Disartria: causas, sintomas e tratamento

01 Setembro, 2020
A disartria causa uma série de dificuldades no momento de se comunicar com outras pessoas. Hoje vamos descobrir quais são as causas desse distúrbio, seus sintomas e possíveis tratamentos.
 

Os distúrbios da comunicação, como a gagueira, podem ser causados ​​por diferentes problemas. Hoje falaremos sobre a disartria, um termo do qual você provavelmente nunca ouviu falar, que se refere a uma doença na qual os músculos que articulam sons são comprometidos.

A disartria tem causas diferentes e uma sintomatologia que é muito importante sabermos identificar. Quanto mais cedo a doença for diagnosticada, mais cedo podemos iniciar um tratamento que nos permita trabalhar com esse distúrbio e melhorá-lo.

As causas da disartria

Para expor as causas da disartria, usaremos como referência o artigo Disartria. Há diferentes experiências que podem provocar o aparecimento desse distúrbio. Vamos classificá-las da seguinte forma:

  • Mal de Parkinson: a diminuição da velocidade dos movimentos e seu abrandamento, assim como o tremor que aparece em repouso, podem ocasionar uma articulação monótona dos sons, diminuição do volume da voz e uma falta de acentuação das palavras.
  • Lesão cerebral: um traumatismo craniano na cabeça pode causar uma lesão cerebral provocando disartria com uma voz nasalizada, uma articulação de palavras interrompida com frequência, ou um distúrbio na maneira como as palavras são acentuadas.
  • Outras doenças: as doenças degenerativas e os tumores que podem se formar no cérebro podem causar distorção ao pronunciar as consoantes, lentidão ao conversar com outras pessoas, e uma voz que sai com dificuldade.
Dificuldades de comunicação
A disartria causada por uma lesão cerebral ou por uma doença (Huntington) afeta os músculos envolvidos na ação de falar.
 

Estas são algumas das causas da disartria, mas existem muitas outras. Um acidente vascular cerebral, uma paralisia cerebral ou a doença de Huntington podem causar alguns dos sintomas que já vimos, mas que abordaremos de uma maneira mais extensa abaixo.

Descubra também: 8 soluções naturais para aliviar a otite ou inflamação dos ouvidos

Os sintomas mais característicos

Vimos na seção anterior alguns dos sintomas que podem se manifestar na disartria. No entanto, vamos vê-los de uma maneira mais extensa, conforme exposto no artigo Características da fala, linguagem e deglutição na doença de Huntington.

  • Falar em sussurros: a pessoa com disartria é incapaz de levantar a voz e não consegue falar em um tom normal.
  • Voz nasalizada: sem constipação ou qualquer outro problema que impeça a passagem de ar pelo nariz, a pessoa com esse distúrbio tende a falar com uma voz nasalizada de uma forma muito evidente.
  • Balbuciar ao falar: os sons das palavras são alterados ou até suprimidos.
  • Ritmo irregular: a pessoa com disartria pode falar muito rapidamente, dificultando a compreensão do que está dizendo. Esta também pode alternar a rapidez com um ritmo muito lento.
  • Monotonia no discurso: seja para perguntar ou demonstrar surpresa, a voz sempre mantém o mesmo tom ao falar.

Essa sintomatologia precisa ser levada ao conhecimento de um médico que, após realizar os exames que julgar apropriados, vai determinar se está diante de um caso de disartria. Após o diagnóstico, existem diferentes maneiras de abordar esse distúrbio.

 

Você pode se interessar: O que são as ‘mensagens eu’ e como elas podem melhorar a comunicação?

Tratamento da disartria

Avaliação médica
A disartria pode exigir a intervenção de profissionais como os fonoaudiólogos.

Os tratamentos para a disartria vão depender das causas e do que o médico considerar melhor para a evolução satisfatória do paciente. No entanto, existe um profissional que costuma ter uma intervenção fundamental nesse caso: os fonoaudiólogos.

Eles trabalham com vários exercícios para melhorar a comunicação (respiração, fonação, prosódia, relaxamento, etc.), permitindo reduzir os balbucios, corrigir o máximo possível o ritmo e reduzir a monotonia na comunicação dos afetados pela doença.

Além disso, os psicólogos costumam intervir, pois as pessoas com disartria podem chegar a ficar isoladas e sofrer de depressão devido aos sintomas que apresentam. No caso de esta doença ter uma gravidade alta, pode ser necessária uma intervenção cirúrgica.

Esperamos que este artigo tenha ajudado você a conhecer um distúrbio da comunicação que não é tão divulgado. Além disso, na presença de qualquer um dos sintomas mencionados acima, não hesite em consultar o seu médico de confiança.

 
  • Hernández Jaramillo, Janeth, & Uribe Granja, Manuel Guillermo. (2011). LOS DESÓRDENES DEL LENGUAJE: DE LAS NEUROCIENCIAS A LA NEURO-REHABILITACIÓN. Revista de la Facultad de Medicina, 59(1), 56-67. Retrieved April 26, 2019, from http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-00112011000100007&lng=en&tlng=es.
  • Marín Venegas, A., Sepúlveda Garrido, C., & Bello Mesina, F. (2017). Terapias para el tratamiento de la disartria en niños con parálisis cerebral: una revisión sistemática. Rehabil. integral (Impr.), 12(2), 66-74.
  • Mateo-Sierra, O., Gutiérrez, F.A., Fernández-Carballal, C., Pinilla, D., Mosqueira, B., Iza, B., & Carrillo, R.. (2005). Mutismo acinético relacionado con hidrocefalia y cirugía cerebelosa tratado con bromocriptina y efedrina: revisión fisiopatológica. Neurocirugía, 16(2), 134-141. Recuperado en 26 de abril de 2019, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1130-14732005000200005&lng=es&tlng=es.
  • Rodrigo Agudo, J. L., Valdés Mas, M., Vargas Acosta, A. M., Ortiz Sánchez, M. L., Gil del Castillo, M. L., Carballo Álvarez, L. F., & Pons Miñano, J. A.. (2008). Presentación clínica, diagnóstico y evolución a largo plazo en 29 pacientes con enfermedad de Wilson. Revista Española de Enfermedades Digestivas, 100(8), 456-461. Recuperado en 26 de abril de 2019, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1130-01082008000800002&lng=es&tlng=es.