Por que não se deve consumir abacate em excesso?

07 Maio, 2020
O consumo excessivo de abacate pode trazer riscos para a sua saúde. A porção recomendada é de apenas um quinto de um abacate, o que equivale a aproximadamente 30 gramas.
 

Você gosta de abacate? Embora seja um alimento saudável, uma vez que contém gorduras e vitaminas importantes, você não deve consumir abacate em excesso, pois isso poderá ter consequências para a sua saúde.

Você quer saber mais sobre quais podem ser os efeitos negativos do consumo excessivo de abacate? Descubra-os a seguir.

O que é o abacate?

O abacate é o fruto do abacateiro (Persea americana), uma árvore da família das lauráceas. É um alimento muito benéfico devido ao seu teor de gorduras saudáveis, minerais como o potássio e vitaminas como o ácido fólico.

Composição nutricional

Por que não se deve consumir abacate em excesso?
O abacate é um alimento rico em gorduras saudáveis ​​e vitaminas como o ácido fólico.

É uma fruta muito completa do ponto de vista nutricional, pois é composta pelos seguintes nutrientes:

  1. Gorduras: É muito rico em gorduras saudáveis. 70% destas são insaturadas, ou seja, aquelas que reduzem os níveis de colesterol mau ou LDL.
  2. Minerais: contém 60% mais potássio do que a banana, e por isso é uma fonte rica nesse mineral. Além disso, também possui magnésio e um baixo teor de sódio.
  3. Vitaminas. Contém vitamina A, C, E, vitaminas do complexo B e ácido fólico.
  4. Fibras vegetais.
  5. Carboidratos.

Propriedades e benefícios do consumo de abacate

 
Saúde do coração
Devido às suas contribuições, o abacate é um excelente alimento para prevenir as doenças cardiovasculares.

O abacate tem inúmeras propriedades e benefícios para a saúde. No entanto, sem dúvida o mais notável é o quão saudável ele é para o coração. Isso ocorre porque ele é rico em ácido oleico. Essa gordura monoinsaturada reduz o colesterol mau ou LDL e aumenta o colesterol bom ou HDL.

Além disso, por ser uma importante fonte de potássio e ter um baixo teor de sódio, ajuda a regular a pressão sanguíneaprevenindo derrames e doenças cardíacas.

Ele também contém uma quantidade significativa de ácido fólico, o que ajuda a prevenir doenças cardiovasculares e derrames. Devido a esta contribuição, é um alimento interessante para o consumo durante a gravidez.

Nas dietas de emagrecimento e na prática de esportes, é ideal pois sacia bastante e por muito tempo, além de fornecer energia e regular os níveis de açúcar no sangue.

Você também pode se interessar: Como preparar um molho cremoso de abacate

Por que não devemos consumir abacate em excesso?

Manter um peso saudável
Se o seu consumo for excessivo, pode causar problemas relacionados ao ganho de peso.
 

Os especialistas em nutrição concordam que este é um alimento rico em gorduras saudáveis ​​do tipo ômega 3, além de fornecer uma boa quantidade de vitaminas e minerais ao organismo.

No entanto, o seu consumo excessivo pode causar inúmeros efeitos negativos para a saúde, como o ganho de peso e várias deficiências devido à falta de alguns nutrientes que este alimento não fornece.

1. Ganho de peso

O abacate é rico em gorduras saudáveis e tem um alto teor calórico. Um abacate de tamanho normal pode fornecer quase 25 gramas de gordura e cerca de 300 calorias. Há muitas pessoas que não sabem disso e exageram na ingestão.

É por isso que você deve comê-lo moderadamente e sem exagerar, especialmente para pessoas com problemas de sobrepeso. A gordura do abacate é saudável para o corpo, mas, sendo bastante calórica, deve ser consumida moderadamente e em pequenas quantidades.

“Do ponto de vista nutricional, o alto teor calórico é um problema. Apenas uma fração de uma unidade do abacate é necessária para obter os benefícios, e consumi-lo em excesso é desnecessário”.
– Dr. Andrew Freeman, cardiologista da National Jewish Health –

2. Falta de nutrientes

O abacate fornece uma boa quantidade de nutrientes ao organismo, mas são necessários outros tipos de alimentos para tornar a dieta o mais equilibrada possível. O abacate deve fazer parte de uma dieta variada, juntamente com carne, peixes e vegetais.

Há pessoas que pensam que comer muito abacate pode ajudar a perder peso e fornecer os nutrientes de que o corpo precisa para ter um melhor rendimento diário. No entanto, isso é um erro e é bom lembrar que o abacate não fornece proteínas e carece de alguns minerais essenciais para o corpo.

 

Leia também: 7 razões para nunca mais jogar o caroço do abacate fora

3. Lesão hepática

Muitas pessoas não sabem, mas o consumo excessivo de abacate pode ser prejudicial para uma pessoa que tem algum tipo de problema no fígado. O abacate contém algumas substâncias, como o anetol e o estragol, que podem causar doenças no fígado em pessoas com pré-disposição.

Nesse caso, reduza seu consumo e consulte um especialista a respeito da possibilidade de incluir esse alimento em sua dieta regular.

4. Possível risco de alergias

Embora não seja algo comum, algumas pessoas podem desenvolver uma alergia relacionada ao consumo de abacate. Nesse caso, a ingestão deve ser evitada para prevenir reações indesejadas.

Como você pode perceber, consumir abacate em excesso pode trazer riscos para a sua saúde. A porção recomendada é de apenas um quinto de um abacate, o que equivale a aproximadamente 30 gramas.

Portanto, adotar uma dieta variada e equilibrada é o caminho para se manter saudável. Em caso de dúvida, consultar um nutricionista sempre irá ajudá-lo a tomar as medidas apropriadas.

 
  • Bergh, B. (1992). The avocado and human nutrition. I. Some human health aspects of the avocado. In Proc. of Second World Avocado Congress (pp. 25-35).
  • Fulgoni, V. L., Dreher, M., & Davenport, A. J. (2013). Avocado consumption is associated with better diet quality and nutrient intake, and lower metabolic syndrome risk in US adults: results from the National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES) 2001–2008. Nutrition journal12(1), 1.
  • Weschenfelder, C., dos Santos, J. L., de Souza, P. A. L., de Campos, V. P., & Marcadenti, A. (2015). Avocado and cardiovascular health. Open Journal of Endocrine and Metabolic Diseases5(07), 77.