Intubação com estilete com luz: prós e contras

7 de outubro de 2019
Um dos aspectos mais chamativos da intubação com estilete com luz é que é fácil de usar e o procedimento é rápido.

A intubação com estilete com luz, também chamado de estilete iluminado, é uma técnica versátil e muito eficiente. Em suma, serve para intubação oral ou nasal em pacientes adormecidos ou acordados. Também demonstrou uma eficácia de 99% em mãos experientes.

Os princípios da intubação com estilete com luz foram descritos pelos doutores MacIntosh e Richards em 1957. Desde então, foram realizados grandes avanços nos estiletes, visto que se tornaram ferramentas de uso frequente na prática anestésica.

O que é o estilete com luz?

Intubação endtraqueal

O estilete iluminado é um dispositivo que é composto por três partes: um cabo reutilizável, um estilete retrátil rígido e um tubo de plástico flexívelAlém disso, o tubo é uma varinha maleável que tem um foco de luz muito brilhante em uma de suas extremidades.

Graças a essa propriedade luminosa do tubo, é possível que a intubação seja realizada em condições normais, ou de baixa iluminação, ou às cegas. Por outro lado, o estilete adota a forma de um bastão de hóquei, o que facilita sua introdução.

Os estiletes comumente usados são de um metal maleável e são recobertos por plástico. Ademais, têm a ponta obtusa. Por isso, devem ser colocados no interior do tubo endotraqueal, de tal modo que a ponta não ultrapasse a parte extrema do tubo. Ainda, trazem rigidez ou forma ao tubo endotraqueal.

Não deixe de ler também: Conheça o tratamento da pneumonia

Intubação com estilete luminoso

Para realizar a intubação com estilete luminoso é preciso basicamente do estilete e dos tubos traqueais apropriados. Primeiramente, deve-se comprovar a qualidade da luz do estilete e verificar o pneumotamponamento do tubo.

Em seguida, deve-se lubrificar o tubo e a zona distal do estilete. Depois, introduzir o estilete no tubo orotraqueal e formar um ângulo de 90 º. O paciente deve estar com a cabeça em posição neutra e o reanimador deve estar na cabeceira deste.

A técnica consiste em sedar, caso necessário, pré-oxigenar e, em seguida, realizar as seguintes ações:

Indicações para a intubação com estilete com luz

Esse tipo de intubação é realizado em pacientes com via aérea difícil. Além disso, pode ser combinada com outras técnicas de manejo da via aérea. Ajuda na laringoscopia direta, na intubação com máscaras e na retrógrada. Adicionalmente, a intubação com estilete luminoso é indicada nos seguintes casos:

  • Quando o paciente apresenta má formações na via aérea.
  • Em adultos que apresentam limitações na abertura bucal, ou mobilidade cervical contraindicada ou reduzida.
  • No caso de intubação nasotraqueal.

A intubação com estilete luminoso é um método adequado nos casos de urgências ou de atenção extra-hospitalar. Isso devido ao fato de que o aprendizado da técnica é muito simples, assim como sua aplicação.

Talvez te interesse ler: 6 hábitos que danificam a saúde pulmonar

Contraindicações

Existem algumas contraindicações para realizar a intubação com estilete luminoso que são relativas. Ou seja, é preciso avaliá-las em função das circunstâncias. Tais contraindicações são a obesidade mórbida e a presença de luz solar. As contraindicações propriamente ditas para o uso do método são:

  • Presença de tumores, pólipos ou abscesso retrofaríngeo.
  • Presença de algum corpo estranho na via aérea superior.
  • Politraumatismos em que haja uma lesão faríngea considerável.
  • Que haja outros tecidos frágeis (ou seja, que se amassam ou se pulverizam com facilidade) no trajeto da intubação.

Esta técnica de intubação é mais eficaz quando se coloca um travesseiro abaixo da cabeça e outro abaixo dos ombros do paciente para elevar o pescoço. Ainda, há maior eficiência quando a luz ambiental é escassa.

A intubação com estilete com luz raramente gera complicações. Somente em poucos casos apresenta traumatismo da via aérea ou luxação das cartilagens aritenoides. Por fim, deve-se ter cuidado para não desarticular o estilete ou algum de seus componentes durante o procedimento.

  • Hung-OR, Stewart-RD. Lightwand intubation: I A new lightwand device. Can-J-Anaesth. 1995 Sep; 42(9): 820-25.
  • Hung-OR, Pytka-S, Morris-I, Murphy-M, Stewart-RD Lightwand intubation: II Clinical trial of a new lightwand for tracheal intubation in patient with difficult airways. Can-J-Anaesth. 1995 Sep; 42(9): 826-30.
  • Davis, L., Cook-Sather, S. D., & Schreiner, M. S. (2000). Lighted stylet tracheal intubation: A review. Anesthesia and Analgesia. https://doi.org/10.1097/00000539-200003000-00044