Como prevenir e tratar as queimaduras de águas-vivas

· 12 de março de 2019
Caravela, mãe d'água e ovo frito, são as três espécies que têm em comum o fato de que sua queimadura é grave; apenas encostando nelas, soltam células urticantes e a pele experimenta uma coceira e uma dor intensas no mesmo momento.

Quando chega o verão os ventos e as correntes marítimas mudam. A temperatura sobe tanto na terra quanto nas águas do hemisfério norte, e com isso a população de águas-vivas é arrastada até as costas. Em vista disso, os especialistas emitem uma mensagem de precaução diante da possibilidade de sofrer queimaduras de água-viva ao usar as praias.

As águas-vivas que costumam ser encontradas mais comumente em nossas águas são a caravela, a mãe d’água e a ovo frito. Estas três espécies têm em comum o fato de que sua queimadura é grave; apenas encostando nelas, soltam células urticantes e a pele experimenta uma coceira e uma dor intensas no mesmo momento.

Sintomas das queimaduras de águas-vivas

  • Erupção cutânea, irritação e vermelhidão da pele.
  • Ardor (que pode chegar a ser insuportável em caso de formação de úlceras e bolhas).
  • Sensação de formigamento e adormecimento da região afetada.
  • Dor de cabeça (de intensidade leve a moderada)
  • Náuseas, enjoos e nervosismo (só em casos graves).

Confira também: Como organizar um dia na praia

Água-viva

Prevenção

Recomenda-se a todos os banhistas aplicarem, por todo o corpo, cremes com proteção para as queimaduras de águas-vivas. Em especial na área do abdômen, costas, braços e pernas, já que costumam ser as mais afetadas. A ideia é não deixar as áreas mais expostas do corpo desprotegidas.

Atualmente, Safe Sea é a única marca no mercado que conta com a aprovação dos médicos, a nível internacional, já que é uma marca criada por cientistas marinhos e biotecnólogos comprometidos com a saúde das pessoas e o cuidado do meio ambiente.

Creme contra queimaduras de águas-vivas

Sua linha de produtos é hipoalergênica e resistente à água, com isso sua aplicação sobre o rosto e corpo é completamente segura. Além disso, oferece proteção em dobro; ou seja, proteção solar e contra as queimaduras de água-viva. Agora, no que diz respeito ao seu uso correto, é preciso ter em conta que:

  • Deve-se aplicar sobre a pele limpa e seca pelo menos 30 minutos antes da exposição ao sol e do primeiro banho.
  • Estender o produto pela pele com movimentos lentos para englobar por completo as diversas áreas.
  • Deixar que o produto se absorva antes de colocar as roupas.
  • Retocar o produto depois de 80 minutos de atividade aquática.

Outras medidas de precaução incluem não tocar estes animais, ainda que estejam mortos, já que ainda têm veneno. É muito importante transmitir isso ás crianças, já que sua curiosidade costuma levá-las a querer brincar com as águas-vivas na areia. Por outro lado, caso vá nadar em águas mais profundas, recomenda-se usar um traje com uma tela grossa apropriada: neoprene ou lycra grossa.

Não deixe de conferir: 5 benefícios psicológicos de praticar natação

Primeiros socorros

  • Não esfregar a área afetada com areia e nem toalhas.
  • Não lavar com a área afetada com água doce, mas sim com salgada.
  • Colocar uma compressa de gelo durante pelo menos 20 minutos.
  • Caso os tentáculos continuem colados à pele, aplicar vinagre em abundância para deter a injeção do veneno. Também pode servir uma dissolução de bicarbonato de sódio.
  • Não borrifar amoníaco e nem urina sobre a área afetada já que não tem nenhum eficácia; esta medida só funciona com as queimaduras de peixe.
  • A pessoa que retirar os tentáculos não deve, sob nenhuma circunstância, proceder sem colocar luvas.
  • Procurar de imediato a unidade de urgências do hospital mais próximo.

Tratamento para as queimaduras de águas-vivas

É muito importante saber como era a água-viva, suas características, para poder informar ao médico e assim determinar qual foi a espécie que causou a queimadura, já que o sucesso do tratamento farmacológico depende muito deste dado. Em primeira instância, o médico deve retirar os resíduos de veneno e posteriormente recorrerá, segundo o caso, ao uso de corticoides tópicos, anti-inflamatórios e anti-histamínicos orais. Caso haja infecção, o tratamento incluirá antibióticos tópicos.

Se a pessoa afetada for alérgica, o médico procederá aplicando um tratamento especializado para evitar que os sintomas piorem. Porém, as medidas de atenção primária mencionadas anteriormente servem para assistir à pessoa no momento até seu ingresso no hospital.