Demência: hábitos que ajudam a diminuir sua aparição

· 15 de novembro de 2018
Para reduzir o risco de demência é fundamental manter-se ativo, tanto físicamente como mentalmente, a fim de favorecer a circulação e as conexões neuronais. A interação social também é muito benéfica. 

Mesmo que pareça improvável, as relações interpessoais são fundamentais para prevenir a demência. Embora esta doença aumente progressivamente, afetando muitas funções cerebrais, alguns hábitos podem nos ajudar a diminuir o risco de demência.

Neste artigo você descobrirá a importância de ter uma atitude ativa e uma mente sempre pronta para estimular a atividade cerebral. Também não devemos esquecer que é fundamental a estabilidade emocional.

A demência

A demência é caracterizada pela perda ou diminuição de algumas faculdades mentais. Acima de tudo, afeta a memória, o comportamento e a capacidade de raciocínio. Essa deterioração infelizmente é geralmente crônica e progressiva. Tipicamente, manifesta-se em pessoas de idade avançada, a ponto de se tornarem dependentes de todos os tipos de cuidados.

Além da predisposição genética, existem alguns fatores que podem aumentar o risco de demência:

  • Hipertensão arterial
  • Níveis elevados de colesterol
  • Fumar
  • Diabetes
  • Alguns tipos de depressão
  • Contusões na cabeça que levam à perda de consciência
  • Doença cerebrovascular
  • Exposição a metais pesados ​​como o mercúrio

Não perca: Os 8 melhores alimentos para melhorar a memória e a agilidade mental

Como diminuir o risco de demência

1. Estimule a memória

Usar a memória ajuda a diminuir o risco de demência

A perda de memória é um dos sintomas mais comuns da demência. Por essa razão, temos que nos propor exercitar todos os dias essa capacidade cerebral. Toda noite, quando formos para a cama, podemos fazer uma revisão mental do que fizemos durante o dia, e dos detalhes de que nos lembramos.

Outra maneira de exercitar a memória consiste em prestar toda a atenção possível cada vez que visitamos um novo local, fazemos uma nova atividade, ou conhecemos alguém. Vamos nos concentrar em rever o que aprendemos e relacionar isso com questões sensoriais que nos ajudam.

2. Estimule suas habilidades

Há pessoas que têm mais interesse em números, enquanto outras optam pelas letras. Quaisquer que sejam seus gostos, embora seja apropriado dedicar tempo a tudo, devemos procurar maneiras de nos divertir com exercícios mentais.

Uma excelente opção, se tivermos interesse ​​nos cálculos, é o sudoku, que se tornou tão popular nas últimas décadas. Por outro lado, se preferirmos as letras, devemos ler todos os dias um pouco.

3. Participar de reuniões e debates

Qualquer tipo de atividade social em que haja interação com outras pessoas e outras formas de pensar estimula o cérebro, e por isso ajuda a diminuir o risco de demência.

Por exemplo, participar de reuniões aumenta a atividade cerebral através da troca das diferentes opiniões.

O fato de discutir e defender uma ideia coloca os neurônios para trabalhar, e reativa muitas capacidades que, com a demência, tendem a se atrofiar.

Através da linguagem, neste tipo de conversas ou debates com amigos, exercita-se a memória, o raciocínio e a criação de ideias.

Esse aspecto é necessário, pois algumas doenças, como o Alzheimer, afetam na pessoa o aprendizado de novas informações.

4. Procure a estabilidade emocional

Hábitos que ajudam a diminuir o risco de demência: estabilidade emocional

É muito importante que a pessoa que sofre de demência sinta o amor e a compreensão no ambiente familiar. Para muitos é difícil lidar com a doença degenerativa de um ente querido.

No entanto, a estabilidade emocional ajuda a melhorar a qualidade de vida da pessoa afetada.

A atenção ao paciente, portanto, deve ser integral. Deve-se cuidar não apenas das necessidades fisiológicas, mas também das afetivas, familiares, e sociais.

Desta forma podemos prevenir ou, se já se sofre de demência, retardar em grande medida a perda de capacidades.

Descubra este artigo: Menina de 12 anos cria aplicativo para se comunicar com sua avó com Alzheimer

5. Tenha uma atitude ativa

Um bom hábito que ajuda a reduzir o risco de demência é a atividade física, ou melhor, todo tipo de esforço, seja mental ou físico.

Através do esporte, melhora-se a saúde cardiovascular do organismo e a circulação sanguínea.

Por isso, ter uma atitude ativa e vital, com um estilo de vida saudável, é a melhor forma de prevenir esta doença degenerativa.

Nesta mesma linha, um bom conselho para colocar-se em prática, é fazer 30 minutos de exercício diário apropriado para a nossa idade e forma física. Na verdade, o que temos mais dificuldade em fazer, é no que mais devemos insistir. Temos que manter um pensamento jovem, ativo e positivo, e também aprender a nos adaptar às mudanças.