Descubra como prevenir a neuroinflamação devido à depressão

A neuroinflamação é uma condição que pode resultar da depressão, assim como do estresse. A seguir, vamos dar algumas dicas para mudar o seu estilo de vida e assim tentar preveni-la.
Descubra como prevenir a neuroinflamação devido à depressão

Última atualização: 17 Maio, 2021

A neuroinflamação devido à depressão é muito mais comum do que pensamos. Mas sobre o que estamos realmente falando? A neuroinflamação é uma resposta inata do cérebro que nos protege de estímulos nocivos. No entanto, é uma solução emergencial que está longe de ser saudável.

Quais são esses estímulos dos quais a neuroinflamação nos protege? Alguns deles são o estresse crônico ou leve, ou certos traumas. No entanto, o estímulo que hoje nos preocupa é a depressão. Como podemos prevenir a neuroinflamação devido à depressão? Hoje vamos dar algumas dicas para alcançar esse objetivo.

Como prevenir a neuroinflamação por depressão?

Como indica a literatura científica, a neuroinflamação é um processo cerebral inato que se ativa sozinho após um notável esforço do sistema imunológico. É por isso que é importante ter em mente que não podemos prevenir a neuroinflamação como tal, mas é verdade que fatores como o estresse podem desempenhar um papel em seu aparecimento. Portanto…

1. Reduzir o estresse é o mais importante

O estresse é uma das causas da depressão que podem causar a neuroinflamação. No entanto, em um mundo que se move cada vez mais rápido e induz os seres humanos a seguir nesse ritmo, o estresse se instalou em nossas vidas como algo “natural” quando não deveria ser.

É normal que nos sintamos estressados em certas ocasiões. Pode até nos estimular e favorecer nossa produtividade, nos ativando. No entanto, quando o estresse se torna crônico e afeta negativamente nossas vidas, precisamos prestar atenção.

 

De que maneiras podemos reduzir o estresse diário? Para isso, vamos apresentar algumas dicas a se considerar:

  • Seja assertivo: aprenda a dizer “não” quando não puder ou quiser fazer algo. Dessa forma, você evitará acumular tarefas e responsabilidades que não pode assumir.
  • Aprenda a delegar: não é necessário fazer todo o trabalho sozinho. Se você se sentir sobrecarregado, peça ajuda a um colega de trabalho ou amigo. Certamente eles estarão dispostos a te ajudar.
  • Não exagere as coisas: o estresse pode ser o resultado de pensamentos exagerados demais que você está tendo sobre a situação. Coloque os pés no chão e analise o problema da maneira certa.
  • Pare de pensar no futuro: é bom ter os olhos no futuro, mas você não deve viver em constante ansiedade diante do que ainda não aconteceu. Foque-se no aqui e agora.

Recomendamos também ler: Em meio ao estresse, relaxe

2. Eliminar os pensamentos obsessivos

Tire o poder de tudo o que o perturba
Uma maneira de gerenciar o colapso mental é aprender técnicas de resolução de problemas. Além disso, é conveniente praticar técnicas de relaxamento.

Outra maneira de prevenir a neuroinflamação é eliminar os pensamentos obsessivos. Se tendemos a pensar muito nas coisas, mergulhando em pensamentos que giram e giram sem parar, é melhor buscar uma solução para isso.

Os pensamentos obsessivos podem gerar muito estresse. É importante saber de onde eles vêm, se eles estão sendo úteis e se estão presentes apenas para ocupar espaço em nossa mente, em vez de nos levar a agir e tomar decisões.

Nesse caso, não se trata de fugir ou reduzir os pensamentos, e sim de enfrentá-los da maneira mais inteligente. Não rumine uma ideia, expresse-a. Se você estiver obcecado por alguém, fale para essa pessoa. Não fique sem fazer nada.

 

Imagine que você tem um grande medo de ficar sozinho, de que seu parceiro o abandone. Não fique ruminando sobre isso, tornando-se amargo e com medo. Converse com o seu parceiro e, depois, com um profissional que lhe permita enfrentar esse medo na sua vida.

3. Mude seu estilo de vida

Algumas pesquisas, como a realizada em 2015 por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Lisboa, revelam a relação entre os sintomas depressivos e a neuroinflamação.

É por isso que a melhor coisa nesse caso é levar um estilo de vida saudável que mantenha os sintomas depressivos sob controle. A melhor maneira de fazer isso, além de tratar todos os itens acima, é modificar nossos hábitos de vida. Algumas dicas que podem ser úteis são as seguintes:

  • Fazer exercício: pode ajudar você a se sentir mais positivo e alegre, e a reduzir seu estresse, fazendo você se sentir melhor consigo mesmo. Sem dúvida, é uma atividade importante contra a neuroinflamação devido à depressão.
  • Realizar práticas de relaxamento: experimente algo novo, como a ioga e a meditação. Essas duas práticas permitirão que você se conheça melhor e administre suas emoções de uma maneira mais saudável.
  • Alimentar-se de forma saudável: comer de forma saudável faz você se sentir melhor, algo que não acontece se optar por junk foods e hábitos nocivos, por exemplo, excesso de álcool ou cigarro.

Neuroinflamação por depressão: um novo estilo de vida

Como dissemos, prevenir a neuroinflamação devido à depressão não é possível, mas existem algumas medidas que podemos tomar. E se começarmos a apostar em um novo estilo de vida? Você tem a coragem necessária para mudar?

Pode interessar a você...
7 sintomas de que seu corpo não está nada bem
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
7 sintomas de que seu corpo não está nada bem

A saúde física e mental é fundamental para uma boa qualidade de vida. Muitas vezes por descuido ou por medo de ir ao médico, deixamos passar sintomas ou advertências que o corpo nos envia para nos dizer que não está tudo bem.



  • Courtet, P., Ducasse, D., & Giner, L. (2015). Neuroinflamación en las conductas suicidas. Repercusiones clínicas y sociales de la conducta suicida. Encuentros en Psiquiatria. Enfoque Editorial, Madrid, 29-47.
  • Gárate Pérez, I. (2012). Estudio sobre el papel de la vía del receptor TLR-4 en la neuroinflamación inducida por estrés (Doctoral dissertation, Universidad Complutense de Madrid).
  • Guerrero, J. A. J. Estrés, neuroinflamación y neurotransmisión. Omega3, 4.
  • Brites, D., & Fernandes, A. (2015). Neuroinflammation and depression: microglia activation, extracellular microvesicles and microRNA dysregulation. Frontiers in cellular neuroscience, 9, 476.