O que é a hipocondria?

Na hipocondria, a pessoa tem a sensação de estar doente o tempo todo. É um quadro clínico psicológico que requer acompanhamento adequado. Neste artigo, explicamos do que se trata e quais são as opções de tratamento.
O que é a hipocondria?

Última atualização: 20 Agosto, 2020

A hipocondria também é conhecida como transtorno somatoforme. É uma situação clínica psicológica em que a pessoa acredita estar doente com uma patologia muito grave ou se preocupa de maneira excessiva com a sua saúde, acreditando que vai ficar doente.

Essa preocupação do paciente hipocondríaco o faz interpretar qualquer sinal ou sintoma, real ou imaginário, como algo grave. O próprio estado de saúde se torna uma obsessão.

Em diferentes graus, a hipocondria afeta até dez por cento da população. É mais comum em ambientes familiares onde um ou mais membros sofrem com isso. Embora não haja transmissão genética da hipocondria, pode-se dizer que existem ecossistemas familiares mais conscientes da doença do que outros.

Historicamente, a definição de hipocondria remonta à Grécia Antiga. Os alunos de Hipócrates, considerado o primeiro médico, já a descreviam em seus textos. Frequentemente, eles a associavam a estados de melancolia e tristeza.

Essa associação com aspectos depressivos não está errada, assim como não está errado quando a hipocondria é associada a estados de ansiedade e angústia. Embora não sejam a mesma coisa, as síndromes podem ocorrer em combinação.

Também é importante diferenciar a hipocondria da patofobia. Na patofobia, a pessoa tem medo de ter uma doença grave, razão pela qual evita a todo custo consultas médicas e exames. Ela desconfia de que os resultados serão trágicos.

O hipocondríaco, em contrapartida, aumenta suas consultas e a realização de exames porque está convencido de que sua doença, seja ela qual for, existe e ninguém a encontra. Ele passa por diversos profissionais em busca de um diagnóstico que, em geral, nunca recebe.

Quais são as características da hipocondria?

Mulher em consulta médica
Embora a hipocondria não seja uma forma de transtorno de ansiedade, os pacientes que a apresentam são ansiosos.

A personalidade do paciente com hipocondria tem determinadas características e componentes que são comuns:

  • Obsessão com o corpo: o hipocondríaco verifica constantemente seu corpo em busca de sinais de doenças graves.
  • Preocupação com notícias sobre saúde: essas pessoas buscam notícias relacionadas a questões de saúde procurando a ligação entre essas notícias e a sua própria situação, imaginando que qualquer surto, epidemia ou aumento da prevalência de uma doença as inclua.
  • Verbalização de sintomas fictícios: na hipocondria, o tema das conversas é sempre sobre doenças, estudos a serem realizados, possibilidade de adoecer e consequências médicas.
  • Estado de ansiedade: embora a hipocondria não seja uma forma de transtorno de ansiedade, na verdade diz respeito a pessoas ansiosas. Elas vivem em um estado de possível antecipação da gravidade de uma doença que poderiam sofrer.
  • Consultas médicas excessivas: o hipocondríaco faz muitas consultas com profissionais da saúde e tende a mudar repetidamente de médico. Ele procura alguém que diagnostique o que já foi autodiagnosticado por ele mesmo.
  • Perda da vida social: como sua vida gira em torno da doença, o hipocondríaco se afasta das atividades sociais e dos círculos familiares e de amizades. Isso tem um impacto negativo porque cria barreiras para a aproximação e o acompanhamento da sua obsessão.

Fatores de risco da hipocondria

Como todas as doenças, sabe-se que existem fatores que tornam uma pessoa mais predisposta a ser hipocondríaca. Esses são os chamados fatores de risco. Isso não significa que a presença desses fatores garanta a existência da hipocondria, mas eles a favorecem.

Um dos fatores de risco é ter passado pela má experiência de erros médicos em sua própria vida ou na de parentes próximos. Resta, então, a sensação de que o médico sempre pode cometer erros e deixar passar uma doença grave.

Como já mencionamos, o ambiente familiar também é um fator de risco. Existem famílias hipocondríacas onde, desde a infância, a pessoa recebe mensagens sobre a gravidade das doenças e dos sintomas. Também são famílias que reagem de forma exagerada a certos sinais de doenças comuns.

Tanto o ambiente familiar quanto o ambiente social ao redor podem estimular crenças equivocadas sobre a saúde nas pessoas. Elas podem tratar como grave algo que não é.

Tratamento

Jovem fazendo terapia
O tratamento da hipocondria se baseia principalmente nas terapias cognitivo-comportamentais do paciente. Com elas, pretende-se que a pessoa possa acabar com a angústia que sente em relação às doenças.

Até o momento, os tratamentos que têm se mostrado mais eficazes para a hipocondria são as terapias da abordagem cognitivo-comportamental. Claro, desde que sejam realizadas por profissionais capacitados nessa área.

O objetivo da terapia é que a pessoa consiga se libertar da angústia causada pela obsessão com a doença e, ao mesmo tempo, deixar de realizar as práticas obsessivas. É necessário seguir uma rotina diária onde nem tudo gire ao redor da possibilidade de ficar doente.

Em geral, as terapias cognitivo-comportamentais propõem ao paciente tarefas a serem realizadas. Entre elas, está a limitação das consultas médicas e procurar não falar sobre doenças.

O tratamento pode avançar se houver colaboração do círculo íntimo da pessoa. Caso contrário, é muito difícil obter resultados. O acompanhamento de pessoas próximas é um ponto-chave para o sucesso do tratamento.

Pode interessar a você...
Por que os japoneses vivem mais?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Por que os japoneses vivem mais?

Por que os japoneses vivem mais? Neste artigo, revelamos como podemos seguir seus ensinamentos para tornar nossa vida mais saudável.



  • Rodríguez, Concepción Fernández, and Rafael Fernández Martínez. “Tratamientos psicológicos eficaces para la hipocondría.” Psicothema 13.3 (2001): 407-418.
  • VOLICH, RUBENS MARCELO. Hipocondria. Casa do Psicólogo, 2002.
  • Salkovskis, Paul M., and Katharíne A. Rimes. “El enfoque cognitivo-comportamental para la ansiedad por la salud (” Hipocondría”).” Revista de Psicopatología y Psicología Clínica 2.2 (1997): 111-122.
  • Abramowitz, J. S., Olatunji, B. O., & Deacon, B. J. (2007). Health Anxiety, Hypochondriasis, and the Anxiety Disorders. Behavior Therapy38(1), 86–94. https://doi.org/10.1016/j.beth.2006.05.001
  • Bouman, T. K. (2007). Hypochondriasis. In Obsessive-Compulsive Disorder: Subtypes and Spectrum Conditions (pp. 196–211). Elsevier Ltd. https://doi.org/10.1016/B978-008044701-8/50013-9
  • Barsky, A. J., & Ahern, D. K. (2004). Cognitive Behavior Therapy for Hypochondriasis. JAMA291(12), 1464. https://doi.org/10.1001/jama.291.12.1464
  • Hart, J., & Björgvinsson, T. (2010). Health anxiety and hypochondriasis: Description and treatment issues highlighted through a case illustration. Bulletin of the Menninger Clinic. Guilford Publications. https://doi.org/10.1521/bumc.2010.74.2.122