Como prevenir a morte súbita no esporte?

A prevenção da morte súbita no esporte tornou-se um tema de importância científica há alguns anos. Acima de tudo, os cardiologistas são os mais envolvidos na busca por um método que permita detectar alterações precoces para evitar a morte.
Como prevenir a morte súbita no esporte?

Última atualização: 20 Janeiro, 2021

As notícias sobre atletas que morrem praticando exercícios costumam viralizar nas redes sociais e na mídia atual. Como resultado, vários especialistas aparecem falando sobre a possibilidade de prevenir a morte súbita no esporte.

Mas isso é possível? Existe uma maneira de detectar o problema a tempo de evitar o desfecho fatal? As medidas tomadas devem ser as mesmas aplicadas à população geral? Como veremos, existem algumas diferenças que justificam uma abordagem específica.

Alguns fatos sobre a morte súbita no esporte

A morte súbita, onde quer que aconteça, é uma parada cardíaca em um indivíduo que era considerado saudável antes do evento. Ou seja, não há doença, em primeira instância, que justifique o problema. Como veremos agora, uma vez que os pacientes são estudados cuidadosamente verifica-se que, no fundo, havia algo.

Entre os atletas, não há diferença significativa nos casos se os compararmos com o restante da população. Porém, entre aqueles que praticam exercícios intensos a incidência aumenta, chegando a mais de uma morte súbita por 100.000 habitantes.

Os registros relatam que a maioria dessas mortes ocorre na primavera e à tarde. Isso está relacionado aos horários e estações usuais de competição em cada hemisfério do planeta.

Quando um atleta morre praticando um esporte sem causa traumática que justifique a morte, em até 90% das vezes a culpa é de uma causa cardiovascular. Isso depende muito da idade, uma vez que entre os menores de 35 anos o risco é quase inexistente, ao passo que em uma população de idade mais avançada podem ser alcançados valores de 1 morte a cada 18.000 habitantes.

Mulher descansando
Estudos sugerem que até 90% dos casos de morte súbita entre atletas têm origem cardiovascular.

Causas de morte súbita no esporte

A morte súbita, no esporte ou fora dele, é desencadeada por uma arritmia, que é a fibrilação ventricular. Nessa condição, a parte inferior do coração (os ventrículos) bate de forma desordenada e o órgão é incapaz de levar sangue aos tecidos.

As placas de ateroma acabaram sendo a causa primária na maioria dos pacientes estudados após sofrer um evento como este. Consiste no acúmulo de coágulos aderidos às artérias, compostos por células sanguíneas, plaquetas, tecido fibroso e colesterol.

Suspeita-se de que, ao realizar um esforço no esporte, as placas de ateroma tenham se rompido abruptamente e obstruído a circulação. Quando estas estão localizadas nas artérias coronárias, que são as que irrigam o coração, elas cortam o suprimento de oxigênio e nutrientes até causar necrose celular, que é a morte das células.

Em menor grau, existem causas hereditárias que não podem ser evitadas em relação à morte súbita no esporte. De qualquer forma, como veremos mais tarde, elas muitas vezes podem ser detectadas a tempo com um eletrocardiograma.

Existem duas formas que são mais conhecidas pela genética:

  • Cardiomiopatia arritmogênica: as células do coração se degeneram e se convertem de músculo em gordura. A longo prazo, essas áreas cardíacas perdem a função e apresentam arritmias repetitivas, principalmente durante o esforço.
  • Hipertrofia: nesses pacientes, a parede do coração aumenta progressivamente de tamanho, tornando cada vez mais difícil que o sangue saia dos ventrículos para se distribuir por todo o corpo. Quando o ponto máximo é alcançado, ocorre a morte súbita.

Como prevenir a morte súbita no esporte?

Conhecendo suas causas e suas formas de apresentação, vale pensar em como prevenir a morte súbita no esporte. A primeira resposta que surge, quase imediatamente, é a realização de um exame físico com eletrocardiograma em todos os atletas.

A verdade é que, em termos jurídicos, muitos países exigem a certificação de atividades federadas ou profissionais, mas há uma discussão científica sobre seu valor nessa área. No caso da genética e da hereditariedade, o exame pode ajudar, mas as placas de ateroma não apresentam sinais elétricos.

Por isso, fala-se atualmente de um exame médico global que inclua mais elementos, e não apenas o eletrocardiograma. Um bom exame físico e laboratorial adequado para a idade, e a solicitação de um método complementar especial se houver alguma suspeita.

