Disforia pós-sexo: tudo que você precisa saber

Quando a atividade sexual termina, geralmente sentimos relaxamento e bem-estar. Mas o que acontece se, em vez disso, sentirmos tristeza ou angústia? Estamos falando da disforia pós-sexo.
Disforia pós-sexo: tudo que você precisa saber

Última atualização: 29 Maio, 2021

O sexo é uma atividade prazerosa e geralmente muito gratificante para os participantes. Mas isso nem sempre é assim, pois em certas ocasiões, é possível vivenciar sentimentos de angústia, tristeza ou inquietação após a atividade sexual. Isso é conhecido como disforia pós-sexo.

Se em algum momento você já se viu nesta posição, não se assuste, pois esta não é uma condição incomum. No entanto, será necessário analisar as suas causas profundamente para evitar que o problema se torne crônico.

A esfera sexual é uma parte importante da saúde das pessoas e da dinâmica dos relacionamentos. Frequentemente, está relacionada a outras áreas da vida de forma bidirecional e, por isso, os problemas pessoais geralmente afetam a atividade sexual, assim como as disfunções sexuais influenciam o bem-estar geral.

Portanto, embora as dificuldades dessa natureza costumem ser escondidas por causa da culpa ou da vergonha, é importante abordá-las para alcançar o bem-estar pessoal.

O que é a disforia pós-sexo?

Disforia pós-coito

A disforia pós-sexo também é conhecida como depressão pós-sexo. Porém, não se trata de uma depressão propriamente dita, mas sim da presença de emoções negativas, tais como tristeza, ansiedade ou nostalgia, ao finalizar a atividade sexual. Essas sensações podem durar desde alguns minutos até várias horas.

Essas emoções podem aparecer após a relação sexual ou após a masturbação e afetar homens e mulheres de qualquer idade. Não é necessário que a relação sexual tenha sido insatisfatória. Essa disforia pode ocorrer mesmo após relações consensuais, desejadas e apreciadas.

Em geral, ao finalizar a atividade sexual, geralmente são vivenciadas sensações de relaxamento e bem-estar. No entanto, neste caso, há uma disfunção na fase de resolução do ciclo de resposta sexual. Por essa razão, as emoções são perturbadoras e desagradáveis.

É uma condição que costuma ocorrer de forma esporádica. Aproximadamente 41% dos homens e 46% das mulheres afirmam tê-la experimentado em algum momento de suas vidas, de acordo com vários estudos.

Na maioria das vezes, isso tem poucas consequências e é uma situação temporária. No entanto, quando a disforia pós-sexo aparece regularmente, é importante analisar o que pode estar acontecendo.

Quais são as causas?

As causas da disforia pós-sexo ainda não estão totalmente claras. Não há evidências científicas suficientemente sólidas a esse respeito. No entanto, a principal teoria afirma que ela está relacionada aos processos bioquímicos envolvidos na resposta sexual.

Devemos ter em mente que, durante o orgasmo, são liberadas grandes quantidades de hormônios que geram bem-estar. Além disso, durante esse processo, duas importantes áreas do cérebro são desativadas: o lobo frontal e a amígdala (envolvidas, respectivamente, no raciocínio e nas emoções primitivas, como a ansiedade).

Assim, após o orgasmo, o corpo retorna ao nível basal e isso pode desencadear as emoções negativas. Além disso, existem várias hipóteses que podem complementar a anterior quanto à origem da disforia pós-sexo.

  • As pessoas com uma educação excessivamente rígida ou religiosa podem manter crenças disfuncionais sobre o sexo. Associá-lo ao pecado, culpa ou vergonha pode levar ao aparecimento desta depressão pós-sexo.
  • Aqueles que sofreram estupro ou abuso sexual de qualquer tipo têm uma maior predisposição a experimentar essas emoções negativas relacionadas ao ato sexual.
  • Às vezes, a disforia pós-sexo aparece porque não há uma conexão profunda o suficiente com o parceiro sexual. Ou seja, em outras palavras, porque não estamos fisicamente ou emocionalmente prontos para ter esse tipo de relação casual.
  • Os problemas do relacionamento também podem influenciar esse processo. A intimidade pode nos tornar mais conscientes dos conflitos, ressentimentos ou insatisfações que, quando vêm à tona, geram tristeza ou angústia.

Tratamento da disforia pós-sexo

Conforme discutido anteriormente, se a disforia pós-sexo aparecer esporadicamente, não há necessidade de se preocupar. Geralmente se trata de algo passageiro que se resolve sem a necessidade de atendimento profissional. Por outro lado, se for um problema frequente, o tratamento será voltado para a resolução das causas que estão na sua origem.

Assim, após descartar a existência de qualquer alteração orgânica, as crenças pessoais em relação ao sexo deverão ser revistas. Se ele for considerado tabu ou se pensamentos de culpa ou vergonha forem mantidos, será necessário reestruturar essas crenças.

Por outro lado, se a pessoa tiver sido vítima de abusos, pode ser necessário trabalhá-los com a psicoterapia para que eles parem de interferir na situação atual. Da mesma forma, se houver problemas no relacionamento, a terapia de casal pode ser muito positiva para a resolução desses conflitos.

Em geral, é bastante recomendável que a interação não termine após o orgasmo. Ou seja, que ambos os membros do casal passem alguns minutos se acariciando, abraçando ou continuando a compartilhar um vínculo além do sexo.

Como agir diante da disforia pós-sexo?

Homem fazendo terapia
Se, após a relação sexual, você se sente triste ou emocionalmente abalado, consulte um psicólogo de confiança.

Em primeiro lugar, se você tiver disforia pós-sexo, permita-se sentir essa tristeza e pergunte-se de onde ela vem. Muitas vezes nos conhecemos melhor do que pensamos, mas temos medo de nos ouvir.

Por fim, se considerar necessário, não hesite em buscar o apoio profissional do seu médico ou psicólogo de confiança: sexo também é saúde.

Pode interessar a você...
Os comportamentos machistas no sexo não devem ser tolerados
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Os comportamentos machistas no sexo não devem ser tolerados

Os comportamentos machistas estão presentes em muitas áreas, e o sexo não é exceção. Não podemos tolerá-los e precisamos lutar contra eles.



  • Maczkowiack, J., & Schweitzer, R. D. (2019). Postcoital dysphoria: Prevalence and correlates among males. Journal of Sex & Marital Therapy45(2), 128-140.
  • Schweitzer, R. D., O’Brien, J., & Burri, A. (2015). Postcoital dysphoria: prevalence and psychological correlates. Sexual Medicine3(4), 235-243.
  • Vera, V. D. G., & Colombia, M. (2019). REVISIONES EN SEXOLOGÍA. Revista desexología8(1), 77-81.