparentemente, as pessoas que comem mais alimentos de origem vegetal têm mais bactérias benéficas.

No entanto, reconstruir e melhorar sua flora intestinal não é algo que você possa fazer em um dia. Portanto, o inchaço e os gases não desaparecerão instantaneamente. Isso ocorre porque o intestino e o pâncreas vão se acostumar aos alimentos vegetais e as enzimas serão reduzidas.

Leia também: Aumente a quantidade de bactérias benéficas no seu intestino

3. Saúde da pele

As pessoas que param de comer carne acreditam que a pele melhora, embora não haja evidências que respaldem esse fato. No entanto, ao aumentar o consumo de alimentos vegetais no lugar das carnes, obteremos uma maior quantidade de antioxidantes, que são essenciais para a saúde da pele, de acordo com estudo publicado em 2017.

Limitar o consumo de carne vermelha e aumentar a ingestão de alimentos vegetais pode, a longo prazo, favorecer a boa saúde da pele.

4. Aumento do consumo de fibras

Ao limitar o consumo de carnes, é necessário aumentar o consumo de fontes de proteínas de origem vegetal. Graças a isso, é possível obter uma maior contribuição de fibras na dieta, porque geralmente os alimentos vegetais contêm esse nutriente.

5. Saúde cardiovascular

Um estudo recente publicado pela JAMA Internal Medicine afirma que o consumo excessivo de carne vermelha e processada aumenta o risco de doenças cardiovasculares e morte.

De acordo com as evidências, comer esses alimentos com frequência aumenta as chances de desenvolver doenças cardiovasculares em até 7%. Além disso, esse consumo está associado a um risco 3% maior de todas as causas de morte.

6. Menos risco de ter diabetes

As pessoas que seguem uma dieta vegetariana têm um risco menor de síndrome metabólica, conforme detalhado nesse estudo publicado pelo Current Diabetes Reports.

A síndrome metabólica é um conjunto de fatores de risco, ligados ao diabetes tipo 2 (não dependente de insulina), acidente vascular cerebral e doenças cardíacas.

Parar de comer carne e aumentar o consumo de alimentos vegetais está associado a um menor risco de diabetes.

7.Déficit de nutrientes

Ao não consumir carne, você poderá provocar um déficit de nutrientes necessários para o bom funcionamento do seu corpo. Em geral, é possível apresentar deficiência de iodo, ferro e vitaminas D e B12.

Felizmente, você pode equilibrar essa situação planejando minuciosamente sua alimentação. O nutricionista pode indicar o consumo de leguminosas e outros alimentos que contêm esses nutrientes.

Consulte este artigo: 5 nutrientes essenciais para manter um cérebro ativo e saudável

8. Falta de sabor

Suas papilas gustativas respondem ao consumo de zinco, presente nas ostras e ma carne vermelha. Por isso, ao deixar a carne de lado, é conveniente buscar novas fontes de alimentos para absorver esse mineral. Algumas opções são: feijão branco, nozes, grãos integrais e lácteos.

9. Saúde muscular

As proteínas animais e vegetais são necessárias para formar e recuperar os músculos após o exercício, motivo pelo qual é aconselhável que atletas vegetarianos e veganos consumam proteínas líquidas logo após o exercício.

10. Menos risco de depressão

As evidências sobre a relação entre o consumo de carne e uma maior tendência à depressão ainda não são sólidas. No entanto, uma meta-análise publicada na BMC Psychiatry não descarta uma relação entre a ingestão excessiva desse alimento e esse transtorno de saúde mental.

Parar de comer carne, uma escolha pessoal

Por enquanto, as evidências sobre o consumo de carne continuam a causar opiniões divididas. Em geral, para a maioria das pessoas saudáveis, comer carne não representa um problema. No entanto, parece que limitar seu consumo pode trazer alguns benefícios a médio e longo prazo.

Cuidado com a carne vermelha!

Cuidado com a carne vermelha!

Um estudo recente confirmou que não apenas a carne processada é prejudicial para a saúde, carne vermelha também traz suas contraindicações.



  • Pascual, T. (2010). Las proteinas. Vive Sano. https://doi.org/3.866
  • Gil, A., Victoria, E. M. de, & Olza, J. (2015). Indicators for the evaluation of diet quality. Nutrición Hospitalaria. https://doi.org/10.3305/nh.2015.31.sup3.8761
  • McAfee, A. J., McSorley, E. M., Cuskelly, G. J., Moss, B. W., Wallace, J. M. W., Bonham, M. P., & Fearon, A. M. (2010, January). Red meat consumption: An overview of the risks and benefits. Meat Science. https://doi.org/10.1016/j.meatsci.2009.08.029
  • Richi, E. B., Baumer, B., Conrad, B., Darioli, R., Schmid, A., & Keller, U. (2015). Health risks associated with meat consumption: A review of epidemiological studies. International Journal for Vitamin and Nutrition Research. Verlag Hans Huber AG. https://doi.org/10.1024/0300-9831/a000224
  • Senghor, B., Sokhna, C., Ruimy, R., & Lagier, J. C. (2018, April 1). Gut microbiota diversity according to dietary habits and geographical provenance. Human Microbiome Journal. Elsevier Ltd. https://doi.org/10.1016/j.humic.2018.01.001
  • Addor FAS. Antioxidants in dermatology. An Bras Dermatol. 2017;92(3):356–362. doi:10.1590/abd1806-4841.20175697
  • Dhingra D, Michael M, Rajput H, Patil RT. Dietary fibre in foods: a review. J Food Sci Technol. 2012;49(3):255–266. doi:10.1007/s13197-011-0365-5
  • Kim, H., Caulfield, L. E., Garcia-Larsen, V., Steffen, L. M., Coresh, J., & Rebholz, C. M. (2019). Plant-Based Diets Are Associated With a Lower Risk of Incident Cardiovascular Disease, Cardiovascular Disease Mortality, and All-Cause Mortality in a General Population of Middle-Aged Adults. Journal of the American Heart Association8(16). https://doi.org/10.1161/JAHA.119.012865
  • Turner-McGrievy, G., & Harris, M. (2014). Key elements of plant-based diets associated with reduced risk of metabolic syndrome. Current Diabetes Reports. Current Medicine Group LLC 1. https://doi.org/10.1007/s11892-014-0524-y
  • Maxfield L, Crane JS. Zinc Deficiency. [Updated 2019 Sep 19]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2019 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK493231/
  • Richter CK, Skulas-Ray AC, Champagne CM, Kris-Etherton PM. Plant protein and animal proteins: do they differentially affect cardiovascular disease risk?. Adv Nutr. 2015;6(6):712–728. Published 2015 Nov 13. doi:10.3945/an.115.009654