Fatores de risco para a osteoporose

A osteoporose pode ser uma doença limitante, mas parcialmente evitável. Quais são os fatores de risco que podem ser alterados? Falaremos sobre eles a seguir.
Fatores de risco para a osteoporose

Última atualização: 08 Dezembro, 2020

Os fatores de risco para a osteoporose explicam a sua presença em determinados grupos populacionais. Esta é uma doença comum que pode afetar homens e mulheres.

Caracteriza-se pela diminuição da massa óssea e aumento da fragilidade esquelética, levando a um aumento do risco de fraturas. Esta condição enfraquece os ossos e os expõe a lesões que não apareceriam de outra forma.

Os locais mais comuns de fratura de fragilidade são a coluna vertebral (na forma de fraturas por compressão), o quadril e o pulso. Estima-se que, nos Estados Unidos, mais de 53 milhões de pessoas já tenham a doença ou tenham um risco elevado de osteoporose devido à baixa massa óssea, de acordo com os Institutos Nacionais de Saúde (NIH).

Fatores de risco para a osteoporose

Uma queda de uma altura elevada em pé, o fato de colidir com algo, ou um simples trauma, são fontes de fraturas quando há uma diminuição da densidade óssea. Nem todos atingem o estado extremo da condição, mas há fatores de risco que predispõem à osteoporose. Vamos ver um pouco mais sobre isso.

Alimentos pobres em cálcio

Os hábitos alimentares podem aumentar o risco de desenvolver osteoporose. Uma dieta sem cálcio ou vitamina D suficiente contribuirá para a fraqueza óssea. O cálcio ajuda a construir a arquitetura óssea, e a vitamina D mantém a força óssea.

Os laticínios são ricos em cálcio, e alguns produtos não lácteos contêm agregados deste mineral. Ele também pode ser obtido a partir de suplementos, embora o ideal seja conseguir uma ingestão o máximo possível da forma natural, ou seja, a partir dos alimentos.

A vitamina D está disponível em peixes gordurosos, como salmão e atum, e é adicionada a muitos leites e cereais. A pele também produz vitamina D a partir da luz solar. No entanto, você tem que ter cuidado para evitar a exposição solar em horários de maior risco.

Alimentos ricos em vitamina D
A vitamina D é fundamental para o desenvolvimento ósseo e a manutenção da boa saúde óssea.

Sedentarismo

O estilo de vida sedentário tende a enfraquecer os ossos. O mesmo acontece quando temos que passar longos períodos prostrados por causa de uma doença ou após uma cirurgia.

Já na situação contrária, o osso responde ao exercício tornando-se mais forte. Os exercícios de peso e resistência são os melhores e incluem caminhar, correr, subir escadas, jogar tênis, dançar, levantar pesos e fazer musculação.

Fumar

Fumar é ruim para ossos, coração e pulmões. Mulheres que fumam têm níveis mais baixos de estrogênio em comparação com não fumantes, e muitas vezes entram na menopausa mais cedo.

Os fumantes também podem absorver menos cálcio em suas dietas. Quando o nível baixo de estrogênio é combinado com o nível baixo de cálcio, torna-se impossível para o osso reconstruir o que é danificado pelo envelhecimento. O tabagismo é um fator de risco notório para a osteoporose.

Consumo de álcool

O consumo excessivo de álcool aumenta o risco de perda óssea e fraturas em mulheres e homens jovens. Pode levar, por sua vez, à má nutrição e a um risco aumentado de queda.

Isso sem mencionar todos os outros efeitos deletérios sobre a saúde em virtude dessa droga. Os alcoólatras podem desenvolver insuficiência hepática, doenças cardiovasculares e distúrbios do sistema nervoso central e periférico.

Uso de medicamentos

O uso de certos medicamentos de longo prazo, como glicocorticoides, antiácidos contendo alumínio, certos tratamentos de câncer, doses excessivas de hormônios da tireoide e alguns anticonvulsivos, pode causar perda de densidade óssea e fraturas.

Nem todos os medicamentos são fatores de risco para a osteoporose, mas é fundamental que sejam prescritos por médicos que avaliam as interações e condições do paciente. Se há a possibilidade de perda de cálcio entre os efeitos colaterais, a medicação deve ser consumida com cautela em mulheres na menopausa.

Outros fatores de risco associados

As mulheres têm uma chance maior de desenvolver osteoporose só por causa do seu sexo. Elas têm menos tecido ósseo em proporção e perdem osso mais rápido do que os homens devido a alterações que ocorrem com a menopausa.

Acontece também que quanto mais idosa, maior o risco de osteoporose. Os ossos perdem densidade com o envelhecimento e ficam mais finos e fracos. Isso é mais perceptível em pessoas que têm uma estrutura corporal pequena.

Da mesma forma, um histórico familiar de fraturas precoces ou sem explicações é um fator de risco. Embora não se possa falar de uma patologia familiar, existem ligações genéticas que explicam a doença em certas pessoas.

Fatores de risco para a osteoporose
Pessoas com uma estrutura óssea pequena são mais suscetíveis à osteoporose quando atingem uma idade avançada.

Atenção aos fatores de risco para a osteoporose e a prevenção da doença

A osteoporose é uma condição que afeta severamente a qualidade de vida. Embora não seja possível prever o desenvolvimento futuro da patologia, alguns fatores de risco podem ser identificados para preveni-la.

Algumas características não podem ser alteradas, como sexo ou idade, mas outras são hábitos modificáveis. Alimentos, exercícios, exposição solar e consumo de cigarro ou álcool são aspectos que podemos controlar.

Pode interessar a você...
Como reduzir os danos da osteoporose após a menopausa
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Como reduzir os danos da osteoporose após a menopausa

Muitos indivíduos conseguiram reduzir os efeitos de doenças ou processos degenerativos, como é o caso de algumas mulheres com osteoporose após a menopausa.



  • Osteoporosis Overview, retrieved on 16 June 2020, NIH Osteoporosis and related bone diseases. A service provided by the National Institutes of Health. https://www.bones.nih.gov/health-info/bone/osteoporosis/overview
  • Cheraghi, Zahra, et al. “The effect of alcohol on osteoporosis; a systematic review and meta-analysis.” Drug and alcohol dependence (2019).
  • Balk, E. M., et al. “Global dietary calcium intake among adults: a systematic review.” Osteoporosis International 28.12 (2017): 3315-3324.
  • García-Gomariz, C., et al. “Efectos de un programa de ejercicio combinado de impacto, fuerza y resistencia en la prevención de osteoporosis de mujeres posmenopáusicas.” Fisioterapia 41.1 (2019): 4-11.
  • Blanch, Meritxell Aivar, et al. “¿ Las pacientes con osteoporosis ingieren suficiente cantidad de calcio y vitamina D?.” RECIEN: Revista Electrónica Científica de Enfermería 12 (2016): 18.
  • Ríos, Patricia Bolaños. “Metabolismo óseo y nutrición: Osteopenia y osteoporosis.” Trastornos de la conducta alimentaria 27 (2018): 2979-2991.
  • Valdés-Flores, Margarita, et al. “Aspectos genéticos de la osteoporosis.” Revista de Investigación Clínica 64.3 (2012): 294-307.