Fascite plantar

· 11 de dezembro de 2017
A fascite plantar é a inflamação da fáscia plantar do pé, que causa dor na região do tornozelo.

O que é a fascite plantar?

A fascite plantar é a inflamação da fáscia plantar do pé, um ligamento que une o calcanhar com as falanges proximais e que se estende e se contrai a cada passo que damos, como se fosse o movimento de uma borracha elástica.

A fáscia plantar ou ligamento arqueado, é um tecido muito largo e grosso, devido à enorme resistência e pressão que deve suportar.

A inflamação do ligamento arqueado causa dor na região do calcanhar, sendo uma das dores mais frequentes nesta área.

As pessoas com maior risco de sofrer desta doença são os atletas, especialmente os aficcionados.

Fatores de risco

  • Esportes com exercícios repetitivos.
  • Pisada pronadora.
  • Doenças como a artrite e a diabetes.
  • Sapato incorreto.
  • Pé plano.
  • Idade avançada.
  • Obesidade.
  • Mudanças hormonais.

Como a doença surge?

O uso excessivo da fáscia plantar acaba causando micro traumatismos no tecido. A aparição repetitiva de microfissuras nessa região acaba causando a inflamação do ligamento, o que termina em dor no calcanhar.

Ou seja, é um tipo de patologia crônica, pois não aparece de um dia para o outro, mas sim é resultado de uma soma de lesões repetitivas.

Causas da fascite plantar

As lesões na fáscia podem ocorrer por diferentes causas, é multifatorial e variável, incluindo fatores ambientais, posturais e genéticos.

Dor no pé por causa de fascite plantar

Além disso, há fatores que agravam a doença, como o uso de sapatos inadequados, má postura, trabalho excessivo na região, pouca flexibilidade dos músculos associados e pronação excessiva do pé.

Atividade física reiterada

O exercício físico excessivo é a principal causa da fascite plantar.

Atividades físicas como correr ou pular durante períodos longos de tempo supõem uma sobrecarga do ligamento, que não é capaz de resistir a tanta pressão e se desprende. Além disso, mudanças nas rotinas esportivas sem um processo adequado de adaptação, podem causar rupturas mais severas, que terminariam com dores mais intensas.

As pessoas com mais risco de sofrer desta doença são os atletas, jogadores de futebol, jogadores de badminton e tenistas.

Anatomia do pé

Há várias estruturas anatômicas implicadas que podem causar a sobrecarga da fáscia plantar.

O tendão de Aquiles é um ligamento que se insere desde os músculos gastrocnêmios, comumente chamados gamelos, e o sóleo até o osso do calcanhar. Uma retração do tendão de Aquiles causará um aumento de pressão no calcâneo, com o consequente aumento de pressão no ligamento arqueado.

Desenho de pés com fascite plantar

Outro fator a levar em conta na estrutura anatômica é o apoio do pé, ou seja, a forma como o pé toca o chão. Os pés planos ou com tendência pronadora causam um alongamento maior da fáscia plantar, aumentando o risco de rupturas pelo aumento da pressão no tecido.

Doenças associadas

A artrite e a diabetes são consideradas fatores de risco para o desenvolvimento da fascite plantar, pois ambas podem causar a inflamação dos tendões.

As pessoas de idade avançada costumam apresentar a doença como consequência de uma destas duas doenças.

Tipo de calçado

Em muitas ocasiões usa-se um calçado que não se ajusta adequadamente. Ou proporciona uma superfície de apoio insuficiente, ou a amortização do peso não está bem distribuída.

O uso contínuo de calçados inadequados acaba causando fascite planta, dentre outras lesões no pé. Os sapatos de salto alto são um dos grandes inimigos desta doença.

Característica da dor

  • De maior intensidade pelas manhãs.
  • Crônica.
  • Em forma de pontadas ou ardência.
  • Progressiva.

A dor costuma aumentar pelas manhãs como consequência da rigidez do pé durante a noite, e diminui na medida em que se alonga e se esquenta o tecido.

Em algumas ocasiões a dor pode ser insuportável e chegar a afetar até as falanges, impedindo movimentos como levantar e abaixar os dedos.

Raio X da Fascite plantar

Frequentemente a fascite plantar se associa à existência de esporão calcâneo, ainda que não seja um sintoma determinante.

Quando a fascite plantar se prolonga no tempo, ou não é tratada corretamente, o paciente pode sofrer alterações no andar, dando lugar a outros sintomas como dor no joelho, nas costas ou no pescoço.

Tratamento da fascite plantar

  • Fisioterapia.
  • AINEs.
  • Calçado adequado.
  • Corticoesteroides.
  • Palmilhas ortopédicas.
  • Bandagens funcionais.
  • Ortopedia.

Durante o tratamento é essencial abandonar o exercício físico, pois agrava a situação, mas deve-se realizar alongamentos de músculos como o sóleo e os gastrocnêmios durante o dia.

Alguns profissionais recomendam usar férulas durante os períodos de descanso ou durante a noite para manter a fáscia alongada.

Nas últimas linhas de tratamento encontramos a terapia com ondas de choque e a cirurgia, esta última só para fascites plantares que terminam em dores crônicas e graves.

O tempo de recuperação é variável entre os diferentes pacientes.