Feridas nas mãos e dedos das crianças

6 de maio de 2019
As feridas nas mãos e dedos são especialmente frequentes em crianças, pois são as áreas do corpo que apresentam maior sensibilidade junto à boca.

Há uma representação gráfica da sensibilidade do organismo chamado homúnculo de Penfield, descrito pela primeira vez pelo Dr. Penfield, um neurocirurgião que adquiriu grande fama em meados do século XX por seu trabalho nas áreas do cérebro.

Se olharmos para o gráfico, podemos dizer que claramente a boca e as mãos são as maiores áreas porque são ricas em receptores sensoriais. E é precisamente por essa razão que as crianças são tão propensas a tocar em tudo e colocar na boca.

Além disso, à medida que as crianças crescem e começam a andar, o sistema de equilíbrio se desenvolve. Então, ao cair, apoiar as mãos é uma ação de reflexo para proteger a cabeça.

Não deixe de ler: Os melhores remédios naturais para cicatrizar feridas

Feridas nas mãos e dedos: acidentes domésticos

Feridas nas mãos e dedos podem requerer de sutura

A maior causa de morte infantil em nosso meio são os acidentes domésticos. As casas estão repletas de perigos para as crianças que devem ser evitados.

As queimaduras elétricas e cortes nos dedos são os mais frequentes em acidentes domésticos. Por tudo isso é muito importante saber quais são as lesões mais frequentes nas mãos e nos dedos, e como realizar um tratamento correto para evitar complicações.

Quais são os tipos mais frequentes de lesões nas mãos e nos dedos?

Como mencionamos na seção anterior, as lesões nas mãos e dedos são extremamente frequentes em crianças. Elas podem ser produzidas por múltiplas causas, então nos concentraremos nas mais comuns:

  • Feridas incisas: são o que conhecemos como cortes. A pele das crianças é muito fina, então essas feridas podem aparecer ao se cortar com uma folha de papel, tocando a borda de latas ou refrigerante, pequenas pedrinhas no chão, etc.
  • Feridas contusas: são produzidas por batidas e quedas. Elas tendem a estar associadas a contusões e hematomas. Se as quedas forem fortes, o pulso ou a falange dos dedos podem ser fraturados.
  • Feridas puncionadas: são as mais complicadas de se tratar, pois quando um objeto penetra na pele, a ferida é mais profunda e apresenta maior risco de infecção. Neste caso, é necessário certificar-se de que não há restos do corpo estranho no tecido e que a área deve ser desinfetada muito bem.
  • Feridas por fricção: são os arranhões que ocorrem quando se esfrega a pele contra o chão em uma queda. Elas costumam ser típicas dos joelhos, mas também podem aparecer nas mãos (típicos de cair de uma bicicleta ou no pátio da escola).

Confira ademais: Conheça 3 plantas maravilhosas para curar e cicatrizar feridas

Como tratar as feridas?

Médico examinando feridas nas mãos e dedos

Independentemente do tipo de ferida, você deve seguir uma série de diretrizes gerais para evitar que elas se infectem. Primeiro de tudo, é necessário garantir que não há restos de corpos estranhos dentro da pele e limpar a área.

A pele está cheia de pequenos capilares, por isso, embora a ferida seja muito superficial, ela pode sangrar muito. Se aplicarmos água fria ou gelo (de preferência com uma gaze para evitar o contato direto com a pele), conseguiremos uma vasoconstrição dos vasos. Além disso, o frio ajuda a reduzir a inflamação.

Em seguida, a área da ferida deve ser desinfetada. Existem soluções comerciais, como Iodopovidona ou Clorexidina, que já estão prontas para o uso e são muito eficazes. Além disso, elas geralmente vêm com um spray, então o acesso à pele é completo.

Se apesar de tudo isso a ferida ainda não melhorar ou for uma ferida muito profunda, recomendamos que você leve seu filho diretamente ao médico e verifique a carteira de vacinação da criança. Pode ser necessário realizar uma sutura para evitar o risco de complicações e promover a cicatrização.

  • Salem Z., C., Pérez P., J. A., Henning L., E., Uherek P., F., Schultz O., C., Butte B., J. M., & González F., P. (2000). Heridas: Conceptos generales. Cuadernos de Cirugía. https://doi.org/10.4206/cuad.cir.2000.v14n1-15
  • Ruiz, E. F. (2013). Antisépticos y desinfectantes. Enfermedades Infecciosas y Microbiologia. https://doi.org/10.1007/s00299-010-0857-1
  • Santos Heredero, F. X., Rodríguez Arias, C. A., Barberán López, J., Martín Antona, E., Pérez del Caz, M. D., Torres García, A., … Viadé Juliá, J. (2014). Heridas y Cicatrización. Revista de La Sociedad Española de Heridas.