Eletricidade estática: o que é e quais são os seus riscos para a saúde?

Aquele leve choque que você sente ao tocar um objeto é chamado de eletricidade estática. Continue a ler e saiba como ele ocorre, quais são os riscos que acarreta e como evitá-lo.
Eletricidade estática: o que é e quais são os seus riscos para a saúde?

Última atualização: 04 Outubro, 2021

O fenômeno da eletricidade estática pode se manifestar em quase qualquer lugar e a qualquer hora. Ocorre quando cargas se acumulam em um objeto e se dissipam em direção a outro com carga inferior, com o qual entra em contato.

Na fábrica, no escritório, em casa, quando você aperta a mão de alguém, toca a maçaneta, toca uma superfície… uma faísca salta de repente, gerando um sobressalto nas pessoas. A eletricidade estática nem sempre é tão inofensiva assim.

Diretamente, a descarga em si não é perigosa, mas pode estar associada a circunstâncias que o são: como uma explosão ou incêndio, quando há materiais inflamáveis ou um acidente de trabalho devido a um movimento repentino.

O que é a eletricidade estática?

A estática é uma forma de eletricidade. É produzida pelo acúmulo de energia em um determinado material. Acontece que, sejam condutores ou não, os corpos têm a capacidade de absorver e reter um potencial elétrico estacionário.

Na eletricidade estática, os elétrons viajam pelo corpo, chegando até as suas bordas. Em contraste, quando os elétrons fluem de um extremo ao outro em um corpo, a eletricidade é dinâmica. Isso é o que conhecemos como corrente.

A eletricidade estática se manifesta na forma de descargas, quando um objeto que possui mais energia acumulada entra em contato com outro de menor carga. É aí que costuma surgir uma faísca visível. Esta descarga é mínima e não excede 0,005 amperes.

O corpo humano é um bom condutor de eletricidade e também um acumulador. Por mais curioso que pareça, ele pode armazenar uma grande quantidade de energia. Se ele não atingir 4.000 volts, você não sentirá faíscas.

O acúmulo depende de vários fatores:

  • Contato com corpos suscetíveis a cargas elevadas.
  • Proximidade de campos elétricos gerados por corpos carregados.
  • Umidade no ambiente.
  • Vestuário, já que as fibras sintéticas favorecem o acúmulo de cargas.
  • Tipo de piso, uma vez que a estática é um problema comum no parquet.
A umidade do ambiente favorece a eletricidade estática
A umidade do ambiente favorece a eletricidade estática.

Como a eletricidade estática é produzida?

Todos os elementos são considerados geradores de eletricidade estática, em qualquer estado: sólido, líquido ou gasoso. Na verdade, os raios se devem ao atrito de partículas de vapor d’água nas nuvens, por exemplo.

Normalmente, nos corpos há uma carga semelhante entre elétrons (negativa) e prótons (positiva). Isso significa que o comum é manter o estado neutro, que é eletricamente estável.

Agora, a eletricidade estática é produzida quando dois corpos trocam suas cargas. Ou seja, ocorre um desequilíbrio de transferência de elétrons.

Isso pode acontecer de várias maneiras:

  • Por atrito entre materiais de composição ou natureza diferente. Um perde e o outro ganha elétrons. Isso é observado no experimento que todos fizemos na escola, com o pente roçando os cabelos.
  • Carga de contato: quando dois objetos se aproximam ou mantêm contato um com o outro, um pode ser carregado positivamente ou negativamente. Em outras palavras, os elétrons se movem de um corpo para o outro.

Entre os materiais com maior capacidade de produção de estática de atrito estão o vidro, o náilon e o poliéster, o poliuretano, o acrílico, o teflon e qualquer objeto feito com esses materiais.

A quantidade de eletricidade estática produzida pelo contato é muito menor do que a gerada pelo atrito. No entanto, o fenômeno pode se manifestar igualmente.

Riscos da eletricidade estática para a saúde

As descargas de eletricidade estática são baixas em termos de amperagem, portanto, não são prejudiciais à saúde para a maioria das pessoas. Pelo menos não diretamente.

Em muitos casos, não iremos além de sentir um leve desconforto semelhante a uma cãibra, um pequeno espasmo ou um leve susto. No entanto, em algumas pessoas, podem aparecer certos sintomas que sugerem a existência de uma alergia à eletricidade.

Por outro lado, em pacientes com marcapassos e outros dispositivos implantáveis, choques elétricos podem provocar uma interferência transitória, embora não haja notícias de danos ao equipamento.

Além disso, a eletricidade estática foi associada a uma condição conhecida como lipoatrofia semicircular. Nesse distúrbio, o tecido adiposo é afetado, apresentando afundamento na face anterior e lateral das coxas. No entanto, não há evidências suficientes a esse respeito.

Riscos laborais

Na indústria, existem várias atividades que podem gerar ou acumular grandes quantidades de carga elétrica. Por exemplo, a circulação de um fluido em alta velocidade por um duto, o esvaziamento de grãos em um silo, pintura com atomizador de alta pressão.

