Como prevenir e tratar as queimaduras de águas-vivas

7 de novembro de 2019
As águas-vivas são animais marinhos com corpos gelatinosos e em forma de sino, cujos tentáculos contêm um grande número de neurotoxinas que podem ser prejudiciais e até mesmo letais, como a chamada vespa marinha.

Quando chega o verão, os ventos e as correntes marítimas mudam. É quando as populações de água-viva começam a predominar nas praias e costas. Neste artigo, explicaremos como você pode tratar as queimaduras de água-viva.

A água-viva

Phylum Cnidaria agrupa uma grande diversidade de formas de vida, entre as quais se encontram a água-viva, a caravela-portuguesa, as anêmonas, os corais e a gorgonia ventalina. Conhecida pela beleza de suas cores, é comum encontrá-la em áreas ricas em recifes ou plâncton. Hoje falaremos sobre a água-viva.

As águas-vivas são animais marinhos gelatinosos e com corpo em forma de sino. Eles podem ter tamanho microscópico ou atingir cerca de 2 metros. Sua área inferior é geralmente coberta por tentáculos que podem ter 25 metros de comprimento.  

Embora a sua função seja a de paralisar as suas presas, as células pungentes presentes nos tentáculos podem afetar a nossa pele. E eles contêm uma grande quantidade de neurotoxinas que podem ser prejudiciais e até mesmo letais, como a chamada vespa marinha.

As águas-vivas mais comumente encontradas nas águas espanholas são a Pelagia noctiluca, a medusa e a água-viva do Mediterrâneo (Cotylorhiza tuberculata). Essas três espécies têm em comum o fato de que a sua queimadura é extremamente dolorosa. E como saber se você entrou em contato com uma água-viva?

Confira também: Como organizar um dia na praia

Água-viva

Sintomas das queimaduras de água-viva

  • Erupção cutânea, irritação e vermelhidão.
  • Queimação.
  • Sensação de formigamento e dormência na área afetada.
  • Dor de cabeça leve a moderada.
  • Náusea e tontura.

Como evitar as queimaduras de água-viva?

Recomendamos que, se você for à praia durante o verão, aplique cremes protetores para queimaduras de água-viva. Atualmente, o Safe Sea é a marca que tem a aprovação de médicos internacionalmente, visto que foi criada por cientistas e biotecnologistas marinhos.

A sua linha de produtos é hipoalergênica e resistente à água, para que a sua aplicação no rosto e no corpo seja completamente segura. O produto também oferece proteção solar.

Outras medidas de precaução incluem não tocar nesses animais, mesmo que estejam mortos. Devemos conversar sobre o assunto com as crianças, cuja curiosidade natural as leva a brincar com elas na areia.

Em caso de queimadura:

  • Lave a área afetada com água do mar.
  • Não coce a área afetada com areia.
  • Não pulverize amônia ou urina na área afetada, pois isso não tem eficácia.
  • A pessoa que for remover os tentáculos, deve realizar o procedimento com luvas.
  • Vá imediatamente para a unidade de emergência do hospital mais próximo.

Não deixe de conferir: 5 benefícios psicológicos de praticar natação

Como tratar as queimaduras de água-viva?

  • Aspecto da água-viva

Conhecer as espécies de água-viva é importante para o tratamento. Se você conseguir vê-la, lembre-se de descrevê-la ao médico.

  • Uso de antibióticos

Depois de remover o resíduo do veneno, o médico usará corticosteroides tópicos, anti-inflamatórios e anti-histamínicos orais para tratar a queimadura. Em caso de infecção, o tratamento incluirá antibióticos tópicos.

  • Alergias

Lembre-se de que uma reação alérgica a uma queimadura de água-viva pode ser muito perigosa. Relate a sua condição imediatamente ao médico para que ele possa tratá-lo corretamente.

  • Cegolon, L., Heymann, W. C., Lange, J. H., & Mastrangelo, G. (2013). Jellyfish stings and their management: A review. Marine Drugs. https://doi.org/10.3390/md11020523
  • Lakkis, N. A., Maalouf, G. J., & Mahmassani, D. M. (2015). Jellyfish Stings: A Practical Approach. Wilderness and Environmental Medicine. https://doi.org/10.1016/j.wem.2015.01.003
  • Li, L., Mcgee, R. G., Isbister, G. K., & Webster, A. C. (2013). Interventions for the symptoms and signs resulting from jellyfish stings. Cochrane Database of Systematic Reviews. https://doi.org/10.1002/14651858.CD009688.pub2