Como o índice glicêmico é calculado?

3 de abril de 2020
O índice glicêmico é útil para diabéticos, mas também em outras condições, como a hipoglicemia. Saiba tudo sobre ele a seguir.

O índice glicêmico é um parâmetro que ganhou força e importância nos últimos anos, principalmente para pessoas diabéticas. Trata-se de um fator importante em determinadas condições de saúde.

Este parâmetro mede a capacidade de um alimento de aumentar o açúcar no sangue após o consumo. Glicemia é a quantidade de glicose presente no sangue, que é produzida após a digestão dos carboidratos nos alimentos.

O índice glicêmico foi criado há cerca de 30 anos, com a intenção de classificar os alimentos de acordo com a velocidade com que eles aumentavam a glicose no sangue. No entanto, sua utilidade não se limita apenas aos diabéticos. Neste artigo, explicaremos tudo que você precisa saber sobre ele.

Em que consiste o índice glicêmico?

Em que consiste o índice glicêmico?
O índice glicêmico é um parâmetro que permite avaliar a capacidade de um alimento de aumentar o nível de açúcar no sangue após a refeição.

Para entender corretamente o índice glicêmico, primeiro faremos uma breve revisão da diabetes e da sua relevância para essa patologia. A diabetes é uma doença na qual os níveis de açúcar no sangue (glicemia) ficam muito altos. Isso ocorre porque o corpo não fabrica insulina ou não pode usá-la adequadamente. A insulina é a “chave” que permite que a glicose entre nas células.

Quando isso ocorre, esse excesso de glicose no sangue pode causar inúmeros danos ao corpo com o passar do tempo. Muitos estudos relacionam a diabetes a doenças cardíacas, oculares e renais, entre outras.

Foi a partir daí que surgiu o índice glicêmico. Pretendia-se medir os níveis de glicose no sangue após a ingestão de diferentes alimentos. Dessa forma, tornou-se possível escolher as refeições mais adequadas de acordo com o estado de saúde de cada um.

Por exemplo, um diabético precisa de alimentos que contenham um índice glicêmico mais baixo. No entanto, quando uma pessoa entra em hipoglicemia (uma situação em que a glicose no sangue fica muito baixa e coloca a vida em risco), ela precisa de alimentos com um índice mais alto.

Você pode gostar de ler: Conheça todos os tipos de diabetes

Como o índice glicêmico é calculado?

Em resumo, poderíamos dizer que o índice glicêmico é uma expressão numérica de como a glicose no sangue varia após a ingestão de um determinado alimento. Na verdade, é um teste simples de laboratório. Hoje, existem inúmeras calculadoras que nos permitem conhecê-lo.

Ele é usado para saber a velocidade com que os carboidratos das nossas refeições passam para o sangue na forma de glicose. Esse índice é medido em uma escala que varia de 0 a 110. Desta forma:

  • De 0 a 55: temos um baixo índice glicêmico.
  • Entre 56 e 69: trata-se de um valor médio.
  • De 70 a 110: o índice glicêmico é alto.

Isso significa que, quanto maior o valor, mais rapidamente a glicose no sangue aumenta. No caso dos diabéticos, esse pico de glicose deve ser evitado. Portanto, o índice é útil para o planejamento das refeições.

Como o índice glicêmico varia?

Mulher tomando sucos
O índice glicêmico dos alimentos varia de acordo com fatores como o processamento e a forma de consumo. Um suco tem um índice glicêmico mais alto do que a fruta em seu estado natural, por exemplo.

Como mencionamos, esses parâmetros podem nos ajudar a planejar nossas refeições. No entanto, existem muitos outros fatores que influenciam, como a carga glicêmica. Portanto, é importante que você consulte um especialista antes de iniciar uma dieta.

Além disso, o índice glicêmico do mesmo alimento varia de acordo com certos aspectos. Por exemplo, no caso das frutas ou vegetais, esse parâmetro aumenta quanto mais maduro estiver o alimento.

Da mesma forma, o processamento e a forma de apresentação do alimento também têm uma influência. Um suco tem um índice mais alto do que a fruta da qual é obtido. Curiosamente, até a maneira como você assa o pão pode influenciá-lo.

O tempo de cozimento de uma massa, por exemplo, pode determinar um índice maior ou menor. Uma massa “al dente” tem um índice mais baixo do que a que passou mais tempo sendo cozida.

Você pode estar interessado: O açúcar mascavo é melhor do que o refinado?

Em suma…

O índice glicêmico é um parâmetro útil em determinadas situações, como na diabetes, já que ajuda a controlar os picos de glicose no sangue após as refeições.

Alguns dos alimentos mais recomendados são os vegetais, as leguminosas e a maioria das frutas. A fibra tende a reduzir o índice glicêmico de um alimento. 

Por outro lado, esse índice também pode nos ajudar a saber como auxiliar uma pessoa que sofre de hipoglicemiaA escolha de um alimento com um índice alto será essencial para melhorar essa situação.

No entanto, o ideal é consultar um médico ou nutricionista para se informar corretamente sobre o assunto antes de tomar uma decisão que afete a sua dieta.

  • Kharroubi AT, Darwish HM. Diabetes mellitus: The epidemic of the century. World J Diabetes. 2015;6(6):850–867. doi:10.4239/wjd.v6.i6.850
  • ¿Qué es la diabetes? | NIDDK. (n.d.). Retrieved September 5, 2019, from https://www.niddk.nih.gov/health-information/informacion-de-la-salud/diabetes/informacion-general/que-es
  • Índice glucémico y diabetes: American Diabetes Association®. (n.d.). Retrieved September 5, 2019, from http://archives.diabetes.org/es/alimentos-y-actividad-fisica/alimentos/que-voy-a-comer/comprension-de-los-carbohidratos/indice-glucemico-y-diabetes.html
  • El índice glucémico de los alimentos. (n.d.). Retrieved September 5, 2019, from https://www.fundaciondiabetes.org/general/articulo/47/el-indice-glucemico-de-los-alimentos
  • Vega-López S, Venn BJ, Slavin JL. Relevance of the Glycemic Index and Glycemic Load for Body Weight, Diabetes, and Cardiovascular Disease. Nutrients. 2018;10(10):1361. Published 2018 Sep 22. doi:10.3390/nu10101361
  • Eleazu CO. The concept of low glycemic index and glycemic load foods as panacea for type 2 diabetes mellitus; prospects, challenges and solutions. Afr Health Sci. 2016;16(2):468–479. doi:10.4314/ahs.v16i2.15