Meu filho não quer largar os videogames

· 19 de fevereiro de 2019
Os videogames são certamente fascinantes para crianças e adolescentes. Eles estimulam e desafiam suas habilidades. Mas também podem ser viciantes. Saiba como ajudar seu filho a largar os videogames.

Meu filho não quer largar os videogames. Esse é o grito desesperado de muitas mães e pais que não conseguem tirar seus filhos do computador, para levar uma vida normal.

As discussões entre pais e filhos pelo tempo gasto no computador tornaram-se uma rotina diária. Ao mesmo tempo, o número de crianças e adolescentes viciados em videogames está aumentando.

Assim, podemos agir antes que a situação fique fora de controle. Confira!

Videogames para crianças: são seguros?

Roblox, a plataforma de videogames para crianças e adolescentes da moda, protagonizou uma notícia que se tornou viral. Em um dos jogos, o avatar de uma menina de 7 anos foi estuprado por outros dois usuários.

A plataforma permite que os usuários criem jogos e mundos virtuais. Além disso, garante que possui filtros rigorosos para proteger crianças e adolescentes, que jogam em todo o mundo.

No entanto, o criador do jogo reconhece que, no caso da violação, foi possível burlar os sistemas de segurança.

A mãe da menina, Amber Petersen, disse ao Facebook, que uma manhã ela viu sua menina em estado de choque ao olhar para a tela. Ao se aproximar, viu a personagem feminina de sua filha sendo estuprada. Apesar do desgosto e do remorso que sentia, conseguiu fazer as capturas de tela necessárias para fazer a reclamação imediata.

A plataforma, que tem 40 milhões de jogos online, é a favorita de mais de 60 milhões de crianças e adolescentes, que jogam ativamente. Embora seja reconhecido por sua segurança, ficou evidente que nos jogos da Internet, nada é 100% seguro.

Efeitos dos videogames nas crianças

Não quer largar os videogames

A Academia Americana de Pediatria recomenda que as crianças a partir dos 6 anos não devem jogar mais de duas horas por dia nos videogames. De fato, jogar videogames sem se exceder, pode trazer benefícios de várias maneiras.

O importante é que o tempo que lhes é dedicado não deve ocupar o tempo investido em atividade física, ou descanso e sono.

No entanto, o problema começa quando há falta de controle do impulso. Neste caso, estes poderiam ter consequências psicológicas.

Os padrões neurais mostrados pelos viciados em videogames indicam que há um desequilíbrio no sistema de recompensa do cérebro. O que não é muito diferente de outros transtornos aditivos.

Além disso, nos casos em que há uma exposição contínua ao conteúdo violento de alguns videogames, os processos de dessensibilização podem ser acionados. Esses processos afetam regiões do cérebro ligadas ao controle das emoções, e aos processos de atenção e concentração.

Talvez você esteja interessado: Qual é o tempo mais adequado para que seus filhos assistam televisão?

A responsabilidade dos pais

As crianças do século XXI vivem cercadas de tecnologia. Esta é uma realidade indiscutível.

No entanto, não justifica que não possamos controlar em que idade nossos filhos acessem os diferentes dispositivos eletrônicos. Também devemos nos preocupar com o conteúdo que os jogos consomem, e quantas horas as crianças investem na frente da tela.

Assim, como podemos nos surpreender que desenvolvam um vício? Se desde que são pequenos usam smartphones ou tablets. Se diariamente aumenta o número de horas em que ficam presos à tela, indo de um jogo para outro, sem saber que tipo de jogos jogam. Assim, não é incomum que não queiram deixar os videogames.

Os pais são responsáveis ​​por impedir que o prazer dos videogames fique fora de controle, e afete a vida normal de crianças e adolescentes. Uma vez que tenham o primeiro dispositivo em suas mãos, temos que ser capazes de estabelecer regras claras e firmes. Estas devem abranger aspectos como: como e quanta tecnologia é usada, e que tipo de conteúdo é autorizado.

