Diferença entre demência senil e Alzheimer

4 de abril de 2019
A demência senil e o mal de Alzheimer são dois termos amplamente utilizados. No entanto, nem todo mundo sabe o significado de cada um. A seguir, explicamos isso.

A demência senil e a doença de Alzheimer são patologias diferentes. No entanto, é verdade que em ambas ocorre a demência. Mas o que é a demência?

A demência é definida como uma diminuição do nível intelectual em relação ao nível anterior de conhecimento. Durante isso, as funções mais altas se deterioram. Assim, a atenção, concentração, e a capacidade de memória são perdidas. A compreensão e a expressão da linguagem, as habilidades matemáticas, e a coordenação psicomotora também se perdem.

Outras funções superiores afetadas durante a demência são o planejamento e execução de tarefas, e a resistência à fadiga. A capacidade de julgamento, a vontade, o pensamento abstrato, a regulação afetiva, e o controle de impulsos também são afetados.

Existem várias causas possíveis de demência. Entre elas estão o Alzheimer, as doenças vasculares, e outras doenças do sistema nervoso central.

Demência senil e doença de Alzheimer

Em seguida, procederemos à definição dessas duas patologias para esclarecer a distinção entre elas.

Demência senil

São chamadas de demência senil aquelas demências que aparecem nos idosos. Realmente não é uma doença concreta. De acordo com a Alzheimer’s Association, é um conjunto de sintomas, incluindo deficiência de memória, e outras capacidades de raciocínio. Esses sintomas são graves o suficiente para interferir na vida diária.

Demência senil e doença de Alzheimer pode provocar depressão

Isto é, a demência senil pode referir-se a qualquer tipo de demência. Como tal, pode ser causada por várias doenças. Assim, uma demência senil pode corresponder à doença de Alzheimer, uma doença vascular, ou uma doença do sistema nervoso central.

Sagrario Manzano coordena o Grupo de Estudo do Comportamento e Demência da Sociedade Espanhola de Neurologia. Segundo esse médico, o uso do termo demência senil está errado. Isso porque a demência pode afetar pessoas de qualquer idade.

Você pode estar interessado em: Menina de 12 anos cria aplicativo para se comunicar com sua avó com Alzheimer

Doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é outro tipo de demência. No entanto, sua etiologia é bem identificada. É caracterizada pela perda de neurônios, com a consequente perda de densidade sináptica (sinapse refere-se à conexão entre dois neurônios). Além disso, várias substâncias, como o material amiloide, são depositadas no tecido nervoso.

Também ocorrem alterações nos neurotransmissores, e o córtex cerebral se atrofia.

Diferenças entre demência senil e doença de Alzheimer

Localização das lesões

A doença de Alzheimer é uma demência do tipo cortical. Assim, é a substância cinzenta encefálica que se vê afetada. Portanto, as funções controladas pela matéria cinzenta (córtex) são afetadas. Estas são, fundamentalmente, o julgamento, a memória, a linguagem, a atenção, e a concentração.

Diferenças entre demência senil e doença de Alzheimer na ressonância

A demência senil pode ser cortical ou subcortical. Assim, além de afetar as funções acima, as funções governadas pela camada cerebral subcortical podem ser afetadas. Estas incluem a psicomotricidade, a desregulação afetiva, a lentidão, a apatia, e perda de memória. Além disso, duas circunstâncias são características da demência subcortical:

  • Apraxias: perda da capacidade de realizar movimentos corretos.
  • Agnosias: perda de capacidade de reconhecer estímulos.

No entanto, vale ressaltar que praticamente todas as demências se tornam mistas à medida que evoluem.

Descubra também: Poderosa bebida de cúrcuma, canela e mel para estimular o seu cérebro

Progressão do quadro

O quadro clínico da doença de Alzheimer progride por aproximadamente 5 a 10 anos. Ela se desenvolve em etapas. A primeira delas mostra uma diminuição na resistência à fadiga e da capacidade de adaptabilidade em atividades extraordinárias. Pequenos esquecimentos e negação da doença também aparecem, mas também preocupação e ansiedade.

Durante o segundo estágio há dificuldade de se adaptar às tarefas extraordinárias. Nesta também ocorre com a perda de atenção, concentração e memória, e quadros depressivos.

No terceiro estágio há uma diminuição na capacidade de se adaptar às tarefas comuns. Além disso, a desregulação afetiva é experimentada. Durante o quarto estágio, a capacidade de se adaptar às tarefas comuns já está severamente diminuída. A pessoa não está ciente de sua doença e muda sua personalidade.

O quinto estágio é experimentado com o comprometimento cognitivo já muito sério. Finalmente, durante a sexta etapa o paciente não reconhece mais seus parentes e fica totalmente dependente.

Por outro lado, desenvolvem-se demências vasculares devido a acidentes isquêmicos transitórios (AIT). Isso significa que o dano é cumulativo, e a evolução acontece em saltos. Ocorrem diminuições abruptas das funções superiores, seguidas por estabilizações.

Outras demências são devidas a doenças mais específicas do sistema nervoso. Assim, seu quadro clínico obedecerá à uma doença específica.

Assim, a doença de Alzheimer é uma doença que progride lentamente. No entanto, a demência senil pode evoluir:

  • Paulatinamente: se a demência senil for do tipo Alzheimer.
  • Em saltos: se a demência senil for do tipo vascular.
  • De acordo com doenças específicas do sistema nervoso.

Epidemiologia

Finalmente, a demência do tipo Alzheimer afeta mais mulheres. No entanto, a demência senil afetará mais os homens se sua causa for vascular.