Melhor Com Saúde
 

Mioma uterino gigante: o que é e como é tratado?

O mioma uterino gigante apresenta uma série de sintomas aos quais devemos prestar atenção para receber um diagnóstico e iniciar tratamento o mais rápido possível.

Mioma uterino gigante: o que é e como é tratado?

Última atualização: 31 Dezembro, 2020

Muitas mulheres são diagnosticadas com miomas uterinos. Estes são neoplasias benignas do útero, que geralmente não causam grandes problemas. No entanto, podem acabar levando ao desenvolvimento de um mioma uterino gigante.

O mioma uterino gigante é um mioma que atinge grandes dimensões. Embora seja estranho encontrar casos de miomas com mais de 11 kg, isso pode acontecer.

Por tudo isso, queremos destacar a importância das consultas e exames periódicos para que, em caso de mioma, o médico possa fazer um acompanhamento e monitorar o tamanho do mesmo.

O mioma uterino gigante e seus sintomas

Mioma uterino gigante
O mioma uterino causará pressão sobre o abdômen, sendo esta a causa principal dos seus sintomas característicos.

Agora que sabemos que o mioma uterino gigante nada mais é do que um mioma de tamanho muito maior do que o normal, precisamos conhecer os sintomas que podem nos alertar a respeito da sua presença.

No entanto, queremos deixar claro que o fato do mioma uterino ser gigante geralmente não indica que estamos enfrentando um tumor maligno. Alguns pacientes recebem um diagnóstico de mioma ou cisto borderline, o que significa que está no limite de ser algo prejudicial à saúde.

Descubra também: Quais são as funções dos hormônios sexuais?

Abdômen inchado

Um dos sintomas do mioma uterino gigante é o inchaço do abdômen. No início podemos confundir esse sintoma com gases; no entanto, se o médico fizer uma exploração mais detalhada, observará que o ventre está duro em vez de macio.

É importante procurar um especialista o mais rápido possível para fazer uma ultrassonografia e detectar o mioma. A razão disso está na necessidade de dar uma solução aos desconfortáveis sintomas que descobriremos a seguir.

Acidez

Acidez estomacal
Entre os sintomas estão a dor abdominal e a acidez, que podem causar sérios desconfortos.

A acidez é outro dos sintomas mais comuns. À medida que o mioma aumenta de tamanho, vai pressionando a parede do estômago, assim como ocorre na gravidez. Por isso, em certos momentos podemos sentir uma azia muito desconfortável.

Dor e sangramento

A dor que pode se manifestar quando temos um mioma uterino gigante pode ser aguda ou simplesmente um desconforto constante, que geralmente ocorre quando estamos em pé.

Além disso, devemos prestar atenção se sofrermos sangramentos muito mais intensos durante a menstruação, que pode se tornar mais prolongada e com coágulos. Da mesma forma, podem ocorrer perdas de sangue entre um período menstrual e o outro.

Você pode estar interessado: Miomas uterinos: 5 coisas que deveríamos saber

Infertilidade

Outro dos sintomas do mioma uterino gigante é que a pressão que ele pode exercer sobre a região pode alterar o funcionamento das trompas de Falópio, impedindo que o embrião se implante e cresça normalmente.

Essa pressão exercida pelo mioma também pode levar a outros tipos de sintomas, como problemas de incontinência urinária e constipação.

Como o mioma uterino gigante é tratado?

Exame ginecológico
A consulta regular com o seu ginecologista excluirá a possibilidade de sofrer desta e de outras condições semelhantes.

Quando alguém da nossa família tem miomas ou foi diagnosticado, é essencial fazermos um acompanhamento ginecológico pelo menos uma vez por ano.

Se nunca fizemos esse tipo de revisão ou acompanhamento, teremos que estar atentos aos sintomas mencionados acima. Diante de qualquer desconforto, dor, sintomas de incontinência urinária ou outros, é melhor consultar um profissional.

  • Tratamento hormonal: permite reduzir o tamanho dos miomas antes da cirurgia, já que esse tratamento não é definitivo.
  • Ressecção histeroscópica: é uma cirurgia pouco agressiva, que permite preservar a função reprodutiva. É uma opção amplamente usada em mulheres jovens.
  • Operação laparoscópica: é uma cirurgia na qual os miomas podem ser removidos, juntamente com o útero caso seja necessário.
  • Cirurgia tradicional: neste caso, é feita uma incisão no abdômen, semelhante à cesariana, para remover o mioma e o útero (nos casos em que é necessário). Esta opção é válida apenas quando o mioma não reduz o seu tamanho.

Embora a recomendação seja a de começar a fazer as primeiras visitas ao ginecologista ao iniciar a vida sexual, existem muitas jovens de 17 anos, ou até menos, que podem sofrer com esse problema.

Por isso, é necessário recorrer a esses exames e consultas periódicas e prestar atenção aos sintomas mencionados aqui. Isso permitirá receber o tratamento adequado o mais rápido possível.

5 dados sobre os miomas uterinos

5 dados sobre os miomas uterinos

Os miomas uterinos são massas anormais de tecido muscular que se formam na superfície da matriz e, raramente, no colo do útero.



  • Corrales, J., Claiden, A., Vargas, J. K. C., de Quesada Arceo, S., Guerra, J. M., Espinosa, M. A., & Leiva, R. F. (2015). Mioma uterino: Un trastorno frecuente en mujeres en edad fértil. 16 de abril54(257), 59-70.
  • Hiralda Martínez, Jorge Luís. (2013). Presentación de una paciente con mioma gigante del útero. Correo Científico Médico17(3), 392-396. Recuperado en 30 de enero de 2019, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1560-43812013000300022&lng=es&tlng=es.
  • Rodríguez, J. M. E., Pereira, L. T. P., Ramírez, L. C., Madrid, J. M. E., & Vallejo, J. E. S. MIOMATOSIS UTERINA GIGANTE EN MUJERES NULÍPARAS: REPORTE DE DOS CASOS.
  • Sarduy Nápoles, Miguel, Vasallo Prieto, Raúl, Collera, Simeón, Martínez Chang, Ysis M., Correa Padilla, Jorge Miguel, Rivero Ojeda, Javier, Frigola Cartaya, Joel, & Alfonso Sabatier, Carlos. (2009). Miomatosis uterina gigante. Revista Cubana de Obstetricia y Ginecología35(3) Recuperado en 30 de enero de 2019, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0138-600X2009000300011&lng=es&tlng=es.
  • Sosa Martín, Gimel, Gutiérrez Gaytán, Luis Raúl, & Crespo Galán, Adonis. (2011). Mioma uterino gigante. Revista Cubana de Cirugía50(4), 555-559. Recuperado en 30 de enero de 2019, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-74932011000400017&lng=es&tlng=es.
  • Jiménez Ubieto, I., Zornoza, A., & Tarrío, O.. (2009). Sangrado de origen ginecológico. Anales del Sistema Sanitario de Navarra, 32(Supl. 1), 39-48. Recuperado en 17 de junio de 2020, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1137-66272009000200005&lng=es&tlng=es.