Lembre-se de que as placas de ateroma são mais frequentes em pessoas com idade avançada, mas não são detectadas facilmente. Por outro lado, as mesmas recomendações valem para atletas e para a população geral no que diz respeito aos fatores de risco. Portanto, o seguinte deve ser considerado:

  • Controlar a obesidade.
  • Regular a pressão arterial e os níveis de glicose no sangue.
  • Reduzir o colesterol ruim.
  • Seguir uma dieta saudável.
  • Evitar o álcool e o cigarro.
Morte súbita no esporte
Para reduzir o risco de morte súbita no esporte, é importante que os atletas façam um eletrocardiograma. Além disso, devem manter um estilo de vida saudável.

Prevenção social

Nos locais dedicados ao esporte, devem ser instalados desfibriladores automáticos e o funcionários devem conhecer as formas básicas de reabilitação cardiopulmonar. Da mesma forma, treinadores e árbitros devem ser instruídos na modalidade de reanimação.

O sistema de alerta é essencial. A cadeia de avisos e notificações aos serviços de emergência depende da velocidade e precisão com que é acionada. Isso deve ficar claro em qualquer academia e estádio, com responsáveis ​​pelos chamados sendo treinados para isso.

Uma possibilidade remota, mas que existe

Se olharmos para os números, podemos dizer que a incidência de morte súbita no esporte é baixa. Talvez isso seja verdade em medidas populacionais amplas, mas os dados são significativos entre aqueles com mais de 50 anos que praticam exercícios intensos.

Portanto, muito cuidado deve ser tomado. Um check-up é importante e deve ser feito minuciosamente, não como mais um procedimento que você deseja realizar. Todos os métodos complementares solicitados devem ser realizados e avaliados no contexto do paciente em questão.

Existe também uma responsabilidade geral da sociedade, dos proprietários dos centros esportivos e dos reguladores das atividades. A existência de desfibriladores, a educação em saúde sobre o assunto e a cadeia de avisos são elementos que contribuem para a redução do problema.

Pode interessar a você...
Rotina de exercícios militares para os amantes do esporte
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Rotina de exercícios militares para os amantes do esporte

Os exercícios militares combinam força, resistência, equilíbrio e poder, entre outras aptidões físicas. Conheça os benefícios que essas rotinas trazem.



  • Suárez-Mier, M. Paz, and Beatriz Aguilera. “Causas de muerte súbita asociada al deporte en España.” Revista española de cardiología 55.4 (2002): 347-358.
  • Iglesias, Diego Esteban. “Muerte súbita en el deporte.” La Revista del Hospital Italiano de Buenos Aires 36 (2016): 91-98.
  • de Luna, Antoni Bayés, et al. “Actualización de la muerte súbita cardiaca: epidemiología y estratificación del riesgo.” Revista española de medicina legal 44.1 (2018): 5-12.
  • Morentin, Benito, Ma Paz Suárez-Mier, and Beatriz Aguilera. “Muerte súbita por enfermedad ateromatosa coronaria en jóvenes.” Revista Española de Cardiología 54.10 (2001): 1167-1174.
  • Manonelles Marqueta, P., et al. “Estudio de la muerte súbita en deportistas españoles.” Investigación cardiovascular 9 (2006): 55-73.
  • Sitges, Marta, et al. “Consenso para prevenir la muerte súbita cardíaca de los deportistas.” Apunts: Medicina de l’esport 48.177 (2013): 35-41.
  • Aparicio Rodrigo, María, and Enrique Rodríguez-Salinas Pérez. “Dudas sobre la utilidad del cribado masivo con electrocardiograma en deportistas para prevenir la muerte súbita.” Pediatría Atención Primaria 18.71 (2016): 275-278.
  • Serratosa-Fernández, Luis, et al. “Comentarios a los nuevos criterios internacionales para la interpretación del electrocardiograma del deportista.” Revista Española de Cardiología 70.11 (2017): 983-990.
  • de Viguri, Narciso Perales Rodríguez, José Luis Pérez Vela, and Cristina Pérez Castaño. “Respuesta comunitaria a la muerte súbita: resucitación cardiopulmonar con desfibrilación temprana.” Revista Española de Cardiología Suplementos 10 (2010): 21A-31A.
  • Armengol, Juan Jorge González, Antonio López Farré, and Fernando Prados Roa. “Síncope de esfuerzo y riesgo de muerte súbita en deportistas jóvenes: perspectiva clínica y genética.” Emergencias: Revista de la Sociedad Española de Medicina de Urgencias y Emergencias 23.1 (2011): 47-58.