Nesse sentido, diferentes situações de risco associadas à eletricidade estática são observadas nos ambientes de trabalho. Para começar, se o fenômeno ocorrer com muita frequência, pode gerar uma sensação de desconforto que leva à insatisfação no trabalho.

Por outro lado, em certas tarefas, um choque elétrico acarreta riscos. Por exemplo, se a pessoa está trabalhando em uma altura elevada, pode causar desatenção ou fazer um movimento brusco que aumenta as chances de uma queda.

Além disso, em ambientes com risco de incêndio ou explosão, onde existam gases ou substâncias inflamáveis (butano, propano, gasolina, álcool), além de materiais detonantes (pólvora, dinamite), uma faísca elétrica pode resultar em um acidente fatal.

Risco de eletricidade estática ao limpar um edifício
A eletricidade estática pode levar, indiretamente, a um acidente no trabalho em uma altura elevada.

Medidas preventivas

A primeira e mais importante medida deve ser eliminar a possibilidade de geração de eletricidade estática. Para tanto, controlar as variáveis que contribuem para a recombinação das cargas é essencial nos ambientes de trabalho.

Isso depende de vários fatores:

  • Condutividade dos materiais: um isolante ou mau condutor não contribui para a circulação das cargas acumuladas. É importante preferir materiais dissipativos.
  • Roupa do trabalhador: deve ser confeccionada com tecidos antiestáticos, evitando os sintéticos.
  • Desumidificadores: em ambientes com alta umidade relativa, as moléculas de água se fixam nos materiais, aumentando a sua condutividade.
  • Uso de pisos condutores antiestáticos.
  • Use equipamento de ionização de ar em locais de trabalho, quando necessário.
  • Conectar à terra os dispositivos elétricos em contato com o chão.

Não há motivo para pânico, mas tenha cuidado com a eletricidade estática

No escritório ou em casa, tocar em objetos que causam um choque elétrico costuma ser motivo de reclamação ou desconforto. Porém, esse problema pode ir além de um simples incômodo, uma vez que pode provocar movimentos que desencadeiam acidentes domésticos ou de trabalho.

Numa fábrica ou oficina, onde existem substâncias perigosas (tóxicas, inflamáveis ou explosivas), os riscos podem ser maiores. Por este motivo, devem ser tomadas as medidas de prevenção e proteção correspondentes aos trabalhadores, de acordo com o disposto na lei.

É conveniente partir de uma análise e avaliação dos riscos potenciais. Em seguida, buscar estabelecer as ações e mecanismos necessários para controlar e reduzir os fatores que geram as descargas.

Finalmente, não se esqueça do fator humano. Junto com todas essas medidas, treinamento e informação devem ser fornecidos aos trabalhadores quanto às normas de saúde e segurança ocupacional.

Pode interessar a você...
É possível ser alérgico à eletricidade?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
É possível ser alérgico à eletricidade?

Ser alérgico à eletricidade não é um assunto muito discutido. No entanto, há muitos relatos dessa condição. Saiba mais neste artigo.



  • Banizi P, Vidal L, Montenegro J, et al. Interferencias electromagnéticas en pacientes con marcapasos y cardiodesfibriladores implantados. Rev. Méd. Urug. 2004;  20(2): 150-160.
  • Blanco E. Implementación de pilares del TPM en la empresa Zollner Electronics Costa Rica Ltda [Trabajo de grado]. San José: Tecnológico de Costa Rica; 2017.
  • Cantalejo M. El riesgo debido a la electricidad estática: ¿en qué consiste?, ¿cómo y cuándo se debe controlar? Seguridad y salud en el trabajo. 2017; 91: 6-60.
  • Comisión Europea. Guía de buenas prácticas para la aplicación relativa a las disposiciones mínimas para la mejora de la protección de la salud y la seguridad de los trabajadores expuestos a los riesgos derivados de atmósferas explosivas de la Directiva 1999/92/CE [Internet]. 2005 [consulta: 17-09-2021]. URL: https://op.europa.eu/en/publication-detail/-/publication/c23f5429-1632-4b61-9eb1-a6c0e60828e0/language-es.
  • Fuentes-Bargues J, Jiménez T, Armero A, Vivancos J. Identification, analysis and risk assessment of explosive atmospheres in an agrochemical processing and handling plant. Ponencia presentada en: 24th International Congress on Project Management and Engineering Alcoy. Universitat Politècnica de València; 2020.
  • Mirón J. La electricidad estática y sus consecuencias. MAPFRE Seguridad. 1991; 43: 15-23.
  • Rodríguez M, Madrid F. Lipoatrofia semicircular de origen laboral. Arch Prev Riesgos Labor 2009; 12 (1): 14-18.
  • Rosselló C. Detección y prevención de la Lipoatrofia Semicircular en el entorno laboral [Tesis de Maestría]. Madrid: Universidad Nacional de Educación a Distancia; 2019.