Milhares de pessoas deprimidas sem saber: descubra se esse é o seu caso

Se nada do que fazemos nos preenche, se sentimos uma apatia constante e, de um dia para o outro, nossos problemas começam a derivar em dores físicas, é possível que estejamos deprimidos.
Milhares de pessoas deprimidas sem saber: descubra se esse é o seu caso

Última atualização: 05 Fevereiro, 2019

O dado, sem dúvidas, pode nos parecer um tanto contraditório: há pessoas profundamente deprimidas que não são conscientes de sua realidade interna.

Não percebem o peso de suas emoções negativas e nem a contradição psicológica que se surge como um redemoinho em suas mentes.

Entretanto, é uma realidade evidente que muitos psicólogos e médicos detectam quando devem tratar sintomas secundários associados.

A dor muscular, o mau humor, a raiva, o ódio de si mesmo, as mudanças de humor ou o desprezo para com tudo o que lhes envolve são sintomas relacionados com a depressão.

As pessoas intuem que algo acontece, que a vida, às vezes, parece desafinada e estranha, que tudo corre na direção oposta ao que esperavam.

No entanto, continuam avançando. Fazem isso porque dispõem dos mecanismos adequados de defesa, mediante os quais se adaptam à força.

Assim, silenciam emoções, afogam amarguras, dissolvem o estresse com a ansiedade, e a ansiedade, por sua vez, com múltiplas dores psicossomáticas.

Pode nos surpreender mas é um fato: a depressão encoberta existe e milhares de pessoas passam por ela sem saber.

A seguir, te explicamos quais são as principais características desta situação tão complexa. Confira.

As pessoas deprimidas desenvolvem seu estado indefeso e seu mal-estar de forma lenta e progressiva

Mulher deprimida com capacete

Grande parte das depressões não têm desencadeante pontual e objetivo, como pode ser uma perda, um rompimento afetivo ou o fato de ter de viver com uma situação de desemprego.

  • As pessoas mais deprimidas são as que parecem ter quase tudo para serem felizes: uma família, um lar, um trabalho…
  • Os psicólogos nos indicam que os sentimentos depressivos crescem como a erva daninha em um jardim bonito. Chega um dia em que cobre tudo com sua densidade, com seus espinhos e frios arbustos.
  • A insatisfação, a letargia emocional, a sensação de estar perdendo o controle da própria vida se misturam.

Recomendamos também a leitura: Autoestima, chave para a nossa felicidade

Notamos que deixamos de fazer tudo o que gostamos porque as obrigações nos superam dia após dia…. Normalizamos essas sensações negativas.

Aí que o problema surge…

Não relacionamos a maioria dos sintomas com uma depressão

Mulher com depressão chorando

Vamos aos centros de atenção primária porque estamos esgotados, sem energia.

O médico, como é normal, faz exames de sangue e, depois de ver os resultados, nos diz que não temos nada ruim, e que basta melhorar a dieta, descansar e tomar vitaminas.

  • Em poucos meses voltamos porque nossas costas doem muito. O médico, então, nos recomenda procurar um fisioterapeuta.
  • Porém, pouco tempo depois marcamos uma nova consulta porque sofremos de insônia e muito nervosismo. É então que começam a receitar benzodiazepinas.
  • Finalmente, e diante da recomendação de parar o tratamento destes psicofármacos para evitar a dependência, o médico nos envia a um psiquiatra que faz o diagnóstico final: depressão.

O mais provável é que, até que cheguemos a esse diagnóstico final e certeiro, passem entre 1 e 2 anos sem que percebamos realmente o que está acontecendo.

Uma realidade muito complexa à qual deveríamos prestar mais atenção.

As pessoas deprimidas não aceitam seu estado

A palavra depressão não assusta. Ela gera uma rejeição, tanto pela pessoa que está passando por ela, quanto por parte da sociedade.

  • Somos esse mundo que ainda continua pensando que “as pessoas deprimidas estão tristes, e que não é mais do que uma atitude fraca e derrotista ao não saber encarar as coisas de outro modo”.
  • Pensar isso é um erro. A depressão, em qualquer uma de suas formas, é uma doença que deve ser tratada de forma multidisciplinar, ou seja, por meio de fármacos, psicoterapia e um apoio social adequado.
  • Porém, quando uma pessoa recebe seu diagnóstico, sente como se o mundo de súbito parasse, e tudo muda.
  • Assumir o problema real lhes obriga a ter que enfrentar seus demônios internos, seus vazios, o tecido quebrado de seus corações e pôr ordem na mente obsessiva em esconder as emoções.

Acham que precisam seguir como se nada estivesse acontecendo para que continuem sendo funcionais.

Assumir a depressão não é fácil para ninguém; porém, chegará um instante em que nos será impossível continuar avançando.

Como reconhecer que estou sofrendo de depressão?

Menina deprimida

Os psicólogos têm pontos chave que lhes orientam na hora de estabelecer um possível diagnóstico.

Estes são os principais sinais:

  • Insônia
  • Apatia
  • Mudanças constantes de humor
  • Indefesa, sensação de que, faça o que fizer, nada vai sair bem.
  • Sensação de que não se tem o controle de nada.

Estes são, sem dúvidas, os fatores mais recorrentes. A eles lhes somariam outros mais graves que não costumam passar despercebidos para o próprio paciente, como são as automutilações ou os pensamentos relacionados a suicídio.

Aprendamos, portanto, a identificá-los o quanto antes e pedir ajuda.

Imagem principal oferecida por © wikiHow.com

Pode interessar a você...
Relação entre a dor crônica nas costas e a depressão
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Relação entre a dor crônica nas costas e a depressão

A dor crônica nas costas pode nos impedir de realizar muitas de nossas atividades diárias, mas qual a relação entre a dor crônica nas costas e a depressão?



  • COUTINHO, Maria da Penha de Lima et al. Depressão, um sofrimento sem fronteira: representações sociais entre crianças e idosos. PsicoUSF, v. 8, n. 2, p. 183-192, 2003.
  • ALMEIDA, Osvaldo P.; ALMEIDA, Shirley A. Confiabilidade da versão brasileira da Escala de Depressão em Geriatria (GDS) versão reduzida. Arq Neuropsiquiatr, v. 57, n. 2B, p. 421-6, 1999.
  • TENG, Chei Tung; HUMES, E. de C.; DEMETRIO, Frederico Navas. Depressão e comorbidades clínicas. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 32, n. 3, p. 149-159, 2005.