Interpretação dos sopros cardíacos

19 Dezembro, 2019
A interpretação dos sopros cardíacos dependerá de uma série de características que eles possam apresentar. Essas qualidades são encontradas ao realizar a ausculta do paciente.

Os sopros cardíacos são o motivo de consulta mais frequente na cardiologia pediátrica. A maioria dos casos é encaminhada a partir da consulta pediátrica na atenção básica, e é aí que surgem as primeiras dúvidas sobre a natureza do sopro: funcional ou orgânico.

Os sopros cardíacos são resultado de turbulência no fluxo sanguíneo. Essas turbulências produzem ondas sonoras que podem ser ouvidas por um instrumento chamado estetoscópio. Alguns sopros, de fato, podem ser ouvidos diretamente com o ouvido.

No entanto, em uma criança sem antecedentes e sem sintomas de uma doença, o diagnóstico de sopro cardíacos pode ser feito com ausculta. A precisão do diagnóstico depende em grande parte da acuidade do médico que realiza a ausculta.

Características dos sopros cardíacos

Representação do coração
Os sopros refletem turbulência no fluxo sanguíneo que pode ocorrer devido a inúmeras causas.

Para interpretar corretamente os sopros cardíacos, é importante estar sistematicamente ciente dos componentes do ciclo cardíaco. Deve-se notar também que tanto os movimentos respiratórios quanto as alterações posturais e certas manobras podem fornecer informações importantes.

Quando os sopros cardíacos estão presentes durante o exame cardíaco, uma série de aspectos que os caracterizam deve ser levada em consideração:

  • Localização no ciclo cardíaco: elas devem estar localizadas e relacionadas aos sons do coração. Assim, distinguem-se sopros sistólicos, diastólicos e contínuos.
  • Intensidade: sopros cardíacos se graduam de acordo com a intensidade. Embora uma escala de 6 graus possa ser feita, o mais comum é fazer uma de 4.
  • Localização: é útil identificar o local de intensidade máxima do sopro, pois é o que muitas vezes orientará o diagnóstico.
  • Irradiação: é a transmissão do sopro do foco de intensidade máxima para outra área.
  • Duração: de acordo com sua extensão na sístole e na diástole, fala-se de sopros curtos ou longos.
  • Morfologia: é o aspecto dinâmico da respiração.
  • Timbre: característica sonora causada pela presença de harmônicos ou conotações musicais, rudes, expiratórias, etc.

Classificação dos sopros cardíacos de acordo com a intensidade

Como mencionamos, os sopros podem ser classificados em 4 graus:

  • Grau 1/4: ouvido com alguma dificuldade.
  • 2/4: ouvido ao colocar o estetoscópio no peito.
  • 3/4: muito fácil de ouvir, pois é intenso.
  • 4/4: É acompanhado por um frêmito palpável ou vibração na parede torácica.

Também pode te interessar: Métodos diagnósticos de fibrilação atrial

Tipos de sopros cardíacos

Representação cardíaca com cardiograma

Sistólicos

Os sopros sistólicos aparecem durante a sístole, como o nome indica. Por sua vez, eles podem ser classificados em 4 tipos: pansistólico, ejetivo, protossistólico e meso ou telesistólico.

Os sopros pan-sistólicos ocupam toda a sístole sem variar sua morfologia, que é retangular. Além disso, eles geralmente desaparecem por insuficiência das válvulas atrioventriculares e na maioria das comunicações interventriculares.

Por outro lado, os ejetores são sopros romboides e são auscultados quando o paciente sofre de estenose nas vias de saída ventricular ou nas válvulas pulmonares ou aórticas.

Quanto aos protossistólicos, eles começam quando as válvulas atrioventriculares são fechadas e sua intensidade diminui até terminar antes do fechamento das válvulas sigmóides. Eles são característicos de pequenas comunicações interventriculares musculares.

Por fim, os sopros cardíacos meso ou telesistólicos são curtos. Eles estão localizados no meio e no final da sístole, respectivamente. Geralmente estão associados a uma patologia leve da válvula mitral.

Leia também : É possível morrer de um coração partido?

Diastólicos

São ruídos produzidos durante a diástole. Qualquer sopro diastólico isolado é patológico. Eles podem ser classificados da seguinte forma:

  • Protodiastólico: são curtos e de intensidade decrescente. Eles são produzidos pela insuficiência das válvulas sigmóides.
  • Mesodiastólico: têm uma forma romboide e ocupam o centro da diástole. Eles são produzidos por um aumento no fluxo através das válvulas atrioventriculares.

Contínuos

Por fim, trazemos esses sopros que se originam na sístole e terminam na diástole. Eles ocorrem quando há uma comunicação entre um vaso arterial e um venoso. Sopros funcionais ou inocentes são os mais frequentes.

Esse tipo de sopro é auscultado em metade das crianças, embora esse percentual possa aumentar para 80% se a exploração for realizada em situações que aumentam a frequência cardíaca.

Excluem, por definição, a existência de quaisquer sintomas suspeitos de doença cardiovascular. Alguns dos sopros funcionais mais comuns são sopro sistólico vibratório de Still, ejeção pulmonar, sopro de ejeção aórtica e zumbido venoso.

Em suma, estar ciente da existência dos sopros e seu modo de detecção sempre será útil. Eles são geralmente encontrados na infância, mas geralmente não causam grandes problemas.

  • Ruiz-Berdejo Iznardi, C. (2015). Soplo sistólico inocente: importancia diagnóstica. Cardiología Pediátrica y Cardiopatías Congénitas Del Niño y Del Adolescente.
  • Tamariz-Martel Moreno, R. (2016). Auscultación cardiaca. Pediatria Integral.
  • Pineda, L. F., & Zea, M. L. (2005). Exploración cardiológica. AEPAP.