Consequências e efeitos da umidade na saúde

23 Dezembro, 2019
Baixos níveis de umidade oferecem um cenário favorável para a ocorrência de vírus e doenças respiratórias, por isso é importante mantê-los estáveis para evitar problemas de saúde.
 

A umidade afeta diretamente a quantidade de alérgenos e microrganismos no ambiente. Em particular, a alta umidade faz com que as populações de ácaros e colônias de fungos cresçam, o que afeta muito as pessoas alérgicas. Portanto, focaremos em quais são as consequências e os efeitos da umidade para a saúde.

Mesmo pessoas não alérgicas sofrem os efeitos da umidade quando seus níveis são altos. Sabemos que ninguém gosta do calor pegajoso. Mas, você já se perguntou por que o ar quente e úmido nos faz sentir tão desconfortáveis? Ou, por que o ar extremamente seco também pode causar desconforto?

É importante manter os níveis de umidade dentro de uma faixa específica para que os extremos não nos afetem. Não se trata apenas de manter as alergias sob controle, mas também de segurança. Em seguida, falaremos mais sobre esse assunto. Confira.

Efeitos do excesso de umidade no corpo

A umidade aumenta a sensação térmica do ambiente, tornando-o mais desconfortável.

Uma das razões pelas quais a umidade torna o clima quente mais insuportável é que, quanto maior ela for, mais alta será a temperatura. Quando você está em um local úmido, a sensação térmica pode ser mais alta, mesmo que a temperatura esteja em um nível suportável. Mas, por que ela nos faz sentir mais calor? Para entender isso, precisamos saber como nosso corpo nos resfria ou como regula a temperatura.

Leia ademais este artigo: Estresse térmico por calor, em que consiste?

Ela ajuda no resfriamento do corpo

 

A transpiração, um dos principais mecanismos de resfriamento do corpo, só funciona para nos resfriar se a água produzida quando a temperatura subir for excretada pela pele e evaporar. Assim, é aqui que entra a umidade. A concentração de água no ar em relação à temperatura determina a taxa na qual a água pode evaporar da pele. Por isso, quando o ar contém mais umidade, é mais difícil absorver o suor da pele.

O resultado? Suamos e suamos, mas, em vez de sentir alívio, apenas nos sentimos quentes e pegajosos. Quando a alta umidade relativa afeta a capacidade de resfriamento da transpiração, o corpo é finalmente forçado a fazer outras coisas para nos resfriar.

Quando a transpiração não funciona para nos resfriar e continuamos a esquentar, o resultado é superaquecimento. Isso causa a perda de água, sal e compostos que o corpo precisa. O superaquecimento ou exaustão pelo calor pode causar desidratação e desequilíbrios químicos no corpo.

Quando o quadro de superaquecimento é grave, pode resultar em:

  • Cãibras
  • Síncope ou desmaio
  • Exaustão ou fraqueza
  • Insolação

As principais maneiras de evitar superaquecimento são, antes de tudo, levar em conta não apenas a temperatura, mas também o índice de calor. É essencial beber muita água, reduzir o esforço de uma atividade física e se refrescar observando quaisquer sinais de fadiga ou aumento do pulso.

Quanto mais seco o ar, mais rápido ele esfriará e mais frio seu corpo se sentirá. Além de criar um ambiente mais confortável, os alérgenos que costumam prosperar em condições mais quentes e úmidas também são reduzidos.

 

Também recomendamos a leitura: Purificadores de ar, aliados contra o pólen

Efeitos da baixa umidade no corpo

Mulher tossindo.

Enquanto em muitas áreas não é incomum ver uma umidade relativa acima de 80% durante o verão, os meses de outono podem trazer níveis tão baixos quanto 20%. Seus efeitos em níveis baixos se manifestam principalmente em duas áreas: a pele e o sistema respiratório.

Entre os sinais que indicam a manifestação de baixa umidade no sistema respiratório estão:

  • Passagens nasais secas
  • Garganta irritada ou arranhada
  • Maior disseminação de doenças

Por sua vez, os efeitos da baixa umidade na pele são apresentados através de:

  • Pele seca
  • Lábios rachados
  • Olhos secos

A umidade, alta ou baixa, pode ter consequências negativas para a saúde do corpo. Lembre-se: a umidade relativa depende da temperatura. Esses dois fatores estão integralmente ligados e as mudanças em um afetam o outro. Manter um nível de umidade relativa entre 35% e 50% é geralmente o ideal. Isso não apenas permite que o corpo funcione normalmente, mas também evita o crescimento de alérgenos, como ácaros e mofo.

Por fim, tendo todas essas coisas em mente, você terá uma melhor compreensão de como seu corpo funciona em relação ao seu entorno. Assim, você pode tomar as precauções apropriadas para evitar que os efeitos da umidade afetem sua qualidade de vida.

 
  • Carrillo, T. (2012). Libro de las enfermedades alérgicas de la fundación BBVA. Alergia al polvo: ¿qué son los ácaros y cómo evitarlos?
  • OpenCourseWare. Universidad Politécnica de Madrid. Tabla para calcular sensación térmica por efecto del calor.

ocw.upm.es/ingenieria-agroforestal/climatologia-aplicada-a-la-ingenieria-y-medioambiente/contenidos/tema-13/Tabla-para-calcular-sensacion-termica-por-efecto-del-calor-y-la-humedad.pdf

  • A V Arundel, E M Sterling, J H Biggin, T D Sterling. Indirect health effects of relative humidity in indoor environments. (1986).

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1474709/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1474709/
  • Baughman, A. Arens, Edward A. Indoor Humidity and Human Health–Part I: Literature Review of Health Effects of Humidity-Influenced Indoor Pollutants. (1996).