Hiperosmia, a sensibilidade excessiva a odores

O aumento da sensibilidade aos odores pode ser visto como um benefício, mas aqueles com esse problema acabam sofrendo. Embora seja uma condição rara, faz parte de outros distúrbios do sentido do olfato.
Hiperosmia, a sensibilidade excessiva a odores

Última atualização: 14 Abril, 2021

A sensibilidade excessiva a odores é um distúrbio incomum, mas em algumas pessoas se expressa de forma incipiente. Muitos de nós conhecemos pessoas que percebem claramente os odores de uma forma intensificada. Não é exatamente um dos sentidos do qual você pode tirar o máximo proveito. Portanto, quem nasce ou passa por um período de hiperosmia vê sua qualidade de vida diminuída.

O nome hiperosmia deriva do grego. Esta é uma palavra composta por duas partes menores: hiper – que significa algo aumentado – e osmia – que é cheiro. Portanto, hiperosmia é o aumento da sensibilidade aos odores, ou seja, o olfato excessivo.

Não deve ser confundida com o aumento da sensibilidade mais comum, como o que ocorre na gravidez. Na hiperosmia diagnosticada, ocorre uma diminuição do limiar olfatório. A redução do limite reduz a concentração de substâncias necessárias no ar para detectar um odor.

A hiperosmia é muito rara. Não existem estatísticas confiáveis ​​para saber ao certo quantos afetados existem no mundo. São mais conhecidos os dados sobre o distúrbio oposto, a anosmia – perda do olfato – que está em torno de 0,3% da população.

Os transtornos de sensibilidade a odores

Como já mencionamos, a hiperosmia é mais uma situação anormal dentro do espectro dos distúrbios da sensibilidade a odores. No outro extremo está a anosmia, como dissemos.

O conjunto desses distúrbios é chamado de disosmia e é composto por:

  • Hiperosmia: é a situação que analisaremos neste artigo, uma sensibilidade excessiva aos odores.
  • Parosmia: é outra condição rara em que o cérebro não identifica os odores corretamente e atribui uma característica à outra. Um perfume agradável pode ser considerado desagradável por essas pessoas.
  • Fantosmia: é uma alucinação do olfato. Quem sofre desse transtorno acredita sentir o cheiro de algo que não está realmente ali e que, na realidade, seria impossível perceber.
  • Anosmia: é a falta de percepção do olfato.
Sentido do olfato

Causas fisiológicas da hiperosmia

O aumento da sensibilidade a odores pode aparecer em situações fisiológicas, ou seja, no curso de eventos normais. Para muitos especialistas, não deve ser chamada de hiperosmia nesses casos, mas de sensibilidade aumentada.

O melhor exemplo é a gravidez. Principalmente no primeiro trimestre da gestação, as mulheres aumentam a percepção dos cheiros a ponto de um simples aroma poder provocar as náuseas típicas desse período.

A evolução normal e natural da hiperosmia da gravidez é que ela tende a desaparecer com o passar das semanas. São os mesmos movimentos hormonais que determinam seu aparecimento e seu posterior desaparecimento. Em algumas mulheres grávidas, o sintoma as acompanha por nove meses. São casos excepcionais que podem estar associados à hiperêmese gravídica, que se manifesta com vômitos repetidos e risco de desidratação.

Duas outras situações fisiológicas de aumento da sensibilidade aos odores são a menopausa e os horários antes das refeições. Na menopausa, a explicação se dá novamente pelas alterações hormonais. Antes das refeições, por outro lado, o aumento da sensibilidade aos odores é um fato instintivo que estimula o apetite.

Causas patológicas da hiperosmia

A rigor, a hiperosmia é diagnosticada quando a sensibilidade aos odores é aumentada por razões patológicas. Entre essas causas, temos:

  • Tumores cerebrais: se o desenvolvimento de um tumor no cérebro estiver localizado nas áreas que regulam o cheiro, ele pode afetá-lo.
  • Fibrose cística: a fibrose cística é uma doença que tende a se localizar no pulmão e no pâncreas. No entanto, por afetar várias glândulas e produzir muco excessivo, ela obstrui as vias aéreas, alterando o cheiro.
  • Hipertireoidismo: uma associação entre hipertireoidismo e hiperosmia foi encontrada quando as duas patologias estão enquadradas na doença de Graves-Basedow.
  • Doença de Lyme: esta patologia é uma infecção por uma bactéria. O micro-organismo se insere no corpo humano por meio de picadas de carrapatos. Os sintomas gerais lembram os da gripe e, entre os sinais, destaca-se a possibilidade de desenvolver hiperosmia.
  • Deficiência de vitamina B12: quando os níveis de vitamina B12 caem, o sistema nervoso é afetado. Se a infecção envolver os nervos do sentido do olfato, a hiperosmia pode surgir.
Causas patológicas da hiperosmia

Conclusão

Se você sentir que a sua sensibilidade aos odores aumentou, é mais provável que seja um fato fisiológico ou um pequeno aumento particular no seu sentido do olfato. Você não deve se preocupar. No entanto, se você acha que seu olfato está excessivamente potente e acredita que a sua qualidade de vida diminuiu, consulte um médico. Algumas perguntas do profissional e alguns exames podem orientá-lo no diagnóstico.

Pode interessar a você...
O que é adenoma hipofisário?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
O que é adenoma hipofisário?

O adenoma hipofisário é relativamente comum. Em geral é um tumor benigno e de crescimento lento e pode ser tratado de diferentes maneiras. Confira!



  • Finelli PF, Mair RG (2008). Disturbances of smell and taste. En: Bradley WG, Daroff RB, Fenichel Gm, Jankovich J (Eds). Neurology in clinical practice, (pp 263-270). Philadelphia: Elsevier.
  • Harris, T. “A Case of Hyperosmia.” Ann. Otol., St. Louis 16 (1907): 74-76.
  • Kanwar, S. “Hyperosmia and hyposmia (First report) with burning mouth syndrome: case report.” Reactions 1628 (2016): 310-19.