O que é a fibromialgia, doença que foi detectada em Andrea Levy

A dificuldade em fazer uma apresentação em público, assim como em muitas outras atividades diárias, pode responder à fibromialgia. É este o caso da vereadora espanhola Andrea Levy? Talvez sim.
O que é a fibromialgia, doença que foi detectada em Andrea Levy

Última atualização: 09 Maio, 2021

Recentemente, a Vereadora da Cultura, Esporte e Turismo da Câmara Municipal de Madrid e porta-voz da Câmara Municipal, Andrea Levy, fez uma apresentação que desencadeou críticas entre telespectadores e utilizadores das redes sociais. Sua leitura não foi fluente, mas bastante irregular. A razão? Segundo a própria Levy, é a fibromialgia.

Apesar de a patologia ser um quadro real que atinge muitas pessoas, só foi reconhecida como tal em 1992 pela Organização Mundial de Saúde. Até o momento, atinge 5,4% da população geral e 92,7% dos pacientes são mulheres, segundo dados da Associação de Fibromialgia.

Há quem duvide de que seja esta a razão pela qual o desempenho de Andrea Levy não foi o esperado. Vamos ver, portanto, do que trata especificamente a fibromialgia e quais sintomas uma pessoa afetada por essa condição pode apresentar.

O que é a fibromialgia?

A fibromialgia (FM) é uma doença crônica que tende a afetar mais as mulheres de meia-idade. Sua causa é desconhecida, mas observou-se que se apresenta com sintomas que podem explicar o que acontece com Andrea Levy durante apresentações públicas e em muitos outros aspectos da sua vida.

De acordo com alguns estudos, os distúrbios associados ao problema levam a um estado de burnout, ou seja, um estresse agudo e intenso que dificulta o desempenho de tarefas normais. Não porque constituam sinais específicos, mas porque afetam a qualidade de vida.

Os sintomas podem ser agravados por uma série de fatores:

  • Estresse.
  • Insônia.
  • Mudanças de temperatura.

O sintoma mais característico da fibromialgia é a dor contínua e generalizada em todo o corpo, tanto nos músculos quanto articulações e tendões da parte superior e inferior do corpo. Andrea Levy comenta que essa dor pode ser “quase paralisante” e que afeta o sono noturno.

Desconforto geral, privação de sono, cansaço, falta de energia e outros incômodos, mesmo ao tomar um medicamento para enfrentá-los, afetam a qualidade de vida e, portanto, o desempenho profissional. Um estudo publicado na revista Reumatologia Clínica afirmou, há mais de 10 anos, que esta condição é a causa de incapacidades temporárias nos trabalhadores.

Mulher com dores musculares
A dor muscular causada pela fibromialgia é intensa. Ela passa por períodos mais agudos e estágios de platô.

Quais são os sintomas associados à fibromialgia?

De acordo com a literatura científica, a doença de Andrea Levy apresenta sinais associados à dor. Embora tenham sido desenvolvidas teorias que explicam a sua origem, ela não está totalmente clara. Opções autoimunes e genéticas e o papel do estresse oxidativo no metabolismo foram considerados.

Os sintomas associados à fibromialgia são os seguintes:

  • Rigidez: principalmente pela manhã. Há dificuldade para movimentar os dedos das mãos, para esticar as pernas e para dobrar as costas. Esse endurecimento pode ser gradual e difuso, causando novas dores, como cefaleia tensional e alterações peristálticas que levam à cólica.
  • Disfunção da articulação temporomandibular: devido à rigidez e às contraturas musculares da face, a mandíbula perde a funcionalidade.
  • Hipersensibilidade e síndrome da fadiga crônica: é a fadiga extrema que impede as atividades diárias. Mesmo quando a pessoa descansa, ela não se sente totalmente recuperada.
  • Névoa fibro: cansaço mental intenso que é provocado a partir da dor crônica nesses pacientes. Ao mesmo tempo, surgem problemas de concentração e de memória de curto prazo.
  • Ansiedade e depressão: típicas de todo o estresse que se acumula na pessoa com dor crônica e que não se sente capaz de realizar as suas atividades diárias. Também foi proposto que alguns casos de fibromialgia são secundários a distúrbios do humor, e não o contrário. É claro que o prognóstico pode piorar nessas situações.

