Desmame do bebê: como introduzir os primeiros alimentos?

O desmame do bebê é um momento crucial na vida do seu filho. Por isso, o processo deve ser realizado com paciência e lembrando que é comum haver uma certa rejeição inicial.
Desmame do bebê: como introduzir os primeiros alimentos?

Última atualização: 29 Abril, 2021

O desmame do bebê é o processo por meio do qual ele deixa de consumir o leite materno. Essa etapa pode ser realizada em diferentes idades, pois como e quando começar é algo que depende de cada família. Em qualquer caso, deve ser uma experiência gradual e amorosa.

O desmame é influenciado por aspectos biológicos, sociais e culturais. A ciência não estabeleceu como e quando deve ser feito, embora se saiba que o aleitamento materno exclusivo é muito necessário até os 6 meses e, segundo a Organização Mundial da Saúde, a amamentação pode ser mantida até os dois anos ou mais.

Um processo variável

Na cultura inuit, por exemplo, a amamentação é praticada até por volta dos 7 anos. Por outro lado, nas culturas ocidentais, esses períodos longos não são comuns. Quando e como terminar é uma decisão que tem a ver com os aspectos sociais e com cada mãe e seu filho.

No entanto, algumas entidades internacionais indicam que a amamentação deve se estender até 2 anos no máximo. Recomenda-se também que, até os 6 meses, a criança seja alimentada apenas com leite materno, exclusivamente, já que ele contém todos os nutrientes necessários para essa fase.

Amamentação exclusiva
A Organização Mundial da Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo por até 6 meses.

Tipos de desmame de um bebê

O desmame do bebê pode ser de diferentes tipos. O forçado é aquele que deve ser feito por motivos médicos ou outros motivos de força maior que impeçam a continuidade da amamentação. Exemplos disso são a separação prolongada mãe-bebê ou doenças infecciosas.

O desmame voluntário é feito a pedido da criança ou a pedido da mãe. No primeiro caso, pode acontecer que a criança não queira continuar a mamar ou que perca o interesse aos poucos. Por outro lado, no segundo, a mãe decide interromper a amamentação por motivos pessoais ou de trabalho.

É preciso ter em mente que o bebê pode expressar o seu desagrado ao desmamar se não tiver sido iniciativa dele. Este é um processo que exige esforço e o ideal é realizá-lo aos poucos, com muita paciência.

Como introduzir os primeiros alimentos sólidos?

As diretrizes a respeito de quando começar a introdução de alimentos sólidos e de como deve ser esta oferta mudaram ao longo do tempo. Em geral, os pediatras recomendam que o bebê comece a ingerir sólidos quando conseguir manter a cabeça erguida e abrir a boca ao sentir que o alimento se aproxima. Isso gira em torno dos 4 aos 6 meses.

O bebê que nunca comeu alimentos sólidos pode manifestar dificuldades e até rejeição às primeiras refeições. É aconselhável dar meia colher de cada vez, para que seja mais fácil mover os alimentos da parte da frente da boca para trás. Você pode dar a ele algumas colheradas de leite materno antes da refeição, para que a situação não pareça tão estranha.

Não é bom forçar o bebê a comer. O importante é tentar cantar para ele e fazer brincadeiras que o ajudem a aderir gradativamente ao novo aprendizado. Se ele não tiver comido o suficiente para se alimentar, deve ser alimentado com leite materno ou com mamadeira.

Existem duas maneiras de introduzir os primeiros alimentos sólidos na dieta do bebê: a tradicional, que inclui papinhas no início e, depois, alimentos com outras texturas, e a regulada pelo bebê, na qual ele pode pegar pedaços de comida com as mãozinhas, colocá-los na boca e prová-los, e assim se adaptar melhor aos alimentos sólidos.

Complemento ao aleitamento
O desmame é um processo longo que requer paciência. Outros tipos de leite podem ser usados como complemento, caso seja necessário.

Dicas para o desmame do bebê

O desmame do bebê deve ser progressivo. Esse processo de interrupção do leite materno como alimento principal não é igual para todos os bebês. Em crianças menores de 12 meses, é realizado reduzindo o consumo gradativamente. Por outro lado, em crianças com idade superior, costuma-se utilizar o método da distração, como fazer brincadeiras ou sair para passear.

Você pode dizer à criança que dará o “mamá" quando chegar em casa ou distraí-la com um brinquedo que chame a sua atenção e a faça esquecer, por um momento, a sua vontade de mamar. Quando o bebê já tiver desenvolvido alguma compreensão, você pode negociar com ele; por exemplo, ele só vai tomar leite materno antes de dormir.

É importante observar que o desmame do bebê não deve começar em momentos cruciais da sua vida, como quando ele acabou de entrar na creche, se mudou recentemente de casa ou está vivenciando a chegada de um irmão mais novo. Isso também não deve ser feito durante os chamados picos de crescimento.

É importante ter em mente que o desmame é estressante para a criança. Por esta razão, o ideal é ter muita paciência e não desistir.

Pode interessar a você...
Situações em que não se deve amamentar
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Situações em que não se deve amamentar

Existem situações em que não se deve amamentar? Infelizmente sim. Junte-se a nós para saber quais são e como agir diante delas.



  • Odent, M., Cisneros, M. V., & Balbás, M. J. (2007). El bebé es un mamífero. Ob Stare.
  • Oribe, M., Lertxundi, A., Basterrechea, M., Begiristain, H., Santa Marina, L., Villar, M., … & Ibarluzea, J. (2015). Prevalencia y factores asociados con la duración de la lactancia materna exclusiva durante los 6 primeros meses en la cohorte INMA de Guipúzcoa. Gaceta Sanitaria, 29(1), 4-9.
  • International Baby Food Action Network, and UNICEF. “Lactancia materna: una estrategia para mejorar la salud, el crecimiento y la nutrición del lactante y del niño pequeño.” (2004).
  • Castillo Belén, Juan Ramón, et al. “Lactancia materna e inmunidad: Impacto social.” Medisan 13.4 (2009): 0-0.
  • Roy, M. R. (2006). El destete natural. Medicina naturista, (10), 161-167.
  • Díaz-Gómez, N. M. “¿ En qué situaciones está contraindicada la lactancia materna.” Acta Pediatr Esp 63.8 (2005): 321-327.
  • Vidal, A. Viñas. “La lactancia materna: técnica, contraindicaciones e interacciones con medicamentos.” Pediatría Integral 15.4 (2011): 317-328.
  • Díaz-Gomez, M. “Contraindicaciones y falsas contraindicaciones para la lactancia materna.” J. Maldonado, J. Ansótegui, M. Gómez, A. Papí, M. Aguilar, L. Rivera,… & D. Gómez de La Torre (Eds.), Lactancia materna: Guía para profesionales 5 (2004): 107-118.
  • Romero-Velarde, Enrique, et al. “Consenso para las prácticas de alimentación complementaria en lactantes sanos.” Boletín médico del Hospital Infantil de México 73.5 (2016): 338-356.
  • Garibay, Edgar M. Vásquez, et al. “Recomendaciones para la alimentación del niño durante los primeros 23 meses de vida.” Pediatría de México 14.1 (2012): 25-42.