No entanto, não se trata apenas de dar regras e supervisionar, você também deve dar um bom exemplo. Vamos verificar se a cada vez que nosso filho precisa nos dizer algo, ou quer brincar conosco, nos vê absorvidos diante da tela do computador ou do celular. As regras não funcionarão se não forem acompanhadas de bom exemplo.

Sinais de aviso

Quando o seu filho não quiser largar os videogames, pode aparecer um dos seguintes sinais. Então, é hora de agir antes que a situação escape ao seu controle, e coloque em risco a estabilidade do seu filho.

  • Mostra uma preocupação incomum para o jogo, quando está longe do console ou do computador. E só fala sobre o jogo.
  • Quando não está jogando tem alterações de humor, desânimo, agressão, tristeza, ou fica na defensiva.
  • Dedica cada vez mais tempo à necessidade de jogar.
  • Perde o interesse em brincar com outras crianças, por seus hobbies, ou em relacionar-se com os amigos. Isola-se.
  • Quando tenta parar ou reduzir o tempo que gasta em videogames, não consegue.
  • Não reconhece, ou mente sobre as horas que passa jogando.
  • É capaz de não dormir, não comer, ou não cuidar da própria higiene, a fim de ficar mais minutos diante da tela.
  • Notas ruins e desinteresse em estudar aparecem. Jogar alguns minutos antes de estudar, se transforma em horas de jogo sem parar.
  • Diante de um momento difícil, seu filho coloca toda a sua energia no videogame. Não fala, nem quer discutir sobre o assunto. Usa o jogo para escapar da realidade.

Não perca: O que fazer com uma criança preguiçosa? Descubra os melhores conselhos

Não quer largar os videogames: o que eu faço?

familia que não quer largar os videogames

Quando uma criança ou adolescente não quer sair dos videogames você precisa tomar algumas medidas para o seu bem estar.

No entanto, tenha em mente que discussões ou imposições não têm por que ser mais eficazes do que um acordo mútuo. A negociação deve ser a ferramenta para estabelecer limites e normas claras. Além disso, devem ser afirmadas com amor e firmeza.

  • Tire o console ou o computador do quarto. Deve estar localizado em um espaço comum, que você possa monitorar.
  • O tempo para o videogame vem depois de ter cumprido a tarefa da escola, e as responsabilidades em casa.
  • Concorde com seu filho quantas horas de videogame ele terá por dia. Você pode começar com um período mais solto, que gradualmente irá reduzir pouco a pouco.
  • Deixe-o saber que tem 15 minutos para parar de jogar, depois 10 e 5 minutos, para que não se surpreenda com o fim do período acordado.
  • Ensine-o a salvar os jogos. Para uma criança que fez um grande esforço para passar de um nível para outro, é difícil deixar o jogo.
  • Restrinja o uso de jogos que não estiverem de acordo com a sua idade, ou com alto conteúdo de violência.
  • Incentive outras atividades para substituir o tempo gasto no videogame. Você pode incentivá-lo a praticar esportes ou atividades artísticas ou sociais, que lhe permitam interagir com crianças ou adolescentes de sua idade.
  • Programe atividades familiares. Compartilhe o tempo de jogo com seus filhos, desde um videogame ou jogo de tabuleiro, até sair para brincar em um parque.
  • Estabeleça com seu filho quais são as sanções que se aplicam quando ele não cumpre qualquer dos acordos. Pode ser uma hora a menos de jogo, ou um dia sem jogar. Seja firme quando você precisar aplicar a sanção.

Reflexão final

Se depois de ter acordado a fórmula para controlar o tempo na frente do jogo você notar que seu filho não consegue se controlar, ode estar enfrentando um vício. A melhor coisa que poderá fazer é procurar o apoio de um especialista.

Uma criança ou adolescente que não quer largar os videogames está exposta a sérias consequências. Estas podem afetar sua saúde física, emocional e mental. Como pais, devemos ajudá-los a superar esse problema. Não vamos duvidar: sua segurança depende da supervisão adequada dos pais.