Kratom: é seguro para controlar os vícios?

O kratom tornou-se popular como um suplemento que ajuda a superar vícios. No entanto, seus efeitos são controversos.
Kratom: é seguro para controlar os vícios?

Última atualização: 04 julho, 2022

O kratom, com o nome científico Mitragyna speciosa, é uma árvore perene que pertence à mesma família do café. Cresce em partes da África e do Sudeste Asiático, mas é comercializado como suplemento em muitas outras partes do mundo.

Em particular, é valorizado como um suplemento para acalmar os sintomas de abstinência de drogas, reduzir a dor e suprimir o apetite. No entanto, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA desaprovou seu uso e emitiu vários avisos sobre seu consumo. O que você deve saber sobre isso?

O que é kratom e quais são seus efeitos?

Kratom (Mitragyna speciosa) é uma planta da família Rubiaceae, a mesma à qual pertence o café. É comumente cultivada em países como Tailândia, Malásia, Indonésia e Papua Nova Guiné, e é distribuída em todo o mundo na forma de cápsulas, extratos e pós.

Seu uso na medicina tradicional remonta ao século XIX, mas tem aumentado nas últimas décadas devido à disseminação de seus efeitos terapêuticos contra os sintomas de abstinência de drogas. Especificamente, tornou-se popular como um suplemento para afastar as pessoas de drogas potencialmente perigosas, como heroína e opiáceos.

Estima-se que contenha mais de 40 compostos e 25 alcalóides, entre os quais se destacam a mitraginina e a 7-hidroximitraginina. Estes últimos estão associados aos seus efeitos eufóricos e estimulantes. Acredita-se, inclusive, que tenham potencial como analgésico e anti-inflamatório.

Conforme explicado em uma publicação publicada no National Institute on Drug Abuse (NIDA), os efeitos do kratom se assemelham aos dos opioides. Para ser mais exato, seus principais compostos ativos interagem com os receptores opioides no cérebro e geram um efeito sedativo e prazeroso. Eles também reduzem a dor.

No entanto, seu uso é atualmente motivo de controvérsia.

Enquanto seus defensores se opõem à proibição, entidades como a FDA alertam que há evidências suficientes para considerá-la uma substância viciante e perigosa. E embora seu uso já tenha sido proibido em muitos países, ainda é relativamente fácil comprá-lo em forma de suplemento através de lojas de ervas e online. Mas, quais são os riscos de consumir essa planta e seus derivados?

planta de kratom.
A planta é da mesma família do cafeeiro. Tem ação nos receptores opioides.

Riscos de consumir kratom

Por muitos anos, tomar suplementos de kratom foi sugerido como uma “opção segura” para substituir os opioides e outros analgésicos. Daí a sua popularidade entre os pacientes com dependência de drogas.

No entanto, como aponta um artigo publicado na Substance Abuse and Rehabilitation, pesquisas sobre seus efeitos detectaram problemas de segurança que superam até mesmo os benefícios atribuídos a ela.

Entre 2011 e 2017, os centros de controle de intoxicações nos Estados Unidos receberam cerca de 18.000 relatos da ingestão dessa planta. A partir daí, vários relatos foram associados a óbitos e outros efeitos negativos, como aumento da pressão arterial, convulsões e sintomas de abstinência.

Os efeitos colaterais aumentam com doses maiores da planta. De acordo com a Clínica Mayo, algumas reações são as seguintes:

  • Lesão hepática.
  • Perda de peso.
  • Dores musculares.
  • Boca seca.
  • Mudanças nos hábitos de micção.
  • Náuseas, vômitos e calafrios.
  • Distúrbios do sistema nervoso, manifestados por tontura, sonolência, alucinações, depressão e convulsões.
  • Morte.

Além do exposto, há também a preocupação com os efeitos negativos causados pela interação com determinados medicamentos. Um estudo recente publicado no Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics determinou que sua ingestão simultânea com drogas pode até causar a morte.

Em particular, interações medicamentosas perigosas foram identificadas quando o kratom é consumido com drogas que estimulam o sistema nervoso central, como benzodiazepínicos, barbitúricos, álcool, opioides, antidepressivos e ansiolíticos, entre outros.

Outras preocupações

Paciente com síndrome de abstinência de kratom.
A síndrome de abstinência de Kratom pode levar a sintomas graves que afetam o sistema nervoso central.

O que lembrar sobre o kratom?