Sintomas que afetam a qualidade de vida

Com base no exposto, entende-se que a fibromialgia é uma doença que afeta não só a qualidade de vida, mas também o desenvolvimento de uma pessoa no plano social. Portanto, não seria descabido considerar que esta é a causa de várias dificuldades laborais.

Andrea Levy, que afirmou ter sido diagnosticada em julho do ano passado com esta patologia, comenta que lidar com o desconforto é uma luta.

Mulher com insônia
O distúrbio do sono provocado por esta patologia afeta o desempenho dos pacientes no ambiente de trabalho e social.

O tratamento da fibromialgia é uma batalha com várias frentes abertas

Não há cura para a fibromialgia e o tratamento só é capaz de aliviar os sintomas que o paciente apresenta. Os analgésicos não opioides, calor local, massagens de fisioterapia e exercícios estão incluídos no arsenal terapêutico.

Gerenciar o estresse e, se apropriado, prescrever medicamentos antidepressivos é a chave para melhorar o seu sono noturno. Esta é uma batalha com várias frentes abertas, uma vez que é necessário enfrentar não só o desconforto físico, mas também a tensão emocional que a fibromialgia provoca nos pacientes.

O Ministério da Saúde, Consumo e Bem-Estar Social da Espanha esclarece o seguinte:

“O objetivo do gerenciamento da FM é o alívio dos sintomas e a manutenção da capacidade funcional na esfera pessoal, familiar e profissional de quem a sofre, evitando que a sua qualidade de vida se deteriore o máximo possível”.

A Associação de Pacientes com Fibromialgia, Síndrome da Fadiga Crónica-Encefalomielite Miálgica e Sensibilidade Química Múltipla da Comunidade de Madrid (AFIBROM) disponibiliza ao público informações sobre estas doenças, bem como serviços de atendimento psicológico, sessões de ioga e workshops.

Pode interessar a você...
7 equívocos sobre a fibromialgia
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
7 equívocos sobre a fibromialgia

Há vários equívocos sobre a fibromialgia que as pessoas costumam propagar. Esta é uma doença que a ciência ainda não decifrou totalmente.



  • Ramírez, Mónica Teresa González, René Landero Hernández, and Javier García-Campayo. “Fibromialgia: relación de síntomas somáticos, burnout e impacto de la enfermedad.” Cuadernos de medicina psicosomática y psiquiatría de enlace 93 (2010): 16-22.
  • Franco-Vicario, Ricardo. “La fibromialgia. Un paradigma de estrés existencial.” Gaceta médica de Bilbao 103.1 (2006): 7-7.
  • Salido, Marina, et al. “Factores relacionados con la incapacidad temporal en pacientes con fibromialgia.” Reumatología Clínica 3.2 (2007): 67-72.
  • Covarrubias-Gómez, Alfredo, and Orlando Carrillo-Torres. “Actualidades conceptuales sobre fibromialgia.” Revista Mexicana de Anestesiología 39.1 (2016): 58-63.
  • Latorre-Santiago, D., and M. Torres-Lacomba. “REVISIÓN/REVIEW FIBROMYALGIA AND THERAPEUTIC EXERCISE. QUALITATIVE SYSTEMATIC REVIEW FIBROMIALGIA Y EJERCICIO TERAPEÚTICO. REVISIÓN SISTEMÁTICA CUALITATIVA.” International Journal of Medicine and Science of Physical Activity and Sport 17.65 (2017): 183-204.
  • Villanueva, V. L., et al. “Fibromialgia: diagnóstico y tratamiento. El estado de la cuestión.” Revista de la Sociedad Española del Dolor 11.7 (2004): 50-63.
  • Revuelta Evrard, E., E. Segura Escobar, and J. Paulino Tevar. “Depresión, ansiedad y fibromialgia.” Revista de la Sociedad Española del dolor 17.7 (2010): 326-332.