Montelucaste: usos, mecanismo e riscos

Se você consumir montelucaste, estiver pensando em tomá-lo ou administrá-lo a um de seus filhos por indicação médica, saiba que há precauções a serem consideradas. Continue lendo e descubra-as!
Montelucaste: usos, mecanismo e riscos

Última atualização: 23 Setembro, 2021

O montelucaste é consumido por milhões de pessoas asmáticas ou alérgicas em todo o mundo. Destas, cerca de um terço são menores de idade.

Este medicamento é usado para tratar os vários sintomas da asma e da rinite alérgica sazonal. É considerado bastante eficaz. No entanto, tem alguns efeitos colaterais adversos, como dor de cabeça e dor de ouvido, cansaço e fraqueza.

Neste artigo saberemos o que é o montelucaste, para que serve, como é administrado, seus riscos e contraindicações. Vale lembrar que este artigo tem apenas fins informativos. Portanto, sua leitura não substitui a consulta médica, que continua sendo extremamente necessária.

O que é o montelucaste e para que é utilizado?

O montelucaste é encontrado nas farmácias, após a apresentação de receita médica, com um de seus nomes comerciais: Singulair ®, Senovital ®, Sansibast ®, Airón ®, Aireal ® ou Everest ®.

Este é um medicamento usado para combater os sintomas da asma, como tosse, respiração ruidosa, broncoespasmo e aperto no peito. Além disso, ajuda a prevenir dificuldades respiratórias causadas por exercícios em pessoas com esta doença.

Este medicamento também é usado para tratar os sintomas da febre do feno, conhecida como alergia sazonal ou rinite alérgica sazonal. Este quadro inclui espirros, congestão nasal, coriza e coceira no nariz.

Em geral, o montelucaste bloqueia a ação dos leucotrienos. Essas substâncias, produzidas pelos leucócitos e derivadas do ácido araquidônico, têm um efeito broncoconstritor mais potente do que a histamina, causando estreitamento e inflamação das vias aéreas.

O montelucaste foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA). É utilizado no tratamento da asma em adultos e crianças com mais de 6 anos, e da rinite alérgica em adultos e crianças a partir dos 2 anos.

É considerado eficaz e tem resultados positivos na redução dos sintomas, de acordo com pesquisas. No entanto, ele não cura essas condições.

Criança com asma
O montelucaste costuma complementar a ação dos inaladores tradicionais em pacientes asmáticos.

Como tomar o montelucaste?

O montelucaste vem em várias formas: comprimidos, pastilhas mastigáveis e grânulos. Em todos os casos, é administrado por via oral. Não é recomendado quando ocorrem crises de asma agudas ou súbitas, pois permite apenas uma ingestão por dia.

No tratamento da asma, deve ser tomado à noite. No entanto, para prevenir as dificuldades respiratórias associadas a esta doença, é preferível ingeri-lo duas horas antes do exercício. O ideal é manter um cronograma fixo.

No caso da rinite alérgica, pode ser tomado a qualquer momento, embora nas mesmas condições: uma vez a cada 24 horas.

Se estiver administrando este medicamento em grânulos a crianças, eles podem ser despejados em uma colher de chá ou ser colocados diretamente na boca. A criança pode beber um pouco de líquido após ingeri-los.

Também pode ser misturado com um pouco de leite, purê ou um pouco de mingau. O ideal é que essa mistura seja feita para consumo imediato. Decorridos 15 minutos após a preparação, ele não deve ser armazenado.

Não altere a dose nem a suspenda, a menos que indicado pelo médico ou se houver reação. O montelucaste demora um dia para começar a funcionar.

Se você esquecer uma dose por engano, tome-a assim que se lembrar. No entanto, se já se passaram quase 24 horas e faltam poucos minutos para o horário habitual, é aconselhável aguardar e tomar apenas uma.

Riscos e precauções associados ao montelucaste

Seja antes de começar a tomá-lo ou durante o tratamento, alguns cuidados devem ser tomados para evitar riscos e problemas associados ao consumo, armazenamento ou descarte do medicamento. Vamos ver.

Antes de começar a tomá-lo

Informe o seu médico se você é alérgico a este medicamento, a algum de seus ingredientes ou a qualquer outro medicamento. Verifique quais são os componentes da apresentação do montelucaste que você está consumindo.

Da mesma forma, você deve informar ao seu médico quais medicamentos ou suplementos está tomando ou planeja começar a tomar. O montelucaste pode interagir com outros medicamentos, como fenobarbital, rifampicina e gemfibrozil.

Em outras situações, como ter sofrido de doença hepática, estar grávida, planejando engravidar ou se estiver amamentando, é uma boa idéia consultar o seu médico. Até agora, nenhum estudo foi feito em pessoas com insuficiência renal.

Armazenamento

Assim como acontece com muitos outros medicamentos, o montelucaste deve ser mantido em local fresco e seco à temperatura ambiente. Isso exclui locais que são úmidos (como o banheiro) ou quentes (a cozinha).

Da mesma forma, deve ser mantido o mais longe possível da visão e do alcance das crianças. De preferência, trancado à chave em um lugar alto. Esta precaução se aplica até mesmo a crianças que estão consumindo montelucaste por indicação médica.

