Mães superprotetoras: como evitar isso

· 9 de janeiro de 2019
Certamente você já ouviu falar algumas vezes sobre mães superprotetoras. Você pode dizer a si mesma que esse não é o seu caso, mas, em muitos cenários, as mães superprotetoras não sabem disso; evitar se converter em uma é a chave para manter relacionamentos saudáveis ​​com as crianças

Uma das grandes responsabilidades dos pais é cuidar de seus filhos, para que eles cresçam saudáveis ​​e se desenvolvam plenamente. No entanto, há momentos em que essa responsabilidade vai além dos limites e se torna um problema. Neste caso, nos referimos às mães superprotetoras.

Mães superprotetoras: características

Pode-se dizer que os pais são superprotetores quando têm uma preocupação excessiva com seu filho. Tanto é assim, que eles criam figurativamente uma bolha protetora que isola a criança de qualquer situação que pareça perigosa ou arriscada, mesmo que não seja assim.

Agora, como você pode saber se faz parte do rol de mães superprotetoras? Alguns comportamentos que as caracterizam são descritos abaixo:

  • Elas impedem a autonomia do seu filho. Por exemplo, ao alimentá-lo, dar-lhe banho, penteá-lo, vesti-lo, etc…
  • Elas limitam a exploração do mundo. Isso pode significar evitar que a criança vá acampar, brincar na casa de um amigo, ou viajar.
  • A palavra “não” é constante quando se dirigem ao seu filho.
  • Elas privam o filho de responsabilidades. Como é o caso de participar da limpeza do seu quarto, realizar tarefas domésticas, ou fazer tarefas acadêmicas.
  • Elas resolvem os problemas de seus filhos, em vez de permitir que resolvam por conta própria.
  • Justificam ou defendem os erros de seus filhos.
  • Elas permitem excessivamente as atitudes de seus pequenos. Dão prêmios, apesar de não terem ganho, pedido ou merecido.
  • Elas geram medo, dizendo-lhes que não são capazes de realizar uma determinada atividade ou comportamento.

Reflita: Por trás de toda criança difícil há uma emoção que ela não sabe expressar

Efeitos nas crianças

Mães superprotetoras, efeitos nas crianças

Em resumo, as mães superprotetoras não permitem que seus filhos enfrentem os problemas ou dificuldades que lhes são apresentados; nem resolvê-los naturalmente, o que impede a aprendizagem por tentativa e erro.

Por isso as crianças não desenvolvem estratégias de enfrentamento, as quais lhes permitirão ser mais resilientes ao longo de suas vidas. Mas essas consequências não são as únicas.

Por exemplo, a superproteção impede que as crianças evoluam socialmente; que não possam ser autônomos e independentes, que desenvolvem sentimentos de insegurança, medo e pouco valor. Também se tornam dependentes material e afetivamente, e assim tenham dificuldade em tomar suas próprias decisões.

Obviamente, todas essas circunstâncias têm como consequências prováveis, ​​a tendência ao pessimismo e ao pensamento negativo, bem como uma maior predisposição para sofrer transtornos afetivos, e até mesmo depressão.

Como você vê, de uma maneira irônica, as mães superprotetoras em seu desejo de evitar a todo custo que seus filhos sofram, causam-lhes um grande dano a longo prazo. É possível evitar esses comportamentos destrutivos?

Como evitar ser mães superprotetoras

Há várias razões pelas quais pais e mães demonstram atitudes superprotetoras. Algumas têm a ver com prolongar o período natural de dependência das crianças nos primeiros anos de vida; outras estão relacionadas ao desejo dos pais de fazer com que os filhos os amem.

Algumas outras razões estão relacionadas a um sentimento de culpa, seja por não querer mais filhos, ou por não gastar tempo suficiente com eles. Ou, por padrões de educação que foram herdados de outras gerações da família.

Trabalhar o interior

Qualquer que seja a razão, é necessário um trabalho interior para lidar de maneira mais eficiente com os impulsos e sentimentos internalizados. Isso é necessário para determinar as causas que levam as mães a agir de maneira superprotetora.

Obviamente, isso é um processo que requer ajuda profissional. Da mesma forma, leva tempo e esforço, uma vez que é uma parte da personalidade de uma pessoa. No entanto, aqui estão algumas dicas que podem ajudar, se você fizer parte do grande grupo de mães superprotetoras.

Assimile os danos para você e seus filhos

Como indicado acima, o desejo das mães superprotetoras é cuidar bem de seus filhos. Ao conhecer e compreender as repercussões negativas de tal comportamento será mais fácil identificar e modificar comportamentos perniciosos. Para isso, é vital aprender mais profundamente, e conhecer casos de vida que funcionam como uma rede de apoio, e como conselheiros.

Aprenda a confiar em si mesmo e nos outros

As mães superprotetoras são carinhosas

Em muitos casos a superproteção vem da insegurança, e do medo que surgem de novas experiências. Deve-se notar que é preciso ter confiança em si mesmo para aprender a confiar nos outros. De fato, cultivar a autoconfiança é o melhor remédio para não transferir a insegurança para as crianças.

Para trabalhar neste ponto é necessário reconhecer-se com medo e inseguro; isso servirá para desenvolver um plano de ação em caso de enfrentar situações perigosas. Em vez de impedir que as crianças enfrentem seus problemas é necessário ensiná-las como fazê-lo.

Isso requer uma boa informação, e explicar à criança como se comportar nesses casos. Quando preparadas, as crianças aprenderão a se defender por si mesmas, mesmo que estejam sozinhas. Além disso, tanto as mães superprotetoras quanto seus filhos, se sentirão menos ansiosas, e mais confiantes.

Continue lendo: Técnicas de Montessori para canalizar a raiva e o nervosismo das crianças

Ajudar sim, mas somente quando necessário

Quando eram bebês, os pequeninos eram totalmente dependentes. No entanto, pouco a pouco devem cultivar a força e a inteligência para aprender por si mesmos a buscar as soluções ou ajuda necessária.

Isso não significa que os pais devam deixá-los sozinhos diante do mundo. Em vez disso, seu trabalho deve se concentrar em ensinar, acompanhar, e apoiar as crianças. Em que momento? Quando estão em perigo ou cometem erros que não podem ser recuperados.

Por outro lado, é importante dar-lhes espaço e permitir que cometam erros; desta forma, as crianças aprenderão a ser autônomas e independentes.

A especialista Amanda Morin, ressalta que para um pai ou mãe é mais fácil resolver a vida das crianças do que ensiná-las a serem independentes. Enfatiza que ser apenas protetor é a maneira mais eficaz e satisfatória de ajudar as crianças a aprenderem a viver. Definitivamente, o bem-estar dos pequenos vale todo o esforço.