Embora na medicina tradicional o kratom fosse utilizado contra vícios, dores e fadiga, existem atualmente vários alertas sobre os riscos associados ao seu consumo. Estudos científicos sugerem que seus efeitos colaterais superam os possíveis benefícios.

Portanto, há uma preocupação quanto ao seu uso e distribuição como suplemento. Embora sua comercialização tenha sido proibida em muitos países, ainda é possível adquiri-lo com relativa facilidade. Além disso, há quem continue argumentando que seu consumo é seguro e que representa uma opção para superar vícios.

A verdade é que este tema ainda é controverso. Por enquanto, é melhor evitar sua ingestão e optar por outras estratégias terapêuticas quando se trata de combater a síndrome de abstinência e doenças. Alternativas mais seguras de tratamento podem ser avaliadas em consulta médica.

Pode interessar a você...
Benefícios de beber chá ou café depois de comer
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Benefícios de beber chá ou café depois de comer

Chá e café são duas boas alternativas para consumir depois de comer. Eles fornecem antioxidantes de alta qualidade.



  • Eastlack SC, Cornett EM, Kaye AD. Kratom-Pharmacology, Clinical Implications, and Outlook: A Comprehensive Review. Pain Ther. 2020;9(1):55-69. doi:10.1007/s40122-020-00151-x
  • Todd, D.A., Kellogg, J.J., Wallace, E.D. et al. Chemical composition and biological effects of kratom (Mitragyna speciosa): In vitro studies with implications for efficacy and drug interactions. Sci Rep 10, 19158 (2020). https://doi.org/10.1038/s41598-020-76119-w
  • Kratom. (April 2019). National Institute on Drug Abuse (NIDA).
    Available in https://nida.nih.gov/sites/default/files/drugfacts-kratom-spanish.pdf
  • Veltri C, Grundmann O. Current perspectives on the impact of Kratom use. Subst Abuse Rehabil. 2019;10:23-31. Published 2019 Jul 1. doi:10.2147/SAR.S164261
  • Swogger MT, Hart E, Erowid F, Erowid E, Trabold N, Yee K, Parkhurst KA, Priddy BM, Walsh Z. Experiences of Kratom Users: A Qualitative Analysis. J Psychoactive Drugs. 2015 Nov-Dec;47(5):360-7. doi: 10.1080/02791072.2015.1096434. Epub 2015 Nov 23. PMID: 26595229.
  • Tanna RS, Tian DD, Cech NB, Oberlies NH, Rettie AE, Thummel KE, Paine MF. Refined Prediction of Pharmacokinetic Kratom-Drug Interactions: Time-Dependent Inhibition Considerations. J Pharmacol Exp Ther. 2021 Jan;376(1):64-73. doi: 10.1124/jpet.120.000270. Epub 2020 Oct 22. PMID: 33093187; PMCID: PMC7745086.
  • Grundmann, O. Veltri, C, A. Salari, M. (March 2019). Sheet for Healthcare Professionals. Available in https://nd.az.gov/sites/default/files/news/Kratom.pdf
  • Fluyau D, Revadigar N. Biochemical Benefits, Diagnosis, and Clinical Risks Evaluation of Kratom. Front Psychiatry. 2017;8:62. Published 2017 Apr 24. doi:10.3389/fpsyt.2017.00062
  • Wright, M.E., Ginsberg, C., Parkison, A.M. et al. Outcomes of mothers and newborns to prenatal exposure to kratom: a systematic review. J Perinatol 41, 1236–1243 (2021). https://doi.org/10.1038/s41372-021-00952-8
  • Multistate Outbreak of Salmonella Infections Linked to Kratom (Final Update). (February 20, 2018). Centers for Disease Control and Prevention. Available in https://www.cdc.gov/salmonella/kratom-02-18/index.html
  • LaBryer L, Sharma R, Chaudhari KS, Talsania M, Scofield RH. Kratom, an Emerging Drug of Abuse, Raises Prolactin and Causes Secondary Hypogonadism: Case Report. J Investig Med High Impact Case Rep. 2018;6:2324709618765022. Published 2018 Mar 16. doi:10.1177/2324709618765022
  • Tayabali, Khadija et al. “Kratom: a dangerous player in the opioid crisis.” Journal of community hospital internal medicine perspectives vol. 8,3 107-110. 12 Jun. 2018, doi:10.1080/20009666.2018.1468693