Duração, expiração e descarte

Observe a data de validade no rótulo da embalagem. Em geral, a duração é de um ano. A recomendação é que você evite consumir medicamentos vencidos.

Depois de expirados ou quando o tratamento estiver concluído, se os medicamentos tiverem que ser descartados, isso deve ser feito com segurança. Os medicamentos não devem ser descartados pelo ralo.

Efeitos colaterais do montelucaste

Apesar dos resultados positivos do montelucaste, efeitos colaterais adversos também foram relatados. Embora sejam considerados raros, alguns se tornam graves.

Os possíveis efeitos colaterais do montelucaste incluem:

  • Sinais de reação alérgica na pele: erupção na pele, vermelhidão, coceira, bolhas, descamação.
  • Problemas de garganta: rouquidão, dificuldade em engolir ou falar.
  • Falta de ar: tosse, respiração ofegante e aperto no peito.
  • Dor de ouvido ou infecção.
  • Queixas gastrointestinais: náuseas, dor abdominal, fezes aquosas.
  • Sinais de problemas no fígado: olhos e pele amarelados.
  • Dor de cabeça e tontura.
  • Distúrbios do sono: pesadelos, sonambulismo ou sonolência.
  • Depressão: estudos clínicos verificaram que experiências adversas relacionadas ao comportamento após o consumo de montelucaste ocorreram com uma prevalência de 2,73%. A pesquisa não revelou casos em que um suicídio consumado possa ser diretamente atribuído à droga.
Insônia causada pelo medicamento montelucaste.
Alguns distúrbios do sono podem estar associados a uma reação adversa ao montelucaste, embora não sejam tão comuns.

Os estudos também não estabeleceram uma correlação negativa entre o uso de montelucaste e acidente vascular cerebral, doença cardiovascular e infarto do miocárdio.

Recomendações e cuidados com o montelucaste

O FDA, levando em consideração os relatos de eventos neuropsiquiátricos adversos relacionados ao uso do montelucaste, reavaliou os benefícios e riscos desse medicamento. Nesse sentido, determinou que as empresas farmacêuticas coloquem uma advertência na embalagem deste fármaco.

Se alguém perceber alguma reação adversa ao consumi-lo, seja ela física ou comportamental (agitação, agressividade, ansiedade, irritabilidade), deve procurar um médico imediatamente e interromper o uso do medicamento, mesmo que nunca tenha tido problemas de saúde mental anteriores.

Pode interessar a você...
Zaldiar: tudo sobre este medicamento
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Zaldiar: tudo sobre este medicamento

O Zaldiar é um medicamento composto por dois princípios ativos analgésicos que apresentam um mecanismo de ação diferente. Saiba mais aqui!



  • Aldea Perona A, García-Sáiz M, Sanz Álvarez E. Psychiatric Disorders and Montelukast in Children: A Disproportionality Analysis of the VigiBase®. Drug Saf. 2016; 39(1): 69-78.
  • Cavus G, et al. Effects of montelukast and methylprednisolone on experimental spinal cord injury in rats. Eur. Rev. Med. Pharmacol. Sci. 2014; 18: 1770–1777.
  • Ficha técnica montelukast Stada 10 mg comprimidos recubiertos con película EFG [En línea]. Agencia Española de Medicamentos y Productos Sanitarios [fecha de consulta: 10 de septiembre de 2021]. URL disponible en: https://cima.aemps.es/cima/dochtml/p/74856/Prospecto_74856.html.
  • Garafoni F, Telechea H, Giachetto G. Reações psiquiátricas adversas do montelucaste. Arch Pediatr Urug. 2019; 90(2): 90-4.
  • Kumar A, Prakash A, Pahwa D, Mishra J. Montelukast potentiates the protective effect of rofecoxib against kainic acid-induced cognitive dysfunction in rats. Pharmacol. Biochem. Behav. 2012; 103: 43–52.
  • Marschallinger J, Schäffner I, Klein B, Gelfert R, Rivera FJ, Illes S, et al. Structural and functional rejuvenation of the aged brain by an approved anti-asthmatic drug. Nat Commun 2015;6:8466.
  • Palacios Sánchez L, Botero Meneses JS, Mora Muñoz L, et al. Alice in Wonderland Syndrome (AIWS). A reflection. Rev Colomb Anestesiol. 2018; 46(2): 143-147.
  • Reiss T, et al. Effects of montelukast (MK-0476), a new potent cysteinyl leukotriene (LTD4) receptor antagonist, in patients with chronic asthma. J. Allergy Clin. Immunol. 1996; 98: 528–534.
  • Palacios-Sánchez L, Botero-Meneses J, Mora-Muñoz L, et al. Alice in Wonderland Syndrome (AIWS). A reflection. Revista Colombiana de Anestesiología. 2018; 46(2): 143-147.
  • Saad M, Abdelsalam R, Kenawy S, Attia A. Montelukast, a cysteinyl leukotriene receptor-1 antagonist protects against hippocampal injury induced by transient global cerebral ischemia and reperfusion in rats. Neurochem. Res. 2015; 40: 139–150.
  • Yu G, et al. Montelukast: a cysteinyl leukotriene receptor-1 antagonist, doseand time-dependently protects against focal cerebral ischemia in mice. Pharmacology. 2005; 73: 31–40.