Gastrite nervosa: causas, sintomas e remédios caseiros

Você sabia que seu estado mental também pode influenciar o aparecimento da gastrite? Um excesso de preocupação, estresse ou ansiedade aumenta a produção de ácidos gástricos e causa danos à mucosa digestiva.

Última atualização: 30 Janeiro, 2021

A gastrite nervosa é uma doença causada principalmente por estresse ou ansiedade, que pode afetar o estômago e inflamar a mucosa gástrica. É caracterizada por ser um distúrbio emocional muito comum que afeta muitas pessoas e produz sintomas identificáveis, como náuseas, azia ou dor de estômago.

Além disso, a gastrite nervosa pode ser aguda ou crônica. A gastrite aguda aparece de repente e é muito intensa, enquanto a gastrite crônica pode durar anos se não for tratada. Uma forma menos comum da doença é a gastrite erosiva que, em geral, não causa muita inflamação, mas pode provocar hemorragias e úlceras no revestimento do estômago.

A inflamação pode ser causada por muitos fatores, como infecção, estresse, lesões ou distúrbios do sistema imunológico. Diferentes estudos confirmaram que o estresse emocional e a depressão podem influenciar o desenvolvimento de distúrbios gastrointestinais, como a gastrite nervosa. Contudo, felizmente essa doença pode ser tratada em casa com alguns remédios naturais.

Causas da gastrite nervosa

A gastrite nervosa pode ser causada por qualquer um dos seguintes fatores:

  • Estresse
  • Ansiedade
  • Refluxo biliar
  • Dieta fraca
  • Consumo excessivo de álcool e cigarro
  • Infecções causadas por alergias ou vírus

No entanto, você deve saber que, além desses fatores, a gastrite nervosa é gerada principalmente pelo aparecimento de uma bactéria chamada Helicobacter pylori, que é agravada pelos sintomas mencionados.

Essa bactéria habita entre 60 e 80% dos estômagos da população. Geralmente é assintomática, mas pode prejudicar a proteção da barreira da mucosa gástrica. A seguir falaremos mais sobre isso.

Recomendamos que leia também: 8 sucos naturais para combater a gastrite

Sintomas da gastrite nervosa

Os sintomas da gastrite nervosa podem variar de pessoa para pessoa. Entre os mais comuns, encontram-se:

  • Acidez.
  • Náuseas.
  • Vômito.
  • Indigestão.
  • Perda de apetite.
  • Dor abdominal.
  • Mal-estar estomacal.
  • Fezes pretas.
  • Sensação de queimação ou ardência no estômago.

Tratamento para gastrite nervosa

Para tratar essa doença, considera-se essencial seguir uma dieta saudável e leve que ajude a regular os sintomas. Isso significa que você deve incluir em suas refeições vegetais, frutas, carne, peixe, sopa, arroz e muita água, entre outras coisas.

Ao mesmo tempo, estar bem no que diz respeito ao campo emocional também é importante para melhorar a gastrite. O fato de manter um equilíbrio mental ajuda o corpo a se recompor e, assim, alcançar uma harmonia entre corpo e mente, a fim de funcionar de maneira saudável.

Assim, você vai precisar aprender, entre outras coisas, a controlar o estresse, já que ele é responsável por aumentar a produção de ácido gástrico e deteriora a membrana mucosa do estômago. Por outro lado, o esporte é a melhor solução para eliminar o estresse e estimular a produção de endorfinas.

Além disso, recomendamos limitar o consumo de analgésicos. Se você sofre episódios de gastrite nervosa e vai à farmácia para comprar medicamentos sem receita, eles podem proporcionar alívio temporário. No entanto, o melhor a fazer é consultar um médico especialista imediatamente para que ele prescreva uma medicação que diminua as secreções ácidas e proteja as membranas mucosas de maneira mais eficaz.

Remédios caseiros para a gastrite nervosa

Em casa, o mais importante é controlar a dieta. Tenha em mente que a alimentação é um fator-chave no tratamento da gastrite nervosa. Não só irá evitar problemas estomacais a curto prazo, mas também protegerá o sistema digestivo a longo prazo. Evite beber álcool, comer alimentos processados, ácidos, produtos lácteos e alimentos açucarados ou condimentados.

Além disso, recomendamos que você inclua alimentos probióticos em na sua dieta, pois eles podem ajudar a melhorar a digestão e estimular movimentos regulares. Esses suplementos introduzem boas bactérias no trato digestivo, o que pode ajudar a deter a propagação da já citada bactéria Helicobater pylori.

Da mesma forma, e como sugere uma pesquisa, beber chá verde com mel pelo menos uma vez por semana ajudaria a reduzir significativamente a prevalência de H. pylori no trato digestivo.

  • Você também pode tentar ingerir uma colher de bicarbonato de sódio (9 g), pois pode ajudar a acabar com a sensação de queimação causada pela gastrite nervosa.
  • Além disso, o aloe vera é uma das plantas mais usadas para aliviar queimações e também ajuda a minimizar as consequências.
  • Por fim, os óleos essenciais, como o de hortelã ou de gengibre, podem ter um efeito positivo para o estômago.

Por fim, não se esqueça de que o estresse pode causar e agravar a gastrite nervosa. Portanto, é muito importante considerar realizar mudanças no estilo de vida que contribuam para reduzir os níveis de ansiedade. Estamos convencidos de que, se você incorporar a prática de esportes, uma dieta saudável e mais descanso, você se sentirá muito melhor.

Pode interessar a você...
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 hábitos que podem piorar a gastrite

Você já parou pra pensar na quantidade de hábitos que podemos manter que podem piorar a gastrite? Hoje falaremos sobre os 5 principais. Confira.



  • 1. Angós R. Gastritis. Med. 2016;
    2. Rugge M, Pennelli G, Pilozzi E, Fassan M, Ingravallo G, Russo VM, et al. Gastritis: The histology report. Dig Liver Dis. 2011;
    3. Sipponen P, Maaroos HI. Chronic gastritis. Scand J Gastroenterol. 2015;
    4. Soriano Izquierdo A, Sans Cuffí M, Elizalde Frez JI, Bessa Caserras X. Gastritis y gastropatías. Med – Programa Form Médica Contin Acreditado. 2000;
    5. Lane EP, Miller S, Lobetti R, Caldwell P, Bertschinger HJ, Burroughs R, et al. Effect of diet on the incidence of and mortality owing to gastritis and renal disease in captive cheetahs (Acinonyx jubatus) in South Africa. Zoo Biol. 2012;
    6. Lobetti R, Picard J, Kriek N, Rogers P. Prevalence of helicobacteriosis and gastritis in semicaptive cheetahs (Acinonyx jubatus). J Zoo Wildl Med. 1999;
    7. Valdivia M. Gastritis y gastropatías. Rev Gastroenterol Perú. 2011;
    8. Fox JG, Correa P, Taylor NS, Lee A, Otto G, Murphy JC, et al. Helicobacter mustelae-associated gastritis in ferrets. An animal model of Helicobacter pylori gastritis in humans. Gastroenterology. 1990;
    9. Fox JG, Otto G, Taylor NS, Rosenblad W, Murphy JC. Helicobacter mustelae-induced gastritis and elevated gastric pH in the ferret (Mustela putorius furo). Infect Immun. 1991;