Como prevenir uma infecção neonatal?

· 10 de maio de 2019
A prevenção é a chave para evitar a sepse do recém nascido, uma infecção que pode acabar com a vida do bebê.

A infecção neonatal ou sepse é uma condição grave que afeta aos recém-nascidos e que, se não receber o tratamento adequado a tempo, pode causar sérios resultados.

Você sabe do que estamos falando? Descubra em nosso artigo porque acontece, como pode ser prevenido e quais são seus sintomas, diagnóstico e tratamento. Não o perca!

O que é uma infecção neonatal?

Na infecção neonatal há bactérias

O recém-nascido é mais propenso a desenvolver infecções devido à falta de maturação do sistema imunológico. A infecção neonatal, também conhecida como sepse, é uma infecção do sangue que ocorre em recém-nascidos ou bebês com menos de 90 dias. A sepse pode aparecer durante a primeira semana de vida (surgimento precoce) ou entre 7 e 90 dias de vida (surgimento tardio). Mas, em ambos os casos, a sepse ocorre devido a:

  • A presença de bactérias, como E. coli.
  • Certas cepas de estreptococos (grupo B – GBS).
  • O vírus herpes simplex (HSV).

Infecção neonatal de surgimento precoce

Em geral, a condição ocorre entre 24 e 48 horas após o nascimento do bebê, uma vez que o bebê contraiu a doença antes do nascimento ou durante o parto. Além disso, os fatores de risco que aumentam as chances de a criança sofrer de assepsia são:

  1. Primeiramente, parto precoce.
  2. Presença de estreptococos do grupo B durante a gravidez ou
  3. Infecção do líquido amniótico e/ou placenta.

Leia também: 5 remédios permitidos na gravidez

Infecção neonatal de surgimento tardio

Nestes casos, a infecção ocorre após o parto, ou porque o bebê teve que permanecer no hospital por um longo período de tempo ou porque ele teve um cateter colocado por um longo período.

Prevenção da infecção neonatal

Mãe com recém-nascido

Manter uma zona asséptica e, em casos mais graves, recorrer a antibióticos, são formas de prevenir a transmissão para o recém-nascido. Como sempre, ” é melhor prevenir do que remediar “. Por isso, listaremos abaixo as melhores medidas para prevenir a infecção neonatal. Anote.

1. Tratamento antibiótico para a mulher grávida

Se a futura mãe sofre de condições como a corioamnionite (uma infecção do líquido amniótico e da placenta) ou estreptococos do grupo B, ou se deu à luz no passado a um bebê que teve assepsia, a mãe deve ser medicada para evitar infecção neonatal de surgimento precoce.

Além disso, no caso em que a mulher grávida sofre qualquer tipo de infecção, incluindo o vírus herpes simplex, é necessário recorrer a um tratamento. De fato, os médicos tentarão evitar que a mulher seja infectada ou desenvolva qualquer tipo de infecção.

2. Assepsia no lugar de nascimento

Limpar o local de nascimento do bebê é essencial para impedir que as bactérias entrem no corpo do recém-nascido. Além disso, lembre-se que os bebês são muito vulneráveis ​​durante os primeiros meses de vida.

3. Impedir o atraso do nascimento após o rompimento da bolsa

Quando a mulher rompe a bolsa, o parto deve ser imediato. Assim, deve acontecer dentro de 12 a 24 horas para evitar a contaminação.

Não perca: Fatores de risco durante a gravidez

Sintomas de uma infecção neonatal

Bebê chorando

Diante de qualquer dúvida, é melhor consultar o seu pediatra para evitar mais complicações. Em geral, as medidas preventivas são essenciais para prevenir o aparecimento de infecção neonatal. No entanto, é importante conhecer seus sintomas para estar alerta para qualquer possível alarme:

  1. Pele e parte branca dos olhos amarelos (icterícia).
  2. Movimentos reduzidos, incluindo sucção na hora das refeições.
  3. Convulsões.
  4. Problemas respiratórios.
  5. Ritmo cardíaco lento.
  6. Diarreia e vômito.
  7. Glicemia baixa.
  8. Aumento de temperatura.

Se você notar sintomas de infecção quando voltar para casa do hospital, é melhor consultar um pediatra. Não é necessário ficar alarmado, mas descartar infecções será sua principal tarefa.

Diagnóstico e tratamento

Exame de prevenção infecção neonatal

A aplicação de um tratamento, se positivo, deve ser o mais rápido possível para garantir uma recuperação rápida. O pediatra observará a presença dos sintomas descritos acima e solicitará exames laboratoriais, como os descritos em seguida:

  • O exame de sangue geralmente inclui uma análise da proteína C-reativa, a contagem de células brancas do sangue e uma hemocultura.
  • O médico pode querer examinar o líquido cefalorraquidiano para determinar se as bactérias estão presentes ou não. Nesse caso, uma punção lombar é geralmente realizada.
  • Além disso, podem ser realizadas culturas de fezes, urina e pele.
  • Em caso de problemas respiratórios, uma radiografia do tórax é geralmente recomendada.

O tratamento para bebês menores de um mês que apresentam febre ou qualquer outro sinal de infecção inclui a administração de antibióticos intravenosos imediatamente, mesmo antes de um diagnóstico confirmado.

Além disso, se a mãe sofreu alguma das infecções mencionadas acima, o bebê receberá tratamento mesmo quando não tiver sintomas. No caso da infecção ter sido causada pelo HSV, o medicamento antiviral mais usado é o aciclovir.

Quando os resultados do teste são normais, a criança pode voltar para casa, mas as visitas de acompanhamento são continuadas.

A infecção neonatal é uma afecção grave que pode acabar com a vida do bebê. Por isso, os médicos monitoram a gravidez de perto, tentando evitar a presença de infecções para garantir a segurança da mãe e da criança.

  • Committee on Infectious Diseases; Committee on Fetus and Newborn, Baker CJ, Byington CL, Polin RA.. Policy Statement: Recommendations for the Prevention of Perinatal Group B Streptococcal (GBS) Disease. Pediatrics. 2011;128(3):611-616. PMID: 21807694 www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21807694.
  • Baley JE, Gonzalez BE. Perinatal viral infections. In Martin RJ, Fanaroff AA, Walsh MC, eds. Fanaroff and Martin’s Neonatal-Perinatal Medicine. 10th ed. Philadelphia, PA: Elsevier Saunders; 2015:chap 57.
  • Leonard EG, Dobbs K. Postnatal bacterial infections. In Martin RJ, Fanaroff AA, Walsh MC, eds. Fanaroff and Martin’s Neonatal-Perinatal Medicine. 10th ed. Philadelphia, PA: Elsevier Saunders; 2015:chap 55.
  • Verani JR, McGee L, Schrag SJ; Division of Bacterial Diseases, National Center for Immunization and Respiratory Diseases, Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Prevention of Perinatal Group B Streptococcal Disease, Revised Guidelines from CDC, 2010. Morbidity and Mortality Weekly Report. 2010;59(RR-10):1-36. PMID: 21088663 www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21088663.
    Ultima revisión 4